Anotações do Fórum Mundial da Bicicleta 2014

Após vários pedidos de compartilhamento de informação derivado de nossas anotações das palestras do Fórum Mundial da Bicicleta, cuja terceira edição ocorreu em fevereiro deste ano em Curitiba, digitalizamos as anotações do nosso editor para quem quiser relembrar, saber sobre apresentações que não pôde estar presente ou simplesmente ter um gostinho de como foi um dos melhores encontros do ciclismo urbano e cicloativismo que aconteceu em território brasileiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

(Veja em PDF)

Catarinense é eleito presidente da União de Ciclistas do Brasil

Após duas sessões e quase 4 horas de duração, a União de Ciclistas do Brasil tem um novo presidente. A eleição aconteceu no auditório do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, como parte da programação do 3° Fórum Mundial da Bicicleta para este sábado, 15 de fevereiro.

A partir de agora, André Geraldo Soares, da Associação de Ciclismo de Balneário Camboriú e Camboriú (ACBC) toma posse como novo representante do órgão, constituído por ciclistas e associações ciclísticas de todo o país. Yuriê Baptista César, do Clube de Cicloturismo do Brasil, com sede em Cristais Paulistas (SP), ficou com o cargo de diretor financeiro, enquanto Rodolfo Brandão de Proença Jaruga, da Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu (CicloIguaçu), com sede em Curitiba, é o novo diretor administrativo da instituição.

Foram eleitos também os membros do Conselho Fiscal da UCB. São eles: Fabiano Faga Pacheco, da Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo), Hamilton Takeda, do Instituto CicloBR de Fomento à Mobilidade Sustentável, e Giovani Rafael Seibel, da Associação Blumenauense Pró-Ciclovias (ABC Ciclovias).

Das 18 entidades com direito a voto, 11 se fizeram presentes no Fórum Mundial da Bicicleta. Além das seis já citadas, estiveram presentes a Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (CicloCidade), de São Paulo, a Rodas da Paz, de Brasília, a Transporte Ativo, do Rio de Janeiro, a Associação dos Ciclistas Urbanos de Fortaleza (Ciclovida), da capital cearense, e a Associação dos Ciclistas urbanos de Belo Horizonte (BH em Ciclo), da capital mineira. A direção da União de Ciclistas do Brasil foi eleita com 10 votos a favor e uma abstenção. A BH em Ciclo não se julgava capaz de emitir uma opinião durante o Fórum sem fazer consulta ao coletivo de ciclistas mineiros.

Apesar desses cargos, necessários para manter a UCB como entidade apta a dialogar diretamente do Poder Público e a cobrar desses ações em prol dos usuários da magrela, pessoas de qualquer outra associação afiliada à UCB podem desenvolver trabalhos junto a ela.

Para o Brasil, espera-se um incentivo à formação de entidades de ciclistas em municípios e a articulação para a defesa dos direitos dos ciclistas em nível federal. Talvez agora também, Santa Catarina seja ouvida e possa ser um exemplo a ser irradiado para o resto do Brasil de comunicação, proposição e articulação efetiva entre as sociedades civis, representantes de extratos da sociedade, e aqueles que possam colaborar para sanar deficiências históricas que os ciclistas enfrentam no Estado.

Atualizado em 18 de fevereiro de 2013, às 10h28.

Pedala Curitiba já percorreu o equivalente a mais de 13 voltas em torno da Terra

Desde que foi criado, em 2008, o Pedala Curitiba, evento criado pela prefeitura da cidade para proporcionar atividade física e de lazer já percorreram mais de 554.000 km sobre bicicleta, o que seria equivalente a dar 13,83 voltas em torno do Planeta Terra. Pelo menos essas são as estatíticas apresentadas por Marcelo Luis Miranda e Eduardo Galeb Junior, funcionários da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude de Curitiba. Os dados foram passados durante palestra na manhã desta quinta-feira, 13 de fevereiro, no Fórum Mundial da Bicicleta, cuja sede da terceira edição acontece na capital paranaense.

Confira abaixo a apresentação da palestra na íntegra:

APRESENTACAO PEDALA CURITIBA NO FORUM MUNDIAL DA BICICLETA 02.2014

Para quem pedala eventualmente, fotos de diversas pedaladas podem ser vistas pelo site Cicloativismo.Com

Apresentação da Oficina de Planejamento Cicloviário do 3° Fórum Mundial da Bicicleta

Confira abaixo a parte teórica da Oficina de Planejamento Cicloviário, ministrada pelo arquiteto Antonio Miranda durante a atividade de estréia da terceira edição do Fórum Mundial da Bicicleta.

Oficina de Planejamento Cicloviário - Palestra 4Tenha acesso neste link a todo o material da oficina, incluindo guias para construção de ciclovias e manuais para implementação de política cicloviária.

Participantes do Fórum Mundial da Bicicleta terão desconto em livro

A Editora InVerso topou o desafio de publicar o livro “Minha Garagem é uma Sala de Estar”, de Luis Claudio Brito Patricio, pesquisador do Grupo Transporte Humano e cicloativista reconhecido nacionalmente. Luis Patricio é um dos membros fundadores da União de Ciclistas do Brasil e, além da coordenação da terceira edição do Fórum Mundial da Bicicleta, que vai acontecer em Curitiba durante os dias 13 e 16 de fevereiro deste ano, participou dos primeiros Encontros Nacionais de Bicicletada do Brasil.

O livro foi lançado oficialmente em 28 de setembro, na Bicicletaria.net, no Centro Cívico de Curitiba, um espaço não convencional que promove a interação entre pessoas. Em novembro, o livro esteve também no Seminário de Integração Ciclística de Camboriú e Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

E para os participantes no Fórum Mundial da Bicicleta existe um motivo a mais para não sair de Curitiba sem as 159 páginas do livro: quem estiver inscrito no evento terá desconto de 30% para levar o seu exemplar!

CAPAS MINHA GARAGEM É UMA SALA DE ESTAR LIVRO 13X19 CM 04 09 20

Confira mais sobre o livro

O trânsito de Curitiba é maior a cada dia e abrir mão do carro é uma opção cada vez mais atraente. Luis Patricio e sua família contam em “Minha Garagem é uma Sala de Estar” como se adaptaram com a vida na cidade sobre as duas rodas de suas bicicletas e as mudanças de mentalidade que essa escolha incentivou.

“Minha Garagem…” apresenta a família Patricio – pai, mãe e dois filhos – e sua curiosa rotina na capital do Paraná: não possuem carro e fazem a maioria dos seus trajetos de bicicleta. A garagem, como revela o título do livro, foi concebida desde o início para ser uma sala de estar ao ar livre, mas muitos outros valores surgiram da opção de um veículo sustentável. A preocupação com o meio ambiente, com a saúde e com relacionamento humano são alguns dos temas abordados nessa brilhante história real.

“Ao escrever este livro, a intenção não foi convencer ninguém a vender o carro e sair por aí pedalando. Nós esperamos apenas poder ser um dos muitos pontos verdes que existem por aí,” conta Luis.

Sobre a Editora InVerso

A Editora InVerso surgiu em 2004, em Curitiba (PR), com o objetivo de oferecer ao público produções com qualidade gráfica e editorial dos mais diversos gêneros literários. Está presente nas principais livrarias do Brasil e também realiza distribuição e divulgação de produtos em toda a América Latina.

Com a missão de oferecer aos leitores um maior número de opções de títulos, a Editora InVerso tem em sua essência, além da característica de identificar e lançar novos autores no mercado literário, o relacionamento de proximidade entre escritor e editora. O catálogo de produtos da Editora conta com obras de literatura infanto-juvenil, autoajuda, negócios, arte, fantasia, contos, romance, poemas, históricos, educação financeira, diário, religioso, teatral, biografia, entre outros.

Novidades ciclísticas #3

Após um final de semana cicloviajando, voltam neste sábado as novidades ciclísticas da semana. Confira!

Governo do Japão estuda criar Ministério da Promoção da Bicicleta – O País do Sol Nascente pretende ampliar seus atuais 11 ministérios para permitir a uniformização e simplificação de legislação ciclística, além da implantação de estruturas cicloviárias para promover o uso da magrela no país, que será sede dos Jogos Olímpicos de 2020.

O custo das ciclovias

Prefeitura garante R$ 22 milhões para a ampliação de ciclovias – Em tempos de discussão da Lei Orçamentária Anual, é sempre bom relembrar esta matéria do ano passado, referente a Curitiba. Enquanto em Florianópolis, todas as obras cicloviárias estão paradas, os recursos buscados em Brasília não contemplam os ciclistas e sequer se viu a aplicação do R$1 milhão comprometido a partir de setembro para este ano, em Curitiba um valor extremamente maior constava já no orçamento.

Eduardo Euzebio

Mais uma tragédia. Infelizmente Eduardo Euzébio, ciclista da seleção brasileira, morreu atropelado – O ciclista catarinense de 18 anos havia sido recentemente chamado para a seleção brasileira. Praticante do esporte havia 9 anos, treinava em Curitiba e fazia parte da equipe Fundação Municipal de Esportes de Criciúma (FME)/Hidrorepell Tintas/Bike Point. Havia ganho duas medalhas de ouro no brasileiro de ciclismo júnior. Foi atropelado quando pedalava sozinho na BR-277 entre Curitiba e o litoral do Paraná, no dia 13.

Motorista de caminhão passa no sinal amarelo e mata ciclista de 14 anos – Alexander tinha 14 anos quando foi atingido por um motorista de 25 que acelerou para cruzar no sinal amarelo em Curitiba. Neste artigo, Alexandre Costa Nascimento questiona a falta de ação e de fiscalização, fatores que levam à Indústria da Morte.

Ciclista é atropelado na SC-401, em Florianópolis – Valtrik Leopoldo Pinheiro, de 53 anos, foi atropelado por um automóvel quando tentava cruzar a rodovia SC-401, a Rodovia das Mortes, que desde 1991 deveria ter ciclovia. O atropelamento aconteceu no km4, às 21h30 do dia 13. O motorista fugiu e o ciclista foi levado para o Hospital Celso Ramos.

(VII) Especial Floribike: As empresas que ficaram pelo caminho

bicicleta_na_rua3-joel pacheco

Cinco empresas tentaram se habilitar na disputa para concorrer ao direito de instalar um sistema de bicicletas coletivas em Florianópolis. Apenas três foram habilitadas.

A Empresa Ciclista Miralago, com sede em Águeda, na região portuguesa de Aveiro foi numa delas. Embora tenha fornecido milhares de bicicletas para os sistemas Paris (Vélib) e Lyon (VéloV), ela ficou pelo caminho. Diversos documentos obrigatórios deixaram de ser fornecidos, incluindo alguns atestados de capacidade técnica. Na maioria dos locais onde atua no transporte por bicicleta, a Miralago é apenas fornecedora do material (a bicicleta), e não gerenciadora do sistema em si.

Já a Nery & Scheinkmann não foi habilitada por não conseguir comprovar o fornecimento de um sistema eletrônico de locação das bicicletas. Este item era fundamental no processo licitatório de Florianópolis. A cidade optou por não correr os risco de outras cidades e apenas habilitar empresas que já haviam fornecido um serviço eletrônico de empréstimo, ou que comprovadamente detinham esta tecnologia.

Em janeiro deste ano, a empresa abriu, em Curitiba seus primeiros locais de empréstimo e estacionamento de bicicletas, no projeto Bicicletaria.net. Existem dois pontos em Curitiba, no Centro Cívico e no Jardim Botânico, no qual os ciclistas podem deixar suas bicicletas ou ainda, locarem uma das 21 bicicletas disponíveis. As bicicletas não possuem correntes de transmissão e são rastreadas por GPS. A empresa encontra-se em fase de captação de recursos e oferece também serviços mecânicos e de reparos. Mais informações podem ser encontradas aqui.

Bicicletaria.net. Foto: BandNews FM Curitiba.Bicicletaria.net

Saiba mais:

(I) Especial Floribike: Edital de concorrência será lançado no aniversário da cidade
(II) Especial Floribike: São Paulo e Rio de Janeiro foram pioneiros
(III) Especial Floribike: Projeto de bicicletas coletivas vem de 2009
(IV) Especial Floribike: Conheça as concorrentes – Compartibike
(V) Especial Floribike: Conheça as concorrentes – Movement Barcelona
(VI) Especial Floribike: Conheça as concorrentes – Serttel
(VII) Especial Floribike: As empresas que ficaram pelo caminho
(VIII) Especial Floribike: A opção por Nova York
(IX) Especial Floribike: Compartilhamento universitário
(X) Especial Floribike: Iniciativa do interior do Paraná é premiada
(XI) Especial Floribike: Bicicletas coletivas que salvam vidas
(XII) Especial Floribike: Como funcionará em Florianópolis

Veja também:

Floribike: encaminhamento do edital homenageou os 10 anos da Bicicletada em Florianópolis
Apenas duas empresas são habilitadas a concorrer ao sistema de bicicletas públicas de Florianópolis
Aberto edital de pré-qualificação do sistema de bicicletas públicas de Florianópolis
Aluguel de bicicletas de Florianópolis é tema de Podcast
Embora pronto, edital das bicicletas públicas de Florianópolis não será lançado em 2011
Ata da Audiência Pública do Sistema de Bicicletas Públicas de Florianópolis (Floribike)
Florianópolis dá primeiro passo para implantação de bicicletas coletivas
Audiência pública debaterá aluguel de bicicletas em Florianópolis
Aluguel de bicicletas de Florianópolis deve ficar pronto em novembro de 2012
Florianópolis espera contar com bicicletas públicas em 2012

Artigo: uma reflexão crítica sobre as ciclofaixas de lazer de Florianópolis

bicicleta_na_rua3-joel pacheco

Diretrizes para o sucesso de vias temporárias visando à sua implantação futura de modo permanente

Recentemente, o periódico Diário Catarinense publicou interessante matéria sobre o aumento da quantidade de infraestrutura cicloviária em Florianópolis mediante a implantação de ciclofaixas de lazer, a exemplo da Ciclofaixa São Paulo e do Circuito Ciclofaixa, de Curitiba.

Pela reportagem, em um ano o tamanho da infraestrutura cicloviária da cidade aumentaria 70%, com a inclusão de 30km de ciclofaixas que funcionariam apenas aos domingos.

Origem das Ciclofaixas de Lazer

A idéia de se criar ciclofaixas provisórias é tipicamente brasileira. Surgiu em agosto de 2009, na cidade de São Paulo, então firmemente pressionada pela morte de ciclistas e por estudo de André Pasqualini que demonstrou que a cidade não possuía nenhum quilômetro de ciclovia utilizável na cidade. Numa cidade tomada por congestionamentos diários e cujo secretário de transportes solenemente ignorava a presença de ciclistas, em vez de construir uma ciclovia permanente, optaram por uma solução mais simples: fechar ruas ao tráfego automotor por uma manhã de domingo, quando o fluxo de veículos é menor. Encampada pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, a ciclofaixa paulistana de lazer ligava parques em meio a uma região aplainada.

Foi, de fato, um sucesso! A demanda reprimida por ciclovias era tão grande que houve mais de 9.000 ciclistas circulando em seu primeiro domingo de funcionamento, superando em 4.000 as expectativas.

As ciclofaixas de domingo foram copiadas por outras cidades. Além de Curitiba, Campinas e Ribeirão Preto também aderiram à iniciativa.

Problemas surgidos

Sobre Curitiba, temos um artigo exclusivo sobre sua polêmica. A iniciativa foi do Secretário Municipal de Esporte, Lazer e Juventide, Marcello Richa, filho do então governador do Paraná. De forma tímida, sem consulta a entidades de ciclistas ou mesmo grupos de pesquisadores cicloviários, pintou do lado esquerdo das vias 4km de ciclofaixas que funcionariam apenas um domingo por mês.

O intervalo entre cada Circuito Ciclofaixa, o fato de se localizar num lado da via onde normalmente não ocorre tráfego de ciclistas, a exígua extensão e o não cumprimento dos acordos de sua ampliação tornaram o Circuito Ciclofaixa extremamente vexatório.

Em Campinas, a ciclofaixa de lazer deixou de operar, muito embora reuniões estejam sendo feitas na nova administração para que ela possa voltar a ser operada.

Assim como São Paulo, a cidade de Ribeirão Preto conta com o apoio de um banco privado que possibilita uma série de atratividades aos usuários. Além de fiscais da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) realizarem um bom trabalho de redimensionamento de trânsito, agentes coletam dados e realizam entrevistas (eu mesmo já participei de uma), fotos dos ciclistas são orgulhosamente exibidas em site próprio, oficinas realizam ajustes nas bicicletas dos participantes e mesmo parques que há muito estavam no papel foram inaugurados já sendo contemplados com as novas ciclofaixas. Enfim, os ciclistas têm a seu dispôr um caminho seguro e atrativos em seus destinos.

Falácia de números

Hoje, a coordenação da Ciclofaixa São Paulo é da Secretaria de Transportes. Mas do percurso original nenhum deles foi efetivado e mesmo a integração com a única ciclovia próxima inaugurada desde 2009 – a ciclovia da Marginal Pinheiros – continua pobre, com poucos avanços.

Entretanto, o município de São Paulo contabiliza as ciclofaixas de lazer em seus números “oficiais”. Nenhum urbanista sério diria hoje que São Paulo tem 230km de pistas cicláveis ao se referir à mobilidade urbana por bicicleta. Os números são bem menores, de em torno de 50km. Ao contrário do que diz a reportagem – e fontes falsas da Prefeitura de São Paulo -, 230km é a meta da cidade para 2016. Mas quase todo o cronograma envolve ciclovias em parques – além das ciclofaixas de lazer. Para o ciclista urbano que pedala em seu cotidiano, poucos avanços seriam percebidos e mesmo poucos dos novos trechos estão devidademente interconectados.

São Paulo coloca em sua conta as ciclorrotas (pinturas no asfalto, indicando a presença de ciclista, uma outra solução de fácil implantação), as vias dentro de parques e as ciclofaixas de lazer em dobro. Mesmo ida e volta sendo lado a lado no canteiro central, a prefeitura conta ambos os lados de forma separada.

Por isso, em nenhum estudo acadêmico os dados da prefeitura são contabilizados quando se trata de mobilidade urbana.

Esse artifício, de que Porto Alegre e Campinas também se utilizaram, não deve ser repetido em Florianópolis. Ciclofaixa de lazer não é de deslocamento, via de regra. Inclusive, pode ser prejudicial a quem se utiliza da bicicleta no dia a dia. A pintura no asfalto na faixa da esquerda faz com que muitos motoristas, nos demais dias da semana, lancem seus veículos contra os ciclistas que trafegam corretamente à direita, dizendo ser ali espaço dele, do motorista. Diversos casos assim foram relatados em São Paulo.

Ciclorrecreovias

A opção da ciclofaixa de domingo de Florianópolis deve levar em conta os atrativos para o uso da bicicleta e a possibilidade de efetivação diária do trecho. Nesse sentido vale a pena recordar os exemplos de Bogotá. Ambas as situações ocorreram e a bicicleta virou febre. Pistas para caminhada, corrida e pedalada, seguido por incentivos, como aulas de ginásticas ao ar livre, atendimentos de saúde básicos, como medição de pressão, programas de acompanhamento de saúde, a exemplo de pessoas que queriam perder massa, piqueniques nas áreas adjacentes: tudo isso contribuiu para o sucesso do programa da cidade. Diversas cidades adotaram o mesmo modelo, com destaque atualmente para Santiago, no Chile, e seu programa CicloRecreoVías.

No Brasil, as iniciativas ainda são tímidas. Destaques nacionais são o fechamento do Eixão, em Brasília, e de parte da Beira-Rio, em Porto Alegre. Em Santa Catarina, Joinville chegou a fechar a Av. Hermann August Lepper em 2009 e Florianópolis e Biguaçu contaram com Ciclovias de Domingo. Este último projeto, encabeçado pela Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo), que também está contribuindo atualmente, mantém pouca semelhança com as novas ciclofaixas de lazer de Florianópolis, pré-denominadas Ciclofaixa de Domingo. Veja aqui um levantamento de iniciativas semelhantes no Brasil.

As ciclofaixas de lazer de Florianópolis estão começando de forma parcialmente correta. Há um pensamento importante nos atrativos. Pensa-se desde já em incluir um roteiro histórico-cultural pelo centro do município, em ligar parques, como o de Coqueiros, da Luz e do Córrego Grande, em propiciar condições para a realização de atividades ao ar livre e de saúde, focando na prevenção de doenças, bem como em feiras de artesanato e/ou similares, aproveitando também espaços como campos de futebol, praças e pistas de skate. Isso sem contar na música, simbolizada em rodas de samba e em projetos como a Sounds in da City, além das oficinas dos Bike Anjos para quem quiser dicas ou aprender a pedalar em meio ao trânsito.

Com isso, mesmo que as praias da região central e continental de Florianópolis permaneçam impróprias para banho, incentivos não devem faltar para quem quiser se aproveitar das ciclofaixas de lazer. Fora o trabalho árduo em coordenar essas diversas atividades, faltam ainda, entretanto, duas questões importantes: estacionamentos de bicicleta e ciclovias “de verdade”.

Do lazer ao cotidiano

São Paulo pecou em não efetivar parte de sua Ciclofaixa de Lazer para os demais dias da semana. Após mais de três anos, mais de 100.000 pessoas percorrem as ciclofaixas das zonas sul e oeste todo domingo. O estímulo ao uso da bicicleta foi-lhes dado. Mas a passagem de se pedalar por lazer para o trabalho encontra seus obstáculos.

Após uma queda em 2011, o número de acidentes fatais com ciclistas subiu em São Paulo. Também não era para menos: em cerca de 10 anos, aumentou 300% o número de pessoas que se locomovem de bicicleta em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas a infraestrutura paulistana permaneceu praticamente inalterada, apenas maquiada, enquanto o Rio investiu fortemente em infraestrutura, pesquisa e educação no trânsito.

Faz-se necessário, assim, que Florianópolis pense sua ciclofaixa de lazer de modo a que vários de seus trechos sejam transformados, de fato, em ciclovias para o ano inteiro. Aproveitar trechos de projetos que já existam, como é o caso de Coqueiros e da Av. Madre Benvenuta, e interligá-los à malha cicloviária já existente é imperial.

É fundamental também a pesquisa de coleta de dados. Ela deve ser fundamental para embasar tanto a efetivação das futuras pistas cicláveis quanto para que sejam feitas correções de traçado ou de atrativos. Como disse Guillhermo Peñalosa, no Fórum Internacional de Mobilidade nas Cidades, realizado em Florianópolis em 2011, precisamos pegar números que mostrem o antes e o depois, verificar a eficácia da ciclofaixa de lazer para o aumento do número de ciclistas e aí sim tomar a decisão de implementar de vez uma ciclovia ou ciclofaixa permanente.

Fundo Municipal de Trânsito

Parte das promessas do prefeito eleito Cesar Souza Júnior, a destinação de 20% do futuro Fundo Municipal de Trânsito para a construção de ciclovias não poderá ser usada para as ciclofaixas de lazer se não forem seguidas estas recomendações.

A criação de um fundo para gerir a mobilidade faz parte da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei Federal 12.587/2012). A destinação desses 20%, hoje estimados em cerca de R$8 milhões por ano, para a implantação de pistas cicláveis voltadas exclusivamente ao lazer não se insere dentro da lei federal.

Entretanto, se for parte de um processo para a consolidação da infraestrutura cicloviária urbana, envolvendo desde o início pesquisas de contagem volumétrica e entrevistas com usuário de bicicleta, esse recurso poderá ser parcialmente utilizado para essa destinação.

Os 74% dos habitantes que compõem a demanda reprimida no que tange ao uso da bicicleta apenas esperam que, ao contrário de São Paulo, essa efetivação não demore mais que 3 anos.

Fabiano Faga Pacheco

Bicicletadas de julho pelo Brasil

Quarta-feira, 25 de julho

João Pessoa, PB

Em homenagem a triatleta atropelado.
Saiba mais.

Sexta-feira, 27 de julho

Aracaju, SE

Belo Horizonte, MG

Hoje, concentração às 18h, saída às 19h.

Brasília, DF

Cuiabá, MT

Florianópolis, SC

Joinville, SC

Juiz de Fora, MG

Lages, SC

Maceió, AL

Manaus, AM

Mossoró, RN

Pelotas, RS

Concentração a partir das 20h30, na Praça José Bonifácio (Catedral São Francisco de Paula). Saída às 21h.

Porto Alegre, RS

Recife, PE

Ribeirão Preto, SP

Rio de Janeiro, RJ

Salvador, BA

São Luís, MA

Saída às 19h da Praça do Rodão, na Cohab, em frente à Igreja Católica.

São Paulo, SP

Concentração a partir das 18h, na Praça do Ciclista, esquina da Av. Paulista com R. da Consolação. Saída às 20h.

São Sebastião, SP

Vitória, ES

Concentração a partir das 19h na Praça dos Namorados, próximo ao Cine Metrópolis, UFES. Saída às 20h.

Sábado, 28 de julho

Curitiba, PR

Jacareí, SP

Natal, RN

Rio Grande da Serra, SP

Massa Crítica do Grande ABC

Cinco empresas concorrem ao Floribike

Cinco empresas entregaram a documentação para habilitação ao processo licitatório do sistema de bicicletas públicas de Florianópolis, o Floribike. As empresas interessadas deveriam se manifestar oficialmente até às 14h desta quinta-feira, 02 de maio.

Agora, uma comissão da Diretoria de Licitações e Contratos da Secretaria Municipal de Administração e Previdência irá avaliar a documentação e manifestar-se, habilitando as empresas ao próximo passo da licitação, que se refere à concessão do serviço.

Manifestaram interesse as seguintes empresas:

1) M2 Soluções em Engenharia Ltda., da Compartibike, que opera o PEDALUSP, sistema de bicicletas compartilhadas que funciona na Universidade de São Paulo (USP).

2) Empresa Ciclista Miralago, de Portugal, que fabrica as bicicletas utilizadas nos sistemas de Paris (Vélib) e Lyon (VéloV).

3) Movement Barcelona 2005 SL, da Espanha, responsável pelo sistema de bicicletas comunitárias de Barcelona (Bicing).

4) Serttel Ltda., empresa de Recife responsável pela SAMBA (Solução Alternativa para Mobilidade por Bicicletas de Aluguel), que gerencia a locação de bicicletas no Rio de Janeiro (BikeRio), Petrolina, João Pessoa e Sorocaba.

5) Nery & Scheinkmann Comércio, Aluguel e Manutenção de Bicicletas Ltda., de Curitiba, que mantém na capital paranaense locação de bicicletários.

O próximo edital de licitação deve sair até dia 06 de julho, de acordo com a legislação, por ser 2012 ano eleitoral.

Saiba mais:

Aberto edital de pré-qualificação do sistema de bicicletas públicas de Florianópolis
Aluguel de bicicletas de Florianópolis é tema de Podcast
Embora pronto, edital das bicicletas públicas de Florianópolis não será lançado em 2011
Ata da Audiência Pública do Sistema de Bicicletas Públicas de Florianópolis (Floribike)
Florianópolis dá primeiro passo para implantação de bicicletas coletivas
Audiência pública debaterá aluguel de bicicletas em Florianópolis
Aluguel de bicicletas de Florianópolis deve ficar pronto em novembro de 2012
Florianópolis espera contar com bicicletas públicas em 2012

Veja também:

Pedalada Pelada leva bom humor às ruas de Florianópolis na busca por respeito no trânsito
(Bicicultura) Jornal Bom Dia – Sorocaba terá mais ciclovias
(Bicicultura) Serttel aborda a iniciativa das bicicletas públicas

Bicicletadas pelo Brasil – Março de 2012

Março termina e traz com ele as manifestações cicloativistas pelo Brasil. Mesmo renovados de esperança pela presença maciça de milhares de ciclistas na Bicicletada Nacional, ocorrida em fevereiro, este mês de março ficou indelevelmente marcado pelo atropelamento e morte de Wanderson Pereira dos Santos, 30 anos, por Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, homem de maior fortuna do país. Orgulhando-se de feitos como ter dirigido a mais de 200km/h numa rodovia brasileira, e de ter atingido 51 pontos na carteira, sem tê-la visto ser apreendida, Thor observa este acidente ganhar proporções que fogem da esfera do Rio de Janeiro e alcançam, inclusive, outros países. Ciclistas de dezenas de cidades irão manifestar-se – novamente – contra a impunidade, nas diversas Bicicletadas/Massas Críticas que vão ocorrer neste final de semana. Confira abaixo a relação e a informação sobre a pedalada de cada cidade.

Sexta-feira, 30 de março

Aracaju, SE

Facebook

Belo Horizonte, MG

Facebook

Brasília, DF

Concentração a partir das 18h30 na Praça das Bicicletas, em frente ao Museu da República. Saída às 19h.

Facebook

Cachoeirinha, RS

Facebook

Caxias do Sul, RS

Saída às 19h, em frente à Prefeitura.

Facebook

Cuiabá, MT

Florianópolis, SC

Fortaleza, CE

Concentração a partir das 18h, na Praça da Gentilândia.

Ipatinga, MG

Saída às 19h da Praça do Abracadabra, na Cidade Nobre.

Jacareí, SP

Saída do Parque da Cidade, às 19h35.

Facebook

João Pessoa, PB

Saída ás 19h no Busto de Tamandaré.

Joinville, SC

Facebook

Mossoró, RN

No Teatro Dix-Huit Rosado, às 19h.

Porto Alegre, RS

Recife, PE

Facebook

Rio de Janeiro, RJ

Salvador, BA

São Luís, MA

Concentração às 19h, na Praça do Rodão, em frente à igreja católica da Cohab.

São Paulo, SP

Teresina, PI

Facebook

Vitória, ES

Em Vitória, haverá também Pedalada Pelada (World Naked Bike Ride). Concentração às 18h, saída às 20h da Ponte da Passagem.

Facebook

Sábado, 31 de março

Curitiba, PR

Jundiaí, SP

Saída às 15h30 embaixo do viaduto da Av. 9 de Julho.

Natal, RN

Facebook

Maceió, AL

Concentração a partir das 18h, em cima do Viaduto Aprígio Vilela.

Ciclistas realizam a primeira edição da Pedalada Pelada em Florianópolis

Não precisa tirar a roupa para participar. Além da capital catarinense, São Paulo também vai participar da Peladada, junto com mais de 30 cidades do mundo.

Muitas vezes desapercebidos no trânsito caótico de Florianópolis, os ciclistas prometem chamar bastante atenção neste sábado. E de uma maneira ainda inédita na cidade: em vez das já tradicionais roupas esportivas dos grupos que toda noite pedalam pelas ruas, nada. Ou, se preferir, usando cuecas ou calcinhas e sutiãs. Ou ainda sungas e biquínis. Ou mesmo coberto dos pés à cabeça. Esse deve ser o tom a Pedalada Pelada ou Peladada que colocará Florianópolis entre as cidades participantes da manifestação mundial World Naked Bike Ride (Passeio Ciclístico Sem Roupa, em tradução livre).

A ideia é mostrar como os ciclistas são frágeis no trânsito, não possuindo armaduras, air bags ou lataria que os proteja, O lema “as bare as you dare” ou “tão nu quanto você ousar”, além de demonstrar que a nudez é opcional, incentiva as pessoas a se despirem tanto quanto se sentem inseguras nas ruas, Os participantes dizem: “Nus, é assim que nos sentimos no trânsito”. A exibição do corpo, muito antes de querer  sensualizar o protesto, mostra justamente como o ciclista se sente no dia a dia, sendo uma alusão à sua perenidade e fragilidade, além da liberdade, interação e convivência proporcionada por um modal que te permite ver o mundo de uma outra maneira, sentindo na pele as intempéries do tempo e a pressa e falta de cautela de maus motoristas.

Confirme sua presença no Facebook

Tire suas dúvidas

A saída será da pista de skate da Trindade, em frente ao Shopping Iguatemi, por volta das 19h, em roteiro decidido na hora pelos participantes. O ritmo da pedalada será leve, para possibilitar o acompanhamento por qualquer pessoa. Às 18h, tem início a concentração, no qual, além de socializarem entre si, deverá haver pinturas de corpos, máscaras e faixas, tornando lúdico e interativo para quem acompanhar os ciclistas passando pelos bares, prédios e calçadas.

Legalidade

A exibição do corpo per se não se configura em crime ou infração, sendo, para efeitos da Pedalada Pelada, não consagrada como “atentado ao pudor”. O artigo abaixo foi escrito por um advogado. Ainda assim, na remotíssima hipótese de isso acontecer, há um tutorial jurídico disponível para quem quiser se inteirar mais sobre o assunto.

A Pedalada Pelada e a lei

No Brasil e no mundo

Os primeiros protestos ciclísticos sem roupa ocorreram em 2001 em Saragoça (Zaragoza), na Espanha, ocorrendo em anos subseqüentes de forma independente no Canadá e na Espanha. A partir de 2004, houve uma articulação internacional e já neste ano 19 cidades aderira ao protesto. Atualmente, há uma data sugerida para o WNBR nas cidades do Hemisfério Sul e outra para as do Hemisfério Norte, embora algumas localidades o realizem ainda em outro período.

Neste sábado, 33 cidades devem ter a sua Peladada. No Brasil, além de Florianópolis, está confirmada a participação de São Paulo pela quinta vez consecultiva. Lá, a concentração para a pintura de corpos começa às 18h, na Praça do Ciclista, esquina da Av. Paulista com a R. da Consolação, com saída prevista para as 20h. Não se tem notícia da terceira edição de Brasília.

As primeiras cidades do país a realizarem uma Pedalada Pelada foram São Paulo e Curitiba, no ano de 2008. Em 2009, além de São Paulo, houve participação brasileira em Aracaju e Brasília, sendo nesta última o feito repetido em 2010.

Neste ano ao todo mais de 170 cidades devem aderir ao World Naked Bike Ride,

Charge

A tira abaixo, criada pelo Alexandre Beck especialmente para a Pedalada Pelada de Florianópolis deste ano (e publicada no Diário Catarinense de 10 de março de 2012), mostra um ilustre participante (literalmente ilustrado) que deve pintar por lá: o Armandinho!

Boa ação

Além da primeira Pedalada Pelada de Florianópolis, sábado terá mais uma edição do Projeto Novos Horizontes, parceria entre ciclistas e a ACIC – Associação Catarinense para a Integração do Cego, que promove inserção social do deficiente visual através dessa atividade física. A pedalada sairá às 8h30 da Della Bikes, na R. Juvêncio Costa nº 269, na Trindade.

Saiba mais:

Ciclistas pelados devem fazer manifestação neste sábado em Florianópolis – Diário Catarinense

Veja também:

Ciclistas tiram a roupa em Porto Alegre em protesto contra a violência no trânsito

Ciclistas pelados pela vida

Bicicletada Nacional: em todo Brasil, ciclistas vão às ruas pedindo mais segurança e eqüidade no trânsito

Até agora, trinta e oito cidades (Itajaí, Balneário Camboriú, São Lourenço, Campinas e Piracicaba são as que não constam no cartaz abaixo) irão realizar Bicicletadas, pedaladas, protestos e/ou manifestações de indignação pela situação em que os ciclistas do país se encontram:desencorajados pelo trânsito perigoso que privilegia injustificadamente o fluxo automotor, relegados a segundo plano na formulação de políticas públicas voltadas à mobilidade, constrangidos pela ameaça diária e constante ao seu hábito saudável e, por algumas vezes, esquecidos tombados no asfalto, quando a situação poderia ser evitada.

Em apenas um dia, ao menos cinco ciclistas morreram no Brasil. Além da bióloga e cicloativista Julie Dias, em São Paulo, faleceram indivíduos em Marituba (PA), Brasília, Pomerode (SC) e Camaragibe (PE).

Cansados de esperar pacientemente pela solução de situações que lhes impingem risco, ciclistas vãos às ruas, ao mesmo tempo, em diferentes partes do Brasil, chamar atenção para o descaso que a mobilidade por bicicleta ainda enfrenta neste país.

Sugere-se que se vá de preto.

BICICLETADA NACIONAL

Aracaju (SE): Concentração a partir das 19h30, saída às 20h, Mirante da Treze de Julho;
http://www.facebook.com/events/189511917819107/

Balneário Camboriú (SC): 20h, Praça Tamandaré;

Belém (PA): Concentração a partir das 18h no Centro Arquitetônico de Nazaré – CAN. Saída às 19h30;

Belo Horizonte (MG): 19h, Praça da Estação;

Brasília (DF): 19h, Praça das Bicicletas (Museu Nacional);
http://www.facebook.com/events/263072160435461/

Campinas (SP): 19h, Praça Arautos da Paz – Lagoa do Taquaral;
http://www.facebook.com/events/312190452167988/

Campo Grande (MS): 18h, Praça do Ciclista (rotatória da Avenida Duque de Caxias com a Afonso Pena);
http://www.facebook.com/events/282569125145597/

Cascavel (PR): 18h30/19h, reunião em frente à Catedral para fazer uma panfletagem e apitaço;

Caxias do Sul (RS): 19h, em frente à Prefeitura Municipal;
http://www.facebook.com/events/371954129490520/

Cuiabá (MT): 20h, Praça 8 De Abril (em frente do Choppão);
http://www.facebook.com/events/255342117881035/

Curitiba (PR): 19h, Pátio da Reitoria (UFPR) Amintas de Barros (entre Dr. Faivre e Gen. Carneiro);
http://www.facebook.com/events/188615161246812/

Florianópolis (SC): 19h, Skate Park Trindade (em frente ao Shopping Iguatemi);
http://www.facebook.com/events/125659387560391/

Gramado (RS): 19h, Praça Major Nicoletti;

Itajaí (SC): 20h, Av. Sete de Setembro nº 1089;

João Monlevade (MG): 19h, Praça do Povo;

João Pessoa (PB): 19h, Busto de Tamandaré (Praia do Cabo Branco, final da Av. Epitácio Pessoa)
http://www.facebook.com/events/123970004397594/

Jundiaí (SP): Embaixo do pontilhão na Av. 9 de Julho;

Laranjeiras do Sul (PR): 19h, em Frente ao Lodi – Casa do Ciclista;

Londrina (PR): 19h, ponte da Av. Higienópolis (Lago 2);

Maceió (AL): 20h, Corredor Vera Arruda;

Manaus (AM): 19h30, Parque dos Bilhares (lado da Constantino Nery);

Maringá (PR): 19h, Praça da Catedral;
http://www.facebook.com/events/189134974528650/

Natal (RN): 19h, Calçadão do Midway (Av. Salgado Filho);

Parnamirim (RN): 19h30, Posto BR (Aguinelo), Cohabinal;

Pelotas (RS): 20h, em frente ao teatro 7 de Abril;

Piracicaba (SP): 19h30, Rua Bernardino de Campo nº 52 – Bairro Alto (em frente ao Fórum de Piracicaba);

Ponta Grossa (PR): 19h30, no Parque Ambiental;
http://www.facebook.com/events/309611795760654

Porto Alegre (RS): 19h, Largo Zumbi dos Palmares (EPATUR);
http://www.facebook.com/events/347944488583219/

Recife (PE): 19h, Praça do Derby;
http://www.facebook.com/events/325505750831153/

Rio de Janeiro (RJ): 18h30, na Cinelândia (em frente ao Cine Odeon);
http://www.facebook.com/events/288811831192660/

Salvador (BA): 19h, Largo da Mariquita;

Santa Maria (RS): Concentração a partir das 18h15, Largo da Gare;

Santo André (ABC – SP): 19h, Praça do Ciclista – Av. Perimetral;
http://www.facebook.com/groups/217308051626659/

São Lourenço (MG): 19h, Praça da Federal;

São Luís (MA): 19h, Praça do Rodão (Cohab);

São Paulo (SP): 19h, Praça do Ciclista (Av. Paulista X Rua da Consoloção);

Timbó (SC): 19h, em frente ao marco zero do Velotour (em frente do restaurante Thapyoka);

Vitória (ES): 19h, na Praça dos Namorados até a Praia de Camburi.

Outros países:

Caracas (Venezuela): 19h, desde la Plaza Brión de Chacaíto hasta Bellas Artes.
http://www.facebook.com/events/359258877438627/

Saiba mais:

Ciclistas promovem Bicicletada Nacional – Brasil de Fato

Cinco ciclistas mortos em um dia. Mas jamais vão deter a Primavera – Ir e Vir de Bike

Um apelo e sobre Fulanos, outros e etc – De Camelo

Morreu pedalando atrapalhando o tráfegoBicicleta na Rua

Morreu pedalando atrapalhando o tráfego

Arte: Tiago Costa Nepomuceno

 Há uma semana, quando perguntei tua idade
– 33 –
Pensei:
Agora tens a idade em que Cristo morreu.

Tua cruz era uma bicicleta
Pedalar no inferno
Onde metal vale mais que sangue.

Agora já podes morrer
por um mundo
que caga e anda
Caga e corre por cima de ti.

Mas e eu, que fico: como fico?
E nossa viagem para Goiânia?
E nossas subida para Campos do Jordão?
E os congressos, fóruns… e a vida, como fica?

a vida é uma
COISA
mesmo muito
VOLÁTIL.

Não é que irás para um lugar melhor.
É que o mundo fica cada vez pior
quando pessoas assim vão embora.

Arte: Kararyu

Um só dia, três ciclistas a menos no Brasil.

Em São Paulo, a capital financeira do país, o golpe veio no coração da cidade.

Na Grande Belém e no Distrito Federal, também tombaram guerreiros em bicicleta.

E a mídia preocupada com a pressa do dia a dia e o transtorno de mais um corpo no asfalto.

Cidadãos de São Paulo vão às ruas ainda hoje, mais uma vez. Já ao meio-dia, cerca de dez ciclistas caíram no betume, mas, vivos, foram carregados de lá pela polícia militar.

 Foto: Laura Sobenes

Mais notícias de São Paulo aqui.

Dia 06 de março, o Brasil inteiro vai voltar a protestar.

Brasília: 19h, Praça das Bicicletas (Museu Nacional)
Curitiba: 19h, Pátio da Reitoria (UFPR) Amintas de Barros (entre Dr. Faivre e Gen. Carneiro),
Florianópolis: 19h, Skate Park Trindade (em frente ao Iguatemi)
Porto Alegre: 19h, Largo Zumbi dos Palmares (EPATUR)
Rio de Janeiro: 19h, na Cinelândia (em frente ao Cine Odeon)
São Paulo: 19h, pça do ciclista (av. Paulista X rua da Consolação)

Confirme sua presença.

Ouça a música do Plá em memória ao atropelamento coletivo de Porto Alegre

O músico e compositor Ademir Antunes, mais conhecido como Plá, radicado em Curitiba, compôs uma canção que faz alusão ao atropelamento coletivo de ciclistas durante a Massa Crítica de Porto Alegre em 25 de fevereiro de 20111. Ouça abaixo a música e acompanhe a sua transcrição.

Bestafera

Cuidado, minha gente
Que pedala em POA.
Aqui tem um “Bestafera”
Que pode nos atropelar.

Com uma cara insana
E uma arma em suas mãos,
Atropela os ciclistas
Com a pior das intenção.

E ele estudou Leis.
Até tirou CNH.
O Ricardo Neis
tem licença pra matar. [bis]

Aqui em Porto Alegre
Ou em qualquer lugar,
Quando a vida vale menos
Que a pressa de chegar,
A bicicleta e as pessoas
Perdem vidas e a vez
Diante de “bestas feras”
Tipo o Ricardo Neis.
Diante de “bestasferas”
Tipo o Ricardo Neis.

%d blogueiros gostam disto: