Em luto, mas pela vida


A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição impressa do periódico Diário Catarinense em 22 de novembro de 2010 (pág. 21). Você pode ver a matéria no site do DC aqui.

AÇÃO PELA VIDA

O luto em luta

Vítimas do trânsito foram homenageadas na Beira-Mar Norte, na Capital

Chritiani Yared foi uma das cerca de 400 pessoas presentes ao evento que marcou o Dia Mundial em Memória das Vítimas do Trânsito, ontem, na Avenida Beira-mar Norte, em Florianópolis. Chistiani é mãe de Gilmar Yared, um dos jovens mortos em um acidente ocorrido em maio do ano passado em Curitiba.

No carro estavam Gilmar, 26 anos, e o amigo Carlos Murilo de Almeida, 20. Na tragédia se envolveu o deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho (PSB), que estava com a carteira de habilitação cassada embora dirigisse seu automóvel de luxo.

– Estamos preocupados, pois nesta semana ele vai receber a carteira volta – explicou Christiani, que criou o Instituto Paz no Trânsito.

A militância de Christiani não surgiu logo após a morte do filho.

– Foi ao ver tantas mães que também tiveram seus filhos mortos no trânsito pedindo ajuda que me decidi.

 

Cristiane perdeu um filho num acidente em Curitiba. Foto: DC.

O Instituto Paz no Trânsito tem como linha o tripé educação, fiscalização e atendimento às famílias. Para ela, saber educar as crianças é garantia de mais respeito ao outro e as normas da sociedade. Christiani entende também que a falta de fiscalização é um problema sério e vê na devolução da carteira do motorista envolvido na morte do seu filho como um “tudo pode”:

– São situações assim que deixam as pessoas com a sensação da impunidade. Estamos trabalhando junto às famílias também o aspecto de que não se pode deixar de lutar. Nesta semana vamos organizar uma manifestação em Curitiba para que se possível a decisão seja revista pelas autoridades.

Christiani procura aliviar a dor das famílias com a própria experência:

– Digo sempre que a gente não enterra um filho. A gente planta uma semente. Hoje estamos aqui para lembrar dos mortos. Um dia estaremos erguendo um memorial para celebrar a vida que salvamos – explica.

Quem também participou da manifestação foi Fernando Diniz. Fernando é pai de Fabrício Diniz, vítima de um acidente em março de 2003 na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Além dele morreram mais duas jovens. O motorista Marcelo Henrique Negrão Kijak foi indiciado por triplo homicídio culposo. O laudo da perícia técnica constatou excesso de velocidade, condução em zigue e zague com derrapagem e consequente perda de direção, em um local em que a velocidade máxima permitida é de 60 km/h. Kijac teve a prisão decretada. Mas fugiu. Ele é procurado pela Interpol, mas seu paradeiro ainda é desconhecido.

Educação no trânsito deve começar na infância. Foto: DC.

– Não existe dor maior do que enterrar um filho. Eu decidi transformar o luto em luta. Viajo por onde posso ajudar a conscientizar as pessoas, por isso estou aqui junto com minha filha.

Ângela Bastos

Anúncios

Sobre bicicletanarua
Ciclista urbano paulistano residente em Florianópolis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: