Selva de aço – Crônica


Selvaço

Um dia prometeram mudar a forma de se ver o mundo. Uma gaiola protege contra o vento e a chuva, uma série de alavancas garante o controle, um motor ligado às rodas impulsionam o conjunto. Com um pouco de trabalho, qualquer que fosse, todos poderiam juntar dinheiro o suficiente para ter condições de comprar aquela carroça sem cavalos, de 100 cavalos. Poderia se ir mais longe, mais rápido, com mais conforto, com menos esforço. Era uma idéia tentadora, digna do desejo de trabalhadores que precisavam carregar quilos e quilos de materiais por longas distâncias todos os dias, cansando exaustivamente a si próprios e a seus animais. Digna também, porém, da futilidade do sedentarismo antinatural que tomou conta da civilização. Não se cansa mais, não se sua mais, não existe mais esforço senão aquele cujo único objetivo é justamente não mais se esforçar.

Era uma manhã como outra qualquer, acordei cedo. Peguei meu veículo e logo parei para abastecer numa padaria que serve um ótimo combustível. De tanque cheio, tomei meu rumo. Nessa hora, as ruas parecem currais de rinocerontes, búfalos, hipopótamos, elefantes e até dinossauros. São todos grandes, brutos, pesados, fedidos e esfomeados.  Comportam-se como seres irracionais que são, apesar de adestrados por seres teoricamente racionais. Ineficiência temperada a aço e óleo que um dia acabarão. Nas mais variadas formas e tamanhos, essas bestas preenchem cada centímetro dos vastos labirintos que uma vez foram criados para os animais humanos, estes que agora mais parecem presentes troianos. Nessa realidade animalesca, sinto-me um leopardo: leve, esguio, rápido, prático. Eficiência abastecida a arroz e feijão, renovados a cada estação. E um pouco mais racional.

Observava os outros animais de perto, não havia espaço para se ter uma visão de longe. Por entre um e outro, enquanto se moviam lentamente, quase parando, abria meu caminho. A fila de gigantes de aço aumentava, um atrás do outro, como se estivessem esperando a sua vez de poder exibir toda sua força, algo que nunca iria acontecer ou, se acontecesse, por alguns poucos segundos. Frustrados, quase castrados, encouraçam-se aos montes em meio a nuvens de fumaça e poças de sangue terrestre, dejetos do conforto. Imponentes com toda sua potência, impotentes diante de tanta imponência, é um desastre causado por si próprio. A propaganda dizia “Mais liberdade, mais mobilidade, mais velocidade, mais eficiência”. Mais liberdade, mais mobilidade, mais velocidade, mais eficiência. Mais liberdade, mais mobilidade, mais velocidade, mais eficiência. Mais… fila. Já não sei mais de quem estão falando. O ritmo das pedaladas funcionava como um mantra, até que algo interrompeu a concentração:

– Sai daí ô! Fica atrapalhando o trânsito! – disse-me um dos domadores de bestas. Parei, respirei fundo, respondi com calma.

– Quem atrapalha é você. Sua gaiola pesa uma tonelada, ocupa a rua toda e ainda fica parada a maior parte do tempo. Tá vendo eu trancar o caminho de alguém por acaso?

– O meu!

– Não. O seu caminho tá trancado pelo seu colega da frente. Eu vou passar pelo lado e continuar pedalando.

– Então eu vou passar por cima de você e desse seu brinquedo!

– Isso não vai arranhar a pintura e amassar a lataria?

– Ah! Seu %$@#%#…

– Boa sorte, tente me alcançar.

Um dia prometeram mudar a forma de se ver o mundo. Num passado pouco distante, viam-se paisagens, montanhas, árvores, nuvens. Hoje se vê o carro da frente, o carro de trás, o carro de um lado e o prédio do outro. Talvez o plano tenha dado certo demais. Segui meu caminho, vaiado por uma multidão de rosnados artificiais. Nem para reclamar esforça-se mais, está tudo ao alcance de um botão. Uma população inteira investe seu tempo para ter exclusividade, e não se dá conta de que tanta exclusividade só pode resultar numa coisa: exclusão. Exclusão da vida, exclusão da natureza, exclusão do corpo e da vontade que nos é própria, exclusão da sabedoria. Trabalhar para não ter trabalho, trabalhar para ostentar o luxo insustentável e autodestruidor, usar a vida para assegurar a morte – esta sim que deve ser tranqüila -, não me parece fazer sentido. Prefiro suar e não incomodar ninguém.

Por Vinícius Leyser da Rosa

Veja também:

Conto para o Dia dos Pais – leia aqui o conto “Não chore, papai”, de Sérgio Faraco.

Anúncios

Sobre bicicletanarua
Ciclista urbano paulistano residente em Florianópolis.

6 Responses to Selva de aço – Crônica

  1. gilvas says:

    curiosamente, era justamente nos montros do asfalto, e em como eu estava os atrapalhando, que eu vinha pensando, hoje de manhã, enquanto pedalava minha magrela, a vera.

  2. matias says:

    Muito bom texto, os carros deveriam ir pra roça, onde são úteis e as cidades deveriam fazer uso apenas de coletivos, pedestrianismo e bicicletas, realmente incomodariamos nos menos uns aos outros.
    Boas palavras, desejo te boas pedaladas.

  3. Marcelo Venturi says:

    Texto maravilhoso! E em minha cidade ainda tem político que prioriza a construção de estradas para carros, e se preocupa em construir mais uma ponte (das 3 já existentes no mesmo ponto). Odeio gente burra!
    Parabéns pela maravilhosa analogia.

  4. jose Haroldo says:

    Muito bom. Nota 1000. Quem está preso em um carro qdo o transito está engarrafado, não nos olha com muita simpatia. Felizmente temos espaço fugir do prisioneiro da Selva de Aço.

  5. Pingback: Selvaço | Milton Jung

  6. Pingback: Selvaço | Mílton Jung

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: