Cidades catarinenses participarão de Bicicletada Internacional em prol de ciclovias

Soou estranho quando a promotora de Justiça de Habitação e Urbanismo do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE/SP), Camila Mansour Magalhães da Silveira, solicitou ao Tribunal de Justiça estadual para que paralisasse a construção de novas ciclovias no maior município do Brasil.

Afinal, São Paulo obtivera reconhecimento internacional havia poucos meses, sagrando-se vencedor da 10ª edição Sustainable Transport Award (Prêmio de Mobilidade Sustentável), concedido em Washington, nos Estados Unidos. O número de ciclistas nas avenidas com ciclovias e ciclofaixas têm aumentado, de acordo com as contagens da Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (CicloCidade). E São Paulo, enfim, está tirando o atraso de histórico descaso para com os usuários que escolheram a bicicleta ou o ônibus para se locomover pela cidade – além de mais de 200km de ciclovias, a cidade implantou corredores de ônibus.

Também soou estranho o espaço dedicado aos dois principais jornais impressos do Estado para as críticas, por vezes infundada, contra as ciclovias da cidade. Um exemplo do papel dúbio da mídia pode ser bem expresso pela capa da Veja SP que estampava que o valor gasto com as ciclovias eram de R$ 650 mil/km. Além do valor real ser bem inferior (apenas R$180 mil, abaixo até das planilhas de custo para orçamento de projetos), a Vejinha colocou como exemplo de ciclovia aquela feita na Marginal Pinheiros pela administração estadual, governada pela oposição. Ciclovia segregada e com poucos acessos que não resistiu às chuvas de março. A atuação midiática merece uma análise à parte, mas o acompanhamento dos fatos e das notícias veiculadas na mídia impressa, virtual e televisiva já nos levam a questionamentos sérios em relação ao papel que a imprensa vem ocupando nesse debate.

A atuação do Ministério Público em prol de um veículo privado – e ineficiente em termos de mobilidade – levou os ciclistas às ruas de São Paulo. E não apenas às ruas, mas também ao próprio Ministério Público, que viu seus argumentos contra as obras atuais nas ciclovias serem quase todos desmentidos.

O apoio aos ciclistas paulistanos não tardou em chegar. Dezenas de cidades do mundo programaram Massas Críticas para esta sexta-feira, no que foi chamado de Bicicletada Internacional. O mote de quase todas elas é o mesmo: que as políticas públicas em prol da bicicleta não sejam apenas uma falácia, mas uma realidade!

Florianopolis 2015-03-27 Internacional ciclovias SP

Confira as cidades catarinenses que realizarão a sua Bicicletada em março de 2015.

Blumenau

 Blumenau volta a contar com sua Bicicletada. A saída será às 19h da Prefeitura, na Praça Victor Konder.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Brusque

Brusque 2015-03-27

Florianópolis

Segunda mais antiga Massa Crítica do Brasil, Florianópolis não poderia ficar de fora da Bicicletada Internacional. A concentração tem início às 18h, na pista de skate da Trindade, em frente ao Shopping Iguatemi. A saída será às 19h.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Florianópolis contará também neste sábado com atividades gratuitas em comemoração aos seus 289 anos de emancipação política de Laguna. O Movimento Floripa de Bicicleta exposição de bicicletas antigas e palestras de bike fit, Cycle Chic, cicloturismo e mecânica básica.

Florianopolis 2015-03-29 Movimento Floripa de Bicicleta

Joinville

Março foi um mês negro para Joinville. Em uma mesma semana, dois ciclistas morreram atropelado na mesma rua. Esse fato ajudou a reagrupar a Bicicletada local, que ocorrerá hoje, a partir das 18h30, na Praça da Bandeira.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Bicicletada Floripa – fevereiro de 2015

Confira abaixo o vídeo irado feito da última edição da Massa Crítica de Florianópolis:

Massas Críticas catarinenses

O primeiro ano do novo velho governo estadual catarinense começa sem uma clara sinalização de que realmente fará uma “Política para as Pessoas” nas questões que tratam sobre a mobilidade das pessoas. Apesar de mudanças importantes em dois órgãos-chaves – a Secretaria de Estado de Infraestrutura e o Departamento Estadual de Infraestrutura/DEINFRA -, ainda não fica claro como será a política pública no que se refere aos meios de transporte ativos e coletivos, tampouco se haverá estímulo ao transporte intermunicipal sobre trilhos.

São dúvidas persistentes para um governo de continuidade. E ganha ainda maior dimensão quando se percebe que foi o deputado estadual líder do governo quem perdeu o projeto de lei que criava o sistema cicloviário estadual. Apesar das recentes ciclofaixas inauguradas ou em construção (caso das SC-401, 403 e 405), todas com qualidade duvidosa, nenhuma outra ação se viu em 4 anos do atual governo estadual que pudesse melhorar as condições de circulação por quem se utiliza da bicicleta para transporte, lazer ou esporte. É hora de mudar essa postura e governar para todos os catarinenses! Subsídios para isso já existem para a Grande Florianópolis, com os resultados do Plano de Mobilidade Sustentável (PLAMUS). Não são apenas as medidas de curtíssimo prazo, como uma faixa reversível no acesso à Ilha de Santa Catarina, que têm que ser tomadas, sob o risco de falha ainda mais grave na gestão de mobilidade. O investimento na segurança de pedestres e de ciclistas em rodovias que hoje são, funcionalmente, avenidas não pode ser procrastinado.

Em termos municipais, chegamos a mais das metades das gestões dos governos municipais. Alguns tiveram melhorias significativas, em especial onde a participação popular colaborou com os trabalhos dos órgãos técnicos e com a tomada da decisão política. Entretanto, em outros casos, refutou-se a participação dos cidadãos.

Especialmente grave é a situação de Florianópolis. Suas duas comissões que contavam com a participação de parcelas da sociedade civil foram efetivamente colocadas no limbo. Reconhecidas como promissoras em nível nacional, e com seus membros capazes de influenciar na adoção de boas políticas públicas, tanto a Floripa Acessível quando a Pró-Bici foram relegadas ao último plano da gestão municipal, que tanto pregava uma “Cidade para as Pessoas” durante sua campanha eleitoral. As conseqüências disso são perceptíveis, com o lançamento de ciclovias apenas em grandes obras, quase desvinculadas ao projeto cicloviário municipal denominado Rotas Inteligentes. Florianópolis não tem sabido aliar o hoje com o futuro em seus projetos urbanísticos. Os projetos demoram muito até serem efetivamente colocados em prática – quando o são! Um bom projeto pode demorar anos até sua conclusão, sem que isso, entretanto, prejudique os projetos mais iminentes, algo que não tem acontecido em Florianópolis, infelizmente.

Nessa esteira, após mais de um ano de notícias requentadas sobre ações não concretizadas pela prefeitura municipal, fevereiro trouxe como novidade a implantação de ciclovia definitiva no bairro continental de Coqueiros. Essa iniciativa, da qual o Bicicleta na Rua é forte apoiador, deveria vir em conjunto com a Pró-Bici, uma das idealizadoras do projeto Ciclofaixa de Domingo. Por sinal, a ciclovia em Coqueiros vai ao encontro deste artigo, na qual se defende as ciclofaixas de lazer como uma forma de implantação de pistas cicláveis de forma definitiva.

Em Florianópolis, a omissão e a demora na realização de ações efetivas poderá ser observada – literalmente – em março, durante a quarta edição local do World Naked Bike Ride (ou Pedalada Pelada). Em outras cidades, notadamente em Itajaí, ciclistas promovem protestos pedindo ciclovias.

E, enquanto, não são atendidos os pedidos dos ciclistas, maior fica o estoque de combustível para a realização das Bicicletadas/Massas Críticas no Estado.

Confira abaixo as Bicicletadas de fevereiro:

Brusque

Brusque 2015-02-27

Florianópolis

:: Confirme sua presença pelo Facebook!

Florianopolis 2015-02-27

Florianópolis e Blumenau terão Bicicletada

Fim de janeiro de 2015, primeira última sexta-feira da metade final dos mandatos dos atuais prefeitos do Brasil.

E, em Santa Catarina, percebe-se que muita coisa não foi e nem será feita pelos que nos governam.

Em nível estadual, o governo reeleito foi o que mais fez ciclofaixas em rodovias. Infelizmente, com uma qualidade tal que, apenas na SC-401, dois ciclistas perderam a vida…. na própria ciclofaixa! E as obras que vêm por aí determinam que a qualidade vai melhorar muito pouco em relação à ciclofaixa da Rodovia da Morte. Mesmo com ajuda de ciclistas, a ciclovia compartilhada da SC-405, no Rio Tavares, ficou muito aquém do que poderia. Apresenta, ironicamente, todos os problemas que os ciclistas alertaram já durante a confecção do projeto: largura insuficiente tanto para a ciclovia quanto para a calçada, postes sobre o leito ciclável, problemas na travessia da via, lado errado da pista, não atendendo a demanda de ciclistas crianças que vão à escola, não tratamento cicloviário nas rotatórias (os trechos mais críticos) e por aí vai.

Em nível municipal, enquanto as prefeituras da Costa Esmeraldina, por onde passa o Circuito Cicloturístico Costa Verde e Mar, dão um banho nas cidades maiores, apesar de problemas pontuais, a capital catarinense exibe uma série enorme de falhas em sua gestão de mobilidade, devidamente apontadas pelos resultados do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis (PLAMUS).

Apostas grandiosas e dispendiosas, com pouco resultado prático e elevado custo de manutenção, como teleférico, promovem uma gestão voltada à justaposição dos meios de locomoção, e não a uma complementação entre eles. Prova disso é que a linha de BRT prevista, além de fazer o mesmo trajeto do teleférico em vez de ser feita na mesma via que hoje comporta de 6 a 9 faixas para carros, será construída exatamente onde hoje fica a ciclovia, sendo esta jogada para um aterro a ser feito na Av. Beira-Mar Norte. Apenas para lembrar, em 23 de março de 2012 foi inaugurada a revitalização do passeio e calçada, contando também com arborização e pérgolas. O atual secretário municipal de Obras, funcionário de carreira, já ocupava cargo de diretoria à época da inauguração.

Promessas de campanha não foram e não devem ser cumpridas pelo prefeito em exercício. Bicicletas compartilhadas, maior quilometragem de ciclofaixas de lazer do país, uma das maiores malhas cicloviárias do Brasil. Nada disso esteve tão longe de ser cumprido quanto agora pela atual gestão. Mesmo projetos de ciclovias como nos bairros José Mendes ou Caieira da Barra do Sul estão muito distantes de serem considerados a ponto de virarem realidade.

Para piorar, a capital viu-se assolada com uma onda de roubos e furtos de bicicletas na própria principal ciclovia, o que gerou uma manifestação com mais de 100 ciclistas no Cicloabraço à Passarela do CIC, local onde ocorreu a maioria dos roubos.

Fevereiro, apesar de tudo, promete boas notícias, lançadas à luz da Peladada e das proximidades do aniversário de Florianópolis. Mas, enquanto isso, nada mais natural que os ciclistas saiam às ruas para mostrar sua presença na luta constante por continuar simplesmente pedalando!

Confira as Massas Críticas catarinenses de janeiro:

Blumenau

Reunião às 19h30 em frente à prefeitura.

Florianópolis

Florianopolis 2015-01-30

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Massas Críticas catarinenses – outubro de 2014

A bruxa está solta em Santa Catarina!

Se em termos de ação política temos pouco a comemorar – visto que a ciclofaixa da SC-405 vai ficar a porcaria há 3 anos anunciada! -, em termos de atuação cidadã temos o que comemorar.

Santa Catarina foi o Estado em que mais candidatos ao legislativo assinaram a Carta de Compromisso com a Mobilidade Ciclística da União de Ciclistas do Brasil (UCB). Foram 15 candidatos a deputado estadual e federal por Santa Catarina a apoiar a iniciativa da sociedade civil. Juntos, obtiveram mais de 100 mil votos! Obteve-se uma primeira suplência na Câmara Federal e uma sétima suplência na Assembléia Legislativa,

O Bicicleta na Rua teve participação direta nessa iniciativa, tanto na confecção da Carta, via Grupo de Trabalho Eleições da UCB, seja no convite aos candidatos no apoio às propostas, passando, inclusive, por reunião oficial com assessoria da candidata reeleita presidenta da República.

Em outubro, a política da sociedade civil avançou mais do que a política partidária constituída. Uma notícia boa e ruim ao mesmo tempo. Só não devemos fazer com que o excesso de diálogo impeça a ação!

E se a ação do Poder Público anda tacanha, a sociedade civil bota a mão na Massa. É uma das essências da Bicicletada.

Confira a Massa Crítica da sua região:

Blumenau

Concentração em frente à Prefeitura Municipal a partir das 19h30. Saída às 20h.

Brusque

Brusque 2014-10-31Florianópolis

Florianopolis 2014-10-31 Floripa

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Bicicletada Floripa comemora 12 anos!

O dia 31 de outubro é o Dia das Bruxas. No Brasil, virou oficialmente o Dia do Saci, como uma forma de homenagear o folclore nacional. Mas, na Ilha de Santa Catarina, a Ilha da Magia, em Florianópolis, as bruxas nunca deixaram de estar presentes no imaginário popular.

Florianopolis 2014-10-31 FloripaComo tem acontecido nos últimos 7 anos, a temática da Massa Crítica da capital catarinense envolve a imaginação no livre fantasiar. As belas bruxas de Franklin Cascaes serão evocadas na luta contra os Boitatás que insistem em apavorar os ciclistas. O desfile bruxólico está previsto para acontecer a partir das 19h, no ventre da Bruxa que conforma a Ilha de Santa Catarina, mais precisamente na pista de skate da Trindade, em frente ao shopping Iguatemi. A pedalada de uivos comemorativos está prevista para sair às 20h, em destino a ser definido pelos presentes, num ritmo leve para que os mais frágeis seres místicos consigam acompanhar.

O duelo dos ciclistas nestes 12 anos de história da Bicicletada Floripa não tem sido fácil. Forças ocultas e poderosas querem que, assim como em Itaguaçu, os ciclistas transformem-se em pedras, imobilizados. Um efeito que até os não pedalantes sentem no dia a dia: a imobilidade urbana atinge quem tenta se deslocar das mais diversas maneiras. Mas essas forças ocultas tem sido mais implacáveis com ciclistas e pedestres mesmo.

Ao comparar Florianópolis com São Paulo, cuja Bicicletada completou 12 anos em julho, percebemos o potencial perdido com a caça aos magos sobre duas rodas. A Ilha da Magia, em 2002, era uma das cidades com maior malha cicloviária do país. Embora com pouca quilometragem absoluta, destacava-se também pela qualidade de suas ciclovias. Doze anos depois, Floripa adotou uma tática falha: praticamente só construiu ciclovias nas reformas de vias, quando seu prefeito ou governador tinha a vontade de cumprir a lei. Com isso, os ciclistas tiveram que aumentar seu portfólio de truques: o teletransporte fez-se necessário para cruzar ciclovias que mudam de lado na via, sem razão alguma, o desvio de postes passou a ser algo quase instintivo.

Já a São Paulo dos últimos meses adotou uma postura mais folclórica, cansada de ver-se com sacis sem membros. E tem dado certo. A postura de implantar ciclovia mesmo antes da reforma da via garantiu de forma imediata a segurança do usuário da bicicleta. Em vários lugares de São Paulo, o ciclista não precisa mais ter superpoderes para transitar sem que Boitatá o atente.

Já em Florianópolis e em Santa Catarina, a omissão de pessoas como os prefeitos Dário Berger (PMDB) e Cesar Souza Júnior (PSD) e os governadores Luís Henrique da Silveira (PMDB) e Raimundo Colombo (PSD) provocou mortes evitáveis. Foram bruxos superpoderosos imobilizados para sempre que pereceram. Não viraram pedras como na paisagem cênica de Itaguaçu. Foram tornados pó.

Mas o que Boitatá  não sabe é que quanto piores as obras feitas e quanto mais criminosas forem as omissões, mais sobrevida ganha a Massa Crítica! Se a existência desta é uma busca por direitos – em especial, o direito à vida -, mais vezes os mágicos pedalantes irão às ruas chamar a atenção para as forças ocultas e poderosas que dificultam o seu existir.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Veja também:

6 Anos? Lá vou eu!

Massas Críticas catarinenses – julho de 2014

Julho chegou e passou.

Os gestores não fizeram (quase) nada. Uma rotina que cansa e não tem desculpa.

Apenas notícias requentadas surgiram, distantes de outras mais trágicas, que envolveram a perda de vidas humandas.

Em plena época eleitoral, não parece que os gestores fazer sequer questão de fingir se preocupar.

Por isso, simbora pedalar!

Confira o horário da Bicicletada na sua cidade e, se não existir ainda, crie uma!

Blumenau

Blumenau 2014-07-25

Brusque

Brusque 2014-07-25

Florianópolis

A tradicional Bicicletada Floripa vai se concentrar a partir das 18h, na pista de skate da Trindade, em frente ao Shopping Iguatemi. A saída será às 19h.

:: Confirme sua participação pelo Facebook

Massas Críticas catarinenses – junho de 2014

Chega final de junho, trazendo consigo o ano pela metade. Um ano recortado, por sinal. Foi-se o Carnaval, permanece ainda a Copa do Mundo e, em breve, ter-se-ão as eleições que definirão os próximos quatro anos do país.

Pelo sul brasileiro, o Pacto por Santa Catarina esqueceu-se de procurar pelos ciclistas. Mas a sociedade reagiu e formou a Rede Vida no Trânsito. Em homenagem ao acompanhamento contínuo, foi aos ciclistas ofertado o direito de representar a sociedade civil na cerimônia de seu lançamento.

Mas esses atos de grande amplitude ainda escondem os interesses obscuros que pairam nas altas esferas do poder. O projeto que cria a Lei do Sistema Cicloviário Catarinense, tão debatido por diversos grupos, sumiu da Assembléia Legislativa desde novembro, diretamente do gabinete do líder parlamentar do governo. Além disso, ciclofaixas estão sendo construídas em rodovias onde, quando respeitam as leis, os motoristas correm a 80km horários.

Algumas cidades fecham, em dias, seus períodos de atrasos de promessas não cumpridas. Florianópolis deverá ser uma delas – a aguardar mais três dias para se confirmar. Apesar de anunciar – e até licitar – 6 novas ciclovias, a vontade política dúbia retirou R$500.000,00 de uma reivindicação de 17 anos para ser aplicado na construção de – pasmem – mais um elevado. Mais um estímulo ao uso do transporte individual e individualista, do qual poucos usufruem e cujos danos coletivos todos pagamos.

Continua a oferecer Santa Catarina, portanto, todos os requisitos para que as Bicicletadas continuem a existir. Confira abaixo se vai ocorrer na sua cidade e participe!

Continuee lendo…

Massas Críticas catarinenses

Maio de 2014. Quase um ano e meio após os prefeitos assumirem e 3,5 anos de os catarinenses terem um novo governador, em que pese o início de obras cicloviárias, o mês foi mais de discórdias do que de casamentos.

Com prazo de término para a época das eleições, teve início, enfim, a ciclovia na SC-405, no Rio Tavares, em Florianópolis. Após mais de dois anos dificultando a vida dos estudantes das escolas da região, uma obra que deveria ter sido feita até junho de 2012 enfim há de começar. Uma vitória da sociedade? Nem tanto. Além da demora, a largura de 3m onde não haverá postes e pontos de ônibus colocará em conflito pedestres e ciclistas. É um avanço, sem dúvida. Tímido e sem resolução de pontos de conflitos, mas um avanço.

Como tem se tornado constante, maio também foi um mês de perdas. Constância essa que não se fez sentir nos movimentos de bastidores para mudar e melhorar a situação cicloviária catarinense.

Muito pelo contrário. Na capital, o prefeito vetou projeto de lei que extendia para locais de ensino, cultura, lazer e estacionamentos a necessidade de possuir paraciclos ou bicicletários. E seu braço direito, secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano e superintendente do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF) foi categórico ao dizer:

– As pessoas falam muito da ditadura do automóvel, mas existe também a ditadura da ciclovia, que oprime o pedestre!

Uma fala absurda para momentos de inação tanto para os pedestres quanto para os ciclistas. Ignorando as próprias comissões do IPUF, como a Pró-Bici e o Floripa Acessível, e o histórico da ViaCiclo e da própria Bicicletada Floripa, que sempre lutaram por melhorias para pedestres e para o transporte coletivo – exemplos clássicos constam com a Vidal Ramos e a R. Ver. Osni Ortiga. Talvez o secretário baseie-se na SC-405, que teve seu projeto denunciado reiteradamente, inclusive em instâncias jurídicas, pelos ciclistas.

Se na cidade algumas obras devem sair com infraestrutura cicloviária – inferior – , como na Av. Gov. Ivo Silveira, na própria R. Ver. Osni Ortiga e da R Dep. Antônio Edu Vieira, a própria prefeitura prejudica tanto pedestres quanto ciclistas na R. Padre Rohr, em Santo Antônio de Lisboa… e simplesmente ignora a implementação de uma cicloestrutura em plena Av. das Rendeiras, no coração da Lagoa da Conceição. Sem estudos numéricos de tráfico minimamente decentes, a opção foi pela manutenção de estacionamentos para o veículo particular. Um soco no estômago do planejamento cicloviário municipal, que previa há mais de dez anos a passagem de uma ciclovia por uma das mais cênicas paisagens ilhoas.

Sabendo que desde que assumiu, o prefeito Cesar Souza Júnior (PSD) ainda não construiu nem 10km de infraetrutura cicloviária decente e adequada percebe-se que vai ser muito difícil que ele cumpra, até o próximo mês, os 40km prometidos em 18 meses durante sua campanha eleitoral e sabatina. E o que deixa os ciclistas ainda mais nervosos é que parece cada vez mais distante que essa cifra seja atingida…

Mas é por isso, afinal, que existem as Bicicletadas!

Confira se vai haver na sua cidade e participe!

Blumenau

Saída da Prefeitura da Blumenau, na Praça Victor Konder, às 18h30.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Brusque

Brusque 2014-05-30

Ao final da Bicicletada, palestra com Thiago Fantinatti, autor do livro “Trilhando Sonhos”, na Praça da Cidadania – Fundação Cultural.

Brusque 2014-05-30 Trilhando Sonhos

Chapecó

Chapeco geral v2

:: Confirme sua presença pelo site da ABX Ciclistas

Florianópolis

Florianopolis 2014-05-30Arte: Flora Neves

::Confirme sua presença pelo Facebook

Massas Críticas catarinenses

Março chegou com um alvoroço carnavalesco. Sem pudor, mas temendo por sua vida, os ciclistas pedalaram pelados, mostrando as fragilidades de seus corpos às pessoas e pedindo proteção. As autoridades olharam e viram passar. E só.

Atitudes de omissão como essas é que alimentam a permanências das Massas Críticas em Santa Catarina. A depender das autoridades muitas delas ainda vão ocorrer em território barriga-verde.

Nota: prefeito da Capital, Cesar Souza Júnior (PSD) anunciou um Plano de Metas para 2014, que engloba a construção de 20km de ciclovias e ampliação das ciclofaixas de lazer na cidade. Só faltou contar que não realocou recursos para isso. No ano de 2013, as metas eram mais ousadas: 30km até o final do ano. Cerca de 10% disso foi construído, no bairro da Tapera. Pouco mais de 8km estão em fases de projetos na Caieira da Barra do Sul e José Mendes e o trecho da R. Ver. Osni Ortiga teve sua fase 2 lançada, sem a conclusão do aterro na Lagoa da Conceição da fase 1.

Com essa meta de 20km, a prefeitura praticamente detona o Termo de Compromisso com os Ciclistas, firmado às vésperas das Eleições de 2012. O acordado com os cidadãos era a conclusão de 40km de pistas cicláveis decentes até o final de junho de 2014. Os méritos dessa desconquista são compartilhados também com o superintendente do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis, arquiteto Dalmo Vieira Filho.

Enquanto isso, perdemos ciclistas no Estado, com destaque para o garoto João Vitor, atropelado por um motorista bêbado no Travessão do Rio Vermelho, numa via em que os habitantes pedem ciclovia desde 2009.

Blumenau

Blumenau 2014-03-28Arte: Yasna Muñoz Catalán

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Brusque

Brusque 2014-03-28

Florianópolis

Florianopolis 2014-03=28

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Massas Críticas carnavalescas catarinenses

Fevereiro chegou em ritmo de Carnaval. Mas foi sem agitação que o ano passou na maioria das cidades catarinenses, para sincero desespero de seus ciclistas. Na administração pública, parece que as coisas só começam mesmo após o período sabático do Carnaval, mesmo num ano enxuto por Copa do Mundo e eleições.

Se Santa Catarina, em especial Florianópolis, deu show no Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba, na cidade mesmo não se observou mudanças estruturais e planejamento estratégico para este 2014. Um mês perdido, como tantos outros. Mas com vidas perdidas também, como ocorreu em São José.

Enquanto os gestores se afastam da vida nas cidades, Santa Catarina e seus municípios continuam dando maus exemplos. E, ao contrário dos especialistas de fora que levantaram questões e debates em Curitiba, por aqui pouca coisa se apreende, e muito menos ainda se faz.

Que março comece com ventos melhores. No cenário atual, tem tudo para isso.

E é justamente essa inatividade grandiosa do Poder Público que continua a alimentar as Massas Críticas.

Confira se a sua cidade contará com uma Bicicletada e participe!

Blumenau

Blumenau 2014-02-28Arte: Fran Schmitz

Brusque

Brusque 2014-02-28

Chapecó

Chapeco geral v2

:: Confirme sua presença no site da ABX Ciclistas

Florianópolis

Florianopolis 2014-02-28 CarnavalArte: Lucas Seara Medeiros

Massas Críticas catarinenses 2014

O ano de 2014 começou da mesma forma que 2013, mas com menos esperança. De fato, quanto a ações e efetividade, é como se muitos prefeitos catarinenses não tenham assumido ainda os seus mandatos. Afora as manifestações de junho e julho nas ruas, em diversas cidades do Estado os ciclistas externaram o seu descontentamento com as condições desumanas do trânsito. Muito pouco foi feito. Criciúma ganhou seus primeiros quilômetros de ciclofaixas, enquanto que Florianópolis e Jaraguá do Sul viram crescer um pouco a sua malha cicloviária, nem sempre da melhor maneira possível – ou da mais efetiva, ou da mais eficaz.

Muitos ciclistas, infelizmente, tombaram em 2013. Ou melhor, foram tombados! Florianópolis, Blumenau, Joinville, Brusque, Jaraguá do Sul, Balneário Piçarras, Barra Velha e tantas outras cidades tiveram no ano passado o sangue de um ciclista derramado em suas estatísticas. Uma cidade civilizada – uma cidade humana! -, cuja mobilidade urbana exerce a sua função de traslado de pessoas, tem que ter esse índice igual a zero. Zero mortes e nem uma a mais! Porque uma cidade boa para se locomover é aquela em que o indivíduo possa fazer a sua opção de modal sem temer pela sua segurança, sem a preocupação de não retornar à casa e à família. Sob este ponto de vista, é triste ver que essas cidades citadas falharam, enormemente, em promover a mobilidade ciclística. Falharam elas e, em muitos lugares, falharam também Santa Catarina (mortes em rodovias estaduais) e o Brasil (rodovias federais). Uma falha que custa, todos os anos, muito à coletividade e que não tem um valor que se possa precificar nos corações  e lembranças que sobre a terra ficaram, saudosos.

O que mais gera receio, entretanto, é ver muito pouca coisa realmente sendo feita para melhorar a vida “das pessoas”. É ausência de projetos bons e falta de vontade em ir atrás deles. É o colapso do trânsito sendo gestado *ou não) agora pelos administradores.

O povo, sofrido, pede, portanto, mais. E, como tem feito nos últimos onze anos e meio, vão às ruas. Até porque o Brasil não acordou apenas em 2013. Os ciclistas, ao menos, estão nessa sina há muito mais tempo!

Veja, portanto, com atraso admite-se, a relação de Bicicletadas que estavam previstas para ocorrer na última sexta-feira do mês de janeiro em solo barriga-verde.

Blumenau

Este slideshow necessita de JavaScript.

Artes: Yasna Muñoz Catalán

Os ciclistas de Blumenau têm um motivo extra para protestar. A Rua Fritz Spernau, popularmente conhecida como Rua da Coca-Cola, um importante eixo entre os bairros Itoupava Norte e Fortaleza ainda não teve a sua ciclofaixa implantada, quase quatro meses após o término das obras carrocráticas de sua revitalização.

Brusque

Brusque 2014-01-31

Notícia triste é que um participante da Bicicletada Brusque fora atropelado na quinta-feira, 30 de janeiro, véspera da pedalada. Ele encontra-se hospitalizado.

Chapecó

Chapeco geral v2

Com concentração a partir das 18h30 na praça da Catedral, a Bicicletada de Chapecó assumiu seu protagonismo em prol da cidadania e seguiu até o Centro de Convenções, onde haveria a audiência pública final para a aprovação do Plano Diretor do município.

:: Confirme sua presença pelo site da ABX Ciclistas

Florianópolis

A Massa Crítica da Capital teve como tema o verão. Saída às 19h da pista de skate da Trindade. Concentração a partir das 18h.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

Joinville

Joinville realiza a sua Massa Crítica com relativa regularidade, embora não tenha sido possível obter com precisão se em janeiro seria realizada a pedalada na maior cidade catarinense.

Mas o município mal comemorou a lei que cria a Semana Municipal da Bicicleta e já houve um incidente muito mais grave envolvendo os ciclistas joinvillenses. Apesar de a legislação federal pregar a intermodalidade, e embora fosse consenso entre os demais usuários do ônibus envolvido, um ciclista foi agredido por policiais na cidade após adentrar o coletivo com a sua bicicleta. A entrada do ciclista no ônibus aconteceu logo após um protesto contra o aumento da tarifa do transporte público, em pleno mês de janeiro.

A Bicicletada Joinville lançou uma Nota Oficial de repúdio sobre o ocorrido. O atual prefeito de Joinville, o empresário Udo Döhler (PMDB), cancelou a licitação do transporte na cidade. Nas audiências públicas, a intermodalidade foi levantada por diversos cidadãos, que foram solenemente ignorados pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville (IPPUJ).

Massas Críticas catarinenses

Novembro vem e carrega consigo um ano inteito de desgoverno. Avanços mínimos perante os retrocessos. Vidas a menos sem a menor preocupação dos governantes.

No Estado de Santa Catarina, dinheiro para investimento tem. Mas a preocupação é por jogá-lo pelo ralo, em mais um elevado na SC-401. Para projetos cicloviários decentes, absolutamente nenhum tostão na mesma rodovia, conhecida como a Rodovia da Morte dos Ciclistas, com sete falecimentos em seus 20km desde a vigência da Lei Seca.

Com o fim do ano, as promessas de campanha vão sendo, uma a uma, paulatinamente quebradas.

Continue lendo…

Conexão Montréal #4 – Bicicletada em Montréal

Sei que já faz um tempo a última Bicicletada, mas tenho que contar. Acabei de viver uma experiência muito bizarra na cidade, eu não imaginava que ia ser assim, foi realmente surpreendente. Toda última sexta-feira do mês, tem Bicicletada, ou “Masse Critique”. Para quem tem facebook dá para ver o evento aqui.

Saí do trabalho e peguei a Saint Urbain direto até a Maisonneuve, ambas têm ciclovia, foi easy. Peguei somente um pedaço do caminho sem, mas foi de boa. Estava bem frio, confesso, uns 7ºC. Cheguei na praça tinha 10 gatos pingados. De um lado os anglofónos e de outro os francófonos. Daí, já fui trocando ideia com a galera que fala francês porque eu falo muito mal inglês. Mas ninguém foi muito simpático, hábito comum no norte do mundo. Logo, saímos. Ninguém explicou nada e eu segui o fluxo. Eu perguntei para as pessoas como funcionava e me olharam com uma cara estranha “tipo, que pergunta é esta?!?”. Bom, eu segui pedalando e pensando que se houvesse um cara que nem o Fabiano deste lado de cá, eu não teria ficado no vácuo. Hehehe! Mas daí eu perguntei vocês puxam algum grito em inglês ou francês? E um senhor me respondeu “faz o que você quiser!”. Wow! Muito legal, pensei em ficar quieta e pedalar. Daqui a pouco, tinha um cara de fixa (eu vi uma 3 fixas durante a Bicicletada) que gritava um monte de coisa em inglês. Eu não entendia nada. Este cara puxou alguns gritos e também o caminho, ele parecia legal, mas não consegui trocar ideia com ele por causa da língua.

O mais engraçado foi quando o povo passou o primeiro farol vermelho bem na frente da polícia. Tipo, pensei, agora vou ser multada, sei lá. Mas nem rolou nada. Só que nós fizemos isso direto, andamos na contramão e passamos farol vermelho, andamos no meio do trânsito, no meio de pedestres atravessando na faixa. O oposto da impressão que eu tinha tido sobre a educação do trânsito na cidade, até as pessoas respeitam sinal vermelho, ficam paradas até a luz verde acender, independente da presença dos carros.

Manifestante qui pose.

Manifestante qui pose.

Aqui, eu vi a face anárquica da Massa Crítica. Bom, mas éramos poucos uns 30 no máximo. Depois eu vi na página do evento uma galera reclamando disso, que podia ser mais assim, ou mais assado. Sei lá! Cada um com os seus problemas é um lema do lado de cá do mundo.

Eu me apresentei para uma mina na hora que eu cheguei. E no meio do pedal ela me perguntou, e aí, que tá achando? Eu falei para ela que estava super anárquico para mim. Falei também que a gente gritava mais, e todo mundo junto, que somos mais certinhos no trânsito, paramos no sinal vermelho, não subimos na calçada e nem andamos na contramão.

 Aí ela me ensinou os gritos daqui “à qui la rue? la rue à nous!”, que quer dizer, “de quem é a rua? a rua é nossa!”. “Velo-rution!”. Eu escutava “happy friday!” ou “bon vendredi!”, aproveite a sexta. Também ouvi “vem pedalar! é bom para saúde”. “Le velo est bon pour la libido!”. E eu cantei os nossos para ela e traduzi alguns.

A gente gritou bastante depois, mas eu confesso que fiquei com medo da polícia. Só me imaginava presa ou multada. Mas não deu nada. A Bicicletada corria por várias ruas, se meteu no meio do trânsito, entre os carros e fazia muito barulho com gritos, sinetas, buzinas…. mas a impressão que eu tinha é que realmente, não tinha um porquê. Eu sei que o trânsito sempre pode ser melhor. Acho que dou mais valor para o que a gente em Floripa tem feito, todo mês tem um porquê para manifestar enorme. A gente se esforça e se organiza. Aqui a galera é certinha e tá de saco cheio, também é um bom motivo para tocar o foda-se e fechar a semana com um “happy friday!”. Bom, não preciso ter uma opinião fixa, porque estou aqui só de passagem.

Lagoa da Conceição: prazo encerrado; obra não.

A sensação de abandono esquenta o sangue dos ciclistas de Florianópolis cada vez mais nos últimos meses. Após mais um atropelamento, obras sem contemplação de ciclovia ou ciclofaixa, mudanças de fluxo sem considerar o tráfego cicloviário, agora foram paralisadas também as obras numa das ciclovias mais aguardadas do Estado de Santa Catarina: a da R. Ver. Osni Ortiga, na turística e mágica Lagoa da Conceição.

Por isso, a expectativa para a Bicicletada da Lagoa é de protesto, nessa retomada das ações de rua do Movimento Ciclovia na Lagoa Já. A pedalada da Critical Mass manezinha é esperada para este sábado, em novo horário, às 10h da manhã, saindo da Praça Bento Silvério, no centrinho.

:: Confirme sua presença pelo Facebook

– As obras da tão prometida e esperada ciclovia da Osni Ortiga iniciaram, mas avançam em ritmo muito lento! A primeira de três etapas, iniciada em julho e que deveria durar 120 dias, expirou agora e não está nem na metade de ser concluída. Vamos nos deixar enrolar por mais uma obra de duração eterna, sem previsão de conclusão das etapas adicionais? – indagam os ciclistas e moradores da Lagoa.

Obras de ciclovia que deveriam durar quatro meses estão paradas. Foto: Eduardo Green Short.

Obras de ciclovia que deveriam durar quatro meses estão paradas. Foto: Eduardo Green Short.

Com esse atraso, fica cada vez mais difícil a nova gestão da Prefeitura de Florianópolis cumprir a promessa de campanha de construir, até junho do ano que vem, 40km de pistas cicláveis decentes no município.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.848 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: