Mobilização por calçada e ciclovia na Barra do Sul vem desde 2007


bicicleta_na_rua3-joel pacheco

Um pedido simples arrasta-se já por mais de cinco anos. Calçadas e ciclovias na região da Barra do Sul, em Florianópolis, ainda teimam em não surgir na paisagem bucólica que compreende quatro comunidades do sul da Ilha de Santa Catarina.

As mobilizações do que seria o primeiro Plano Diretor Participativo da capital catarinense promoveram a primeira sistematização das necessidades e demandas das comunidades de Caiacanga-açú, Tapera da Barra do Sul, Caieira da Barra do Sul e Naufragados.

Em documento datado provavelmente de dezembro de 2007, a Sociedade Amigos da Barra do Sul mostra os resultados dos encontros que abrangem a área de cerca de 4.000 moradores.

Dentre as diretrizes, advindas de oficinas temáticas e reuniões desse sub-núcleo do Distrito do Ribeirão da Ilha, duas têm relação com a bicicleta.

Referindo-se ao tema de “Infraestrutura Social”, no assunto “Esporte”, encontramos:

Reserva de áreas e contrução de quadras poliesportivas, campos de futebol, pistas de bicicross em todas as comunidades

Na reunião que ocorreu em 24 de maio de 2012, outra demanda também foi citada pelos jovens: pistas de skate. De fato, a bicicleta e o skate são facilmente percebidos na paisagm local, apesar dos perigos de sua débil estrutura viária.

No tema “Mobilidade”, o assunto “Ciclovias” aparece com destaque:

Criação de uma ciclovia na Caiacanga ao longo da rodovia

Dentre as inúmeras demandas do documento, esta foi das poucas que tiveram uma resposta. Já iniciaram os estudos para a implantação de pista ciclável nas localidades da Tapera e Caieira da Barra do Sul, embora o trecho ainda não chegue à Caiacanga.

O local tem altíssimo potencial cicloturístico. Muitos ciclistas optam por fazer o trajeto de Florianópolis ao sul de Palhoça pela travessia de barco que existe na Caieira da Barra do Sul, em vez de enfrentarem as altas velocidades e paisagens cinzas das margens da BR-101.

Ainda assim, cinco anos se passaram e a paisagem está longe de se modificar. Quanto tempo, afinal, pode-se levar para ficar  pronto de menos de cinco quilômetros de ciclovia? Quanto tempo um governo pode se fazer de negligente em não proporcionar segurança aos alunos das escolas que vão para lá de bicicleta? Quantos acidentes, com os respectivos impactos na saúde física e psicológica, do cidadão e da gestão, irão ocorrer até que alguma providência seja tomada?

Os antiexemplos da Barra do Sul e da Lagoa da Conceição são reflexos emblemáticos de uma omissão estatal que não pode se deixar acontecer.

Saiba mais:

Moradores querem ciclovia na Caieira da Barra do Sul
Moradores vão atrás de calçada e ciclovia para o sul de Florianópolis

Sobre bicicletanarua
Ciclista urbano paulistano residente em Florianópolis.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: