A mobilidade e as cidades: as lições de Bogotá

DC 2013-09-28 As licoes de Bogota(Veja em PDF)

Veja o artigo completo enviado para o Fronteiras do Pensamento, do qual participará o ex-prefeito de Bogotá Enrique Peñalosa. A Versão reduzida foi publicada no caderno Cultura do periódico Diário Catarinense em 28 de setembro de 2013.

Continue lendo…

Prefeitura de Florianópolis define novas diretrizes para a Pró-Bici

O primeiro decreto assinado pelo vice-prefeito eleito de Florianópolis e prefeito em exercício, João Antônio Heinzen Amin Helou (PP), beneficiou as discussões em prol da mobilidade ciclística da cidade.

Na manhã desta terça-feira, 1° de outubro de 2013, João Amin, por meio do Decreto n°12.177, atualizou a Comissão Municipal de Mobilidade Urbana por Bicicleta (Pró-Bici), que estava desde o começo do ano sem vários dos membros das diversas entidades da prefeitura.

Consolidação da Pró-Bici foi o primeito decreto assinado por João Amin. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

Consolidação da Pró-Bici foi o primeito decreto assinado por João Amin. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

A Pró-BIci é uma comissão mista entre a sociedade civil e os técnicos do município, servindo como canal de diálogo perante o Poder Público. Com a nova formação, passam a fazer parte dela representantes do coletivo Bike Anjo Floripa e da União de Ciclistas do Brasil, além de entidades ligadas à mobilidade de pessoas com deficiência (Floripa Acessível), à patinação (Federação Catarinense de Hóquei e Patinação) e ao skatismo (Associação de Skate da Grande Florianópolis).

Pelo lado da Prefeitura, passam a ter cadeira as secretarias de Educação e de Ciência Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Sustentável, além das fundações de Esportes (FME), de Meio Ambiente (FLORAM) e Franklin Cascaes (FCFFC). As secretarias de Mobilidade Urbana e de Obras, além da Guarda Municipal e do Instituto de Planejamento Urbano (IPUF) já faziam parte da Pró-Bici.

Com a assinatura, a prefeitura cumpre o item 6 do Termo de Compromisso com os Ciclistas, na qual os candidatos se comprometiam a:

6) Manter formas de diálogo entre os técnicos e a comunidade, de maneira a facilitar a recepção de demandas relativas à bicicleta

Compareceram à assinatura, além da sociedade civil, os vereadores Edinho Lemos (PSDB), Roberto Katumi (PSB) e assessor do vereador Pedro de Assis Silvestre, o Pedrão (PP), os secretários da Casa Civil, Eron Giordani, e de Administração e Previdência, Gustavo Miroski, o procurador geral do município, Julio Cesar Marcellino Jr, o gerente de Emprego e Renda da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Sustentável, Maikon da Costa, e o diretor técnico do IPUF, Dácio Medeiros.

Mais de 20 pessoas, entre membros da comunidade e do poder público, estiveram presentes na assinatura do decreto da Pró-Bici. Foto: Henrique Gualberto Brüggemann.

Mais de 20 pessoas, entre membros da comunidade e do poder público, estiveram presentes na assinatura do decreto da Pró-Bici. Foto: Henrique Gualberto Brüggemann.

Novidades para os pedestres de Joinville

A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição impressa do jornal A Notícia em 18 de novembro de 2011 (pág. 10). Você pode ver a matéria no site do AN aqui ou no DC aqui.

logo - A Notícia

Ajuda para travessia


TRÂNSITO

Mais ajuda para os pedestres

Em fase de testes, faixas elevadas obrigam motoristas a reduzir velocidade.

Na hora de atravessar as ruas do Centro de Joinville levando um carrinho com 12 rodas e duas preciosidades, a professora Fabiana Castegnaro costuma ficar do lado oposto ao fluxo enquanto alguém faz sinal para os carros pararem. “Do contrário, é muito difícil fazê-los respeitar os pedestres”, diz.

Agora, com a instalação da “lombofaixa” – faixa de pedestre elevada – na rua 15 de Novembro, Fabiana se sente mais segura para atravessar a rua com as gêmeas Helena e Isabella, de seis meses. Instalado há cerca de dois meses, o novo recurso auxilia o pedestre na travessia e está em teste.

“Para passar pelas “lombofaixas” sem prejudicar o veículo, o motorista tem que trafegar a pelo menos 20 quilômetros por hora. Além de funcionar como obstáculo, toda a regulamentação aplicada às faixas de pedestre comuns valem para a ela”, diz o gerente de mobilidade e acessibilidade do Ippuj, Gilson Perozin.

Com a “lombofaixa”, Fabiana acha mais tranquilo atravessar a rua com as filhas gêmeas no carrinho. Foto: Diorgenes Pandini.

Segundo ele, outro objetivo das faixas elevadas é a acessibilidade, já que elas são feitas no mesmo nível das calçadas. As próximas ruas a receber as “lombofaixas” serão a Pernambuco e a Braço do Norte, ambas na travessia com a Visconde Taunay.

“Na 15 foi um teste e está funcionando bem, mas todos os lugares receberão um estudo para verificar se é possível instalá-las ou é melhor colocar outros obstáculos”, avisa Roberta Schiessl, presidente do Ippuj. A avaliação é a mesma usada na instalação de lombadas comuns.

Outra novidade que deve agradar os pedestres é o passeio elevado – uma rua mais alta, que imita um calçadão, mas com a possibilidade de passagem de carros e pedestres. O novo recurso foi implantado em dois pontos da rua Visconde de Taunay e também na rua Jacob Eisenhut.

Charge – Acessibilidade

A charge acima, baseada em fatos reais, foi publicada no Skedar, de Gabriel Taranto, em 08 de agosto de 2011.

Ela pode ser vista também através deste link.

Veja também:

Uma crônica acessível
Charge – Fins do mundo
(Charges) Atropelamento da Massa Crítica de Porto Alegre
(Charges) Ciclista Noel
Charge – A Faixa de Gaza é mais segura que a faixa de pedestres
Charge – É só não usar como um selvagem!
Charge – Na Ressacada, só de bicicleta
Charge – Não chegue antes na escola, filho!
Charge – Assim caminha o transporte em Florianópolis
Charge – A Ilha tá afundando

Uma crônica acessível

A crônica abaixo é de autoria do jornalista Chiko Kuneski, portador de necessidades especiais, e pode ser encontrada no livro “D’vagar si não Aleija” (Insular, 2001).

A pequena autoridade

Ao querer estacionar em local reservado ao portador de deficiência física, num shopping center de Florianópolis, fui interrompido por um agudo apito.

– Não pode parar aí não! – esbravejou um dos guardas do shopping, do alto do pedestal de sua “pequena autoridade”.

– Desculpe, mas não estou entendendo – reagi.

– Não tem o que entender. Só não pode estacionar aí. Não tá vendo que tem um monte de vagas?

– Mas a placa… – iniciei, tentando explicar que estava justamente parando na vaga para portadores de deficiência física.

– É! Justo pela placa – cortou seco.

– Pois a placa…

– A placa indica que aqui não pode parar carro não. Não sabe de trânsito? – disse, quase gritando.

– Mas…

– Sem mas! – cortou o guarda, num grito. – Tira logo o carro! Não vê o desenho da placa? Aqui é lugar de parar só as bicicletas…

Saiba mais:

Bicicletada Floripa – Acessibilidade – campanha “Esta vaga não é sua nem por um minuto”, para conscientizar o motoristas a não estacionarem em vagas reservadas a portadores de necessidades especiais.

Veja também:  

Crônica – Dia de Sol – veja a crônica “Dia de Sol”, de Celso Leal.
Selva de aço – Crônica – leia a íntegra da crônica “Selvaço”, de Vinícius Leyser da Rosa.
Conto para o Dia dos Pais – leia aqui o conto “Não chore, papai”, de Sérgio Faraco.

%d blogueiros gostam disto: