2014


O ano que recém-finda foi, de certa maneira, muito especial para mim.

Infelizmente, pouco do que foi feito foi divulgado por aqui. Este foi, à exceção de 2009, quando estreamos em novembro, o ano em que menos publicamos neste site.

Certamente não foi por falta de notícias, embora a inação da Prefeitura de Florianópolis e do Governo do Estado de Santa Catarina tenham dado uma força.

Começamos fevereiro comigo, o editor, eleito para a União de Ciclistas do Brasil, no cargo de Conselheiro Fiscal, durante a terceira edição do Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba. Desde 2010 membro da UCB, nunca vira uma diretoria mais ativa do que esta atual. Formalizamos parcerias importantes, como com a Aliança Bike, participamos da Brasil Cycle Fair e da Shimano Fest, fomos a Brasília (a UCB, não eu) discutir projetos de lei, mas, talvez a ação mais importante que fizemos foi a Carta de Compromisso com a Mobilidade Ciclística. Candidatos à presidência, ao Senado, à Câmara de Deputados e às Assembléias Estaduais assinaram em concordância com as 14 propostas discutidas por ciclistas de todo o Brasil. Três candidatos ao posto máximo do Executivo brasileiro assinaram: Eduardo Jorge, Marina Silva e Luciana Genro. Eu mesmo tive a oportunidade de falar pessoalmente com Eduardo Campos e Marina e com a coordenação de Reforma Urbana da campanha de Dilma Rousseff. Se esta não assinou a Carta, lançou-nos um compromisso, englobando completamente 8 de nossas propostas, além de outras 4 de forma parcial. Infelizmente, a redução de IPI para bicicletas não foi contemplada, mas esperamos, com as outras demandas, possibilitar a melhoria da qualidade de vida de nossas cidades.

Graças à UCB – e com apoio da Aliança Bike, Bike Anjo e Rede Bicicleta para Todos e patrocínio do Itaú -, terei um capítulo de livro publicado. O livro “Realidade da Bicicleta no Brasil” deverá ser lançado em fevereiro em São Paulo e em Brasília. Talvez isso ajude a alavancar a versão brasileira de “Pedaling Revolution”, que tinha previsão de lançamento durante a mesma edição do Fórum Mundial da Bicicleta no qual fomos eleitos para a UCB… Sonhar nunca é demais!

Enquanto isso, um outo motivo leva-me a não atualizar tanto quanto possível o Bicicleta na Rua, embora continue lendo notícias sobre bicicleta todo santo dia. É um motivo que muito me alegra e do qual, de certa forma, o envolvimento com o ativismo em prol da bicicleta estava me provocando distanciamento. Após cerca de três dezenas de livros e uma centena de artigos lidos, finalmente minha monografia se encaminha para ser término. Será um trabalho interessante sobre a história ictiológica do Estado de Santa Catarina, com dados que estavam esquecidos pela nova geração de pesquisadores que adveio das universidades do sudeste do país. As cerca de 500 páginas escritas à mão denotam o minucioso trabalho de pesquisa que tenho empreendido nos últimos meses. E tomara que seu resultado recompense as notícias que cá deixamos de veicular.

Apesar disso tudo, como se pôde perceber, não deixei a bicicleta de lado. Pelo contrário: o afastamento com as questões municipais desterrenses me trouxeram de volta o prazer de pedalar. Pela primeira vez desde 2008, usei mais a bicicleta do que a motocicleta. Em 2014, finalmente cumpri a promessa dos últimos Réveillons!!! E pedalei em Florianópolis, pedalei em Balneário Camboriú, pedalei em Curitiba e pedalei em São Paulo. É incrível o esforço destas últimas cidades nestas novas gestões. Ao contrário do alcaide de Floripa, os prefeitos de Balneário, Curitiba e Sampa têm me deixado boquiabertos. De maneira geral, as ciclovias e ciclofaixas implementadas nessas cidades são de qualidade razoável a boa e – o principal – funcionais! Hoje, em São Paulo, nos meus maiores deslocamentos eu conto com ciclofaixa em metade do meu caminho, tornando o meu pedalar uma atividade realmente desestressante. A ciclofaixa na Avenida Atlântica, em Balneário Camboriú. realmente me facilitou enormemente os deslocamentos na cidade, além de embelezar a orla. Como foram mostrados pelos estudos divulgados, ambas estão com um bom uso – as ciclofaixas da megalópole paulistana aumentaram em 50% a circulação de ciclistas – inclusive eu!

Em Florianópolis, entretanto, nosso trabalho não tem sido politicamente reconhecido. Os motivos são velhos conhecidos e passam apenas raspando pela falta de vontade política. Apenas nos últimos meses, cerca de 9 operações contra corrupção foram deflagradas pela Polícia Federal em Santa Catarina. Temos 14 dos 23 vereadores indiciados. E olha que as artimanhas que impedem a implantação de ciclovias nem foram ainda alvos… Basta ver mais alguns dos contratos para sinalização vertical de trânsito, retroativo a, pelo menos, 4 anos, para encontrar mais um rombo da ordem de dezenas de milhões de reais aos cofres públicos. Basta ver os contratos de consultoria para projetos de planejamento urbano, referente a 2012, incluindo a Microrrede Cicloviária central, para encontrar outro da ordem de centena de milhar. Se averiguarem a terceirização da menor Ciclofaixa de Domingo do país, encontrarão outro de dezenas de milhar.

O jeitinho da péssima gestão – e infelizmente o prefeito atual de Florianópolis peca enormemente de inabilidade de gestão -, aliado ao populismo, à falta de incentivo aos funcionários de carreira e à própria falta de vontade e de coragem política, são fatores que explicam as desordens que impedem ciclovias novas na Ilha da Magia e no continente lindeiro. Da promessa de 40km concluídos em julho deste ano, foram entregues menos de 1okm de pistas cicláveis pela administração municipal. Teve efeito a recusa de um Diretor de Obras em pedir verbas federais para a cerca de 30km em abril de 2013. Florianópolis ganhou outrossim o posto de Campeã Mundial de Enrolação para Implantação de Sistema de Compartilhamento de Bicicletas (EISCoBi). Os primeiros estudos datam de 2007. O edital está pronto praticamente desde o final de 2013, mas até agora não houve a vontade de relançá-lo.

Como se pode perceber, praticamente todas as notícias de 2014 foram o que chamamos de notícias “requentadas”, aquelas que já haviam sido divulgadas antes, com algum ou nenhum fato novo. Infelizmente, a notícia que acaba de sair na imprensa não é “requentada”: mais um ciclista veio a falecer na ciclofaixa (!) da rodovia (!) SC-401, obra do Governo do Estado de Santa Catarina que o Departamento de Estado de Infraestrutura (DEINFRA/SC) insiste em dizer que “está dentro das normas”, segundo seu presidente Paulo Meller afirmou em 2012. Que Estado que “governa para as pessoas” podem achar “normal” mais de um ciclista falecer ao trafegar numa obra que deveria protegê-lo??? Nenhum em sã consciência. Por sinal, a ciclofaixa na rodovia foi utilizada como antiexemplo do que deve ser feito num dos capítulos do livro “Brasil Não-Motorizado”, lançado em 2013. Espero que mais esta morte demonstre, de uma vez por todas, que a obra está completamente fora das normas e que o Ministério Público tome ações no sentido de nos preservar a vida.

Infelizmente, não foi só em obras horrendas (além da ciclofaixa da SC-401, temos as cicloporcarias da SC-403 e da SC-405 em obras) que o governo estadual deixou de governar para as pessoas. Na ALESC, a Assembléia catarinense, o deputado estadual Aldo Schneider (PMDB), líder do governo simplesmente PERDEU o projeto de lei que criava o Sistema Cicloviário Catarinense, que foi discutido por diversas entidades em setembro e outubro de 2013. O projeto será, por questão regimental, arquivado, mas pediremos desarquivamento e o substitutivo já no início da nova legislatura.

No meio de tantas notícias não tão boas, ao menos uma  ótima abre-nos boas perspectivas para o futuro da Região Metropolitana da Grande Florianópolis. Além da recriação do conceito de “Região Metropolitana”, no qual a Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) fez contribuições em diversas reuniões oficiais, os resultados preliminares do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável (PLAMUS) foram animadores para quem realmente pensa a mobilidade urbana. Foram levantados contingentes dos esquecidos: das pessoas que circulam sem fazer barulho sobre bicicleta ou enfurnadas no transporte coletivo. Verificou-se que quase metade das pessoas que atravessam as pontes que ligam Ilha da Magia e continente lindeiro o fazem em transporte coletivo, sendo responsável por apenas 3% do espaço ocupado. Um total descalabro da gestão dos transportes evidenciado pelos números. Além disso, os resultados do PLAMUS – o mais abrangente estudo de mobilidade integrada feito em 4 décadas – também deixam evidentes o aumento no número de usuários da bicicleta entre 2011 e 2014.

Foi um ano, de fato, muito interessante para os conceitos que freqüentemente venho reformulando sobre uma cidade com qualidade de vida. Além dos exemplos nacionais citados, neste ano empreendi mais uma viagem para fora do país. Os conhecimentos obtidos lá fora, que pretendo divulgar aqui quando acabar meu terceiro livro (lá para fevereiro), focaram em 2014 nos países-irmãos de cultura latina e ibérica. As realidades das diferentes regiões da Espanha e de Portugal, percorridas majoritariamente a pé com um enfoque em cultura, arquitetura, urbanismo e mobilidade urbana, evidenciam semelhanças e diferenças com o que ocorre no Brasil e fizeram-me enxergar novos horizontes. Na bagagem, foram pouco mais de 70 livros e livretos, metade já lidos, que me fizeram crescer um tanto mais como ser humano.

Quanto mais eu conheço lá fora (agora são cerca de 50 cidades em 7 países percorridos a pé), mais eu posso falar sobre Santa Catarina. E se em 2014 eu pouco relatei cá, foi também o ano em que eu mais dei palestras sobre a temática de mobilidade urbana. Falei em Balneário Camboriú como parte do Bike Anjo Floripa. Falei como ViaCiclo e UCB na Brasil Cycle Fair e na Semana de Engenharia da UFSC. Falei em hang outs, falei em reuniões presenciais e virtuais, o que me veio bem a calhar num ano no qual eu mal parei na cidade em que habito.

E é como habitante desta cidade que eu quero melhorias. Melhorias de gestão em primeiro lugar. Quero mais ciclovias e mais arborização. Quero um aquário municipal ou estadual, que seja também objeto de pesquisas. Quero a aprovação do Sistema Cicloviário Catarinense. Quero o Floribike funcionando. Quero que o Plano Setorial de Mobilidade Urbana seja feito realmente de forma participativa. Eu quero finalmente me formar e partir para o mestrado. Quero ver parte do meu projeto cicloviário para São José implementado. Quero que a Viação Catarinense volte atrás nos seus procedimentos e permita bicicletas em todos os seus veículos que tiverem condições para o traslado. Quero começar a praticar beach tennis. Quero pedalar mais nas ciclovias paulistanas. Quero continuar com saúde. Quero um amor maior. Quero divulgar por aqui apenas boas notícias.

Parte de meus desejos – a parte egoísta deles – depende apenas de mim. Mas parte importante e fundamental deles está alicerçada à vontade e competência de outras pessoas. E são justamente esses os desejos que mais gente vai beneficiar – e por muito mais tempo!

Feliz 2015!

Fabiano Faga Pacheco

Sobre bicicletanarua
Ciclista urbano paulistano residente em Florianópolis.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: