Para não esquecer – Primeira ghost bike de Florianópolis


Vasculhando o site do Diário Catarinense, encontrei esta reportagem, publicada na edição impressa do periódico em 11 de dezembro de 2008 (pág. 21 – leia aqui no site do DC).  Depois de Rodrigo Lucianetti, cerca de 10 ciclistas perderam a vida na região da Grande Florianópolis, vítimas de crimes de trânsito. A fim de não esquecermos a violência a que os ciclistas, desprotegidos de carapaças metálicas, estão expostos frente à imprudência no trânsito, divulgamos a matéria, bem como torçamos para que a justiça puna severamente o envolvido, contribuindo, assim, para que casos semelhantes não venham a ocorrer no futuro. Saudações à família do Rodrigo.

Trânsito

Silêncio e bicicleta para lembrar vítima

Os participantes da passeata, ocorrida sábado à tarde, em homenagem ao triatleta e engenheiro Rodrigo Lucianetti, atropelado e morto no último dia 3, preferiram não fazer discursos. No local do acidente, na Rodovia Mauricio Sirotsky Sobrinho, em Jurerê, no Norte de Florianópolis, ergueram uma bicicleta branca, pintaram uma estrela no asfalto e rezaram. Depois, alguns de bicicleta, muitos a pé, retiraram-se.

A bicicleta branca, também conhecida como “bicicleta fantasma”, é um sinal internacional que indica locais onde ciclistas morreram. A demonstração reuniu cerca de 80 pessoas de bicicleta e 250 a pé. Parte dos ciclistas era da Iron Mind, equipe de triatlo da qual Lucianetti era integrante. Quase todos trajavam camisetas brancas com a foto dele e os dizeres “Mais vida. Mais respeito. Não podemos perder outra vida”, também presente nas faixas que eram carregadas. O mesmo policial militar que atendeu a ocorrência do atropelamento, por volta das 7h45min do domingo da semana passada, ajudou na escolta da passeata e a controlar o trânsito. Durante a passeata, o tráfego chegou a ficar parado por cerca de 10 minutos e formou-se fila de aproximadamente 50 metros.

Passeata homenageou atleta atropelado por condutor embriagado da Capital. Foto: Guto Kuerten.

O agrupamento reuniu-se a partir das 14h no restaurante Taikô, em Jurerê. Como ficava a quatro quilômetros de distância do lugar, os que foram a pé dirigiram-se primeiro. Os ciclistas saíram pouco depois do Taikô e todos encontraram-se perto da Estação Ecológica de Carijós.

Ex-professores, incluindo reitor da UFSC, participaram

Além da família, amigos e colegas de trabalho, ex-professores também compareceram à homenagem, entre eles o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Álvaro Prata, que deu aula para Lucianetti no curso de Engenharia Mecânica.

Lucianetti foi atropelado enquanto treinava para a etapa do IronMan, que será disputado em setembro.

O outro ciclista que pedalava com ele no momento do acidente, Marcelo Occhialini, 37, sofreu fraturas na perna e no braço esquerdo e passou por cirurgia. Segundo a Polícia Militar Rodoviária, o teste do bafômetro comprovou que Thiago Luiz Stabile, 21, condutor do Gol que atingiu os dois, estava embriagado. O rapaz foi preso e responde por homicídio doloso.

Foto: Guto Kuerten.

Saiba mais:

Brechas na legislação favorecem crimes de trânsito – editorial do Diário Catarinense aborda relação entre a Lei Seca, a justiça, a imprudência dos motoristas e a violência no trânsito.
Começa julgamento do jovem embriagado que assassinou triatleta após Lei Seca – o Jornal Notícias do Dia alerta sobre a primeira audiência do caso em questão.
Mais rigor no trânsito – artigo de Clarissa Homsi mostra as tendências do Judiciário no tratamento às infrações de trânsito.
A rodovia das mortes – Quando ciclistas são assassinados – matéria do Bicicleta na Rua aborda o descaso das autoridades públicas estaduais para a situação que ciclistas e pedestres enfrentam na SC-401.
Bicicletas-fantasmas em Florianópolis para o mundo saber – as homenagens aos ciclistas falecidos na Grande Florianópolis chegaram ao site internacional Ghostbikes.org.
Papo no Deinfra: sobre bicicletas em acostamento e o caso de Jurerê – conteúdo do Bicicleta na Rua mostra que se pensava em retirar as bicicletas-fantasmas dos locais onde foram instaladas.
Passeata faz homenagem a triatleta morto ao ser atropelado por motorista bêbado – conteúdo on line do Diário Catarinense sobre a Passeata pela Vida.
Motorista embriagado provoca morte de ciclista em Florianópolis – conteúdo on line do Diário Catarinense sobre a tragédia dos ciclistas.

Sobre bicicletanarua
Ciclista urbano paulistano residente em Florianópolis.

5 Responses to Para não esquecer – Primeira ghost bike de Florianópolis

  1. Pingback: Tweets that mention Para não esquecer – Primeira ghost bike de Florianópolis « Bicicleta na Rua -- Topsy.com

  2. Pingback: Ciclistas mortos na Grande Florianópolis após a vigência da Lei Seca « Bicicleta na Rua

  3. Pingback: Motorista embriagado que matou ciclista no Jurerê vai a júri popular « Bicicleta na Rua

  4. Pingback: Sentimento extravasado « Bicicleta na Rua

  5. Pingback: Lembranças de um ano atrás « Bicicleta na Rua

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: