A polêmica da ciclofaixa de Curitiba


Neste domingo, 23 de outubro de 2011, deve entrar em operação o Circuito Ciclofaixa. Nos mesmos moldes da Ciclofaixa São Paulo, em que ruas normalmente destinadas ao tráfego automotor viram, aos domingos, uma opção de lazer para a cidade, o Circuito Ciclofaixa começará na região central de Curitiba com 4km, funcionando apenas no último domingo de cada mês, das 8h às 16h. A idéia é que até o dia 29 de março, aniversário da cidade, essa opção de lazer funcione todo domingo do mês. A prefeitura espera, com isso, começar a estimular o respeito aos ciclistas no trânsito.

Pelos ciclistas da cidade, que não foram ouvidos durante a tomada de decisão, o anúncio da ciclofaixa de um domingo por mês foi considerada uma piada de mau gosto. Acostumados a pedalar pela região central, que não conta com decentes infraestruturas cicloviárias, o Circuito Ciclofaixa sofreu muitas críticas.

Em várias ruas, a faixa, que contava, até anteontem pelo menos, com uma simples pintura vermelha na lateral e em entroncamentos, sem uma sinalização clara que indicasse a passagem de ciclistas, foi, ainda, construída no lado esquerdo das vias. No dia-a-dia, os ciclistas pedalam por essas ruas pelo lado direito. Temem, com razão, que sejam hostilizados nos demais dias do mês por não estarem no lado que a administração considerou o “certo” sem observar o comportamento dos ciclousuários.

Ademais, não há a mínima razão para crer que uma ciclofaixa de lazer uma vez por mês vá provocar mudanças no comportamento no trânsito, permitindo um sossegado compartilhamento da rua entre os diversos meios de transporte.

Infraestruturas cicloviárias mal-feitas ou mesmo a ausência de pistas cicláveis decentes podem levar ao óbito de ciclistas. Talvez o exemplo mais recente disso seja a morte do empresário Antonio Bertolucci, sócio da Lorenzetti, atropelado no cruzamento da Av. Sumaré com a Av. Dr. Arnaldo. A Av. Sumaré possui uma ciclovia no canteiro central, feita sem diálogos entre a prefeitura e a sociedade, que mal é usada pelos usuários da bicicleta e por um motivo simples: não é funcional.

Outro caso emblemático ocorreu em Garopaba. A retirada da então única ciclofaixa da cidade ocasionou 6 atropelamentos em 4 dias.

Conhecendo isso, e com o conhecimento de que Curitiba é a cidade proporcionalmente mais motorizada entre as sedes da Copa do Mundo 2014, fazem sentido aos preocupações dos ciclistas curitibanos.

Foi por isso que, na inauguração do Circuito Ciclofaixa, a Bicicletada Curitiba fará uma mobilização demonstrando a sua insatisfação com a proposta.

A reação da prefeitura às críticas foi imediata. Numa reunião com representantes de grupos de pedaladas no qual estavam, entre outros, o Cicloiguaçu, o Ciclovida e participantes da própria Bicicletada, a prefeitura de Curitiba justificou o Circuito Ciclofaixa. Ficou também decidido que os ciclistas fariam um relatório com suas impressões do circuito. Se as considerações forem levadas a sério e se essa reunião vai ser o início de uma futura domissão municipal de mobilidade urbana por bicicleta, nos moldes da que foi recém-criada em Florianópolis, ou mesmo de um departamento de mobilidade ativa, só o futuro dirá.

Enquanto isso, espera-se que uma nova abordagem seja tomada para permitir a inclusão, com segurança, da bicicleta no trânsito curitibano, bem como que a ciclofaixa acabe não prejudicando o pedalar cotidiano de quem já aderiu a essa forma de mobilidade na cidade.

Saiba mais:

Em Curitiba, ciclofaixa de lazer genérica vai funcionar em doses homeopáticas – o blogue Ir e Vir de Bike, ligado ao jornal Gazeta do Povo, tece algumas considerações bastante válidas sobre o Circuito Ciclofaixa.
Curitiba terá ciclofaixa de lazer – divulgação na Gazeta do Povo sobre a iniciativa da prefeitura.
Ciclistas convocam protesto contra ciclofaixa uma vez por mês – divulgação na Gazeta do Povo da manifestação dos ciclistas.
1º Circuito Ciclofaixa de Lazer de Curitiba será neste domingo – segundo a Prefeitura Municipal de Curitiba, o município conta com 120km de ciclovias e mais 22,4km estão em construção.
Ciclovias ligam Curitiba de ponta a ponta – segundo o Plano Diretor Cicloviário, Curitiba deverá ter 400km de ciclovias.
Região central terá domingo de lazer com o Circuito Ciclofaixa – matéria do Jornal do Estado mostra a preocupação evidenciada pelo grupo Cicloiguaçu com a inauguração da ciclofaixa. Veja aqui a chamada na capa.
As bicicletas e as estatísticas do governo Richa/Ducci a frente da prefeitura de Curitiba – entre janeiro de 2001 e setembro de 2011, foram 4.633 acidentes com ciclistas registrados em Curitiba, sendo 65 fatais.

Veja também:

São Paulo amplia sua ciclofaixa de lazer
Campinas inaugurará ciclofaixa de lazer para os domingos e feriados

Anúncios

Sobre bicicletanarua
Ciclista urbano paulistano residente em Florianópolis.

3 Responses to A polêmica da ciclofaixa de Curitiba

  1. Pingback: Charge – Na inauguração da ciclofaixa de lazer… « Bicicleta na Rua

  2. Pingback: Vote pela Lei da Bicicleta em Curitiba « Bicicleta na Rua

  3. Pingback: Artigo: uma reflexão crítica sobre as ciclofaixas de lazer de Florianópolis « Bicicleta na Rua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: