(Bicicultura) Jornal Cruzeiro do Sul – Sobre as bicicletas públicas de Sorocaba

A notícia abaixo, ligeiramente alterada e sem correção de pontuação e  gramática, foi originalmente publicada na edição impressa do Jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba, em 3 de dezembro de 2010, sexta-feira, na página A9. A matéria pode ser lida também neste link.

BICICLETAS

Redução de custos atrasa bicicletários

Prefeito Lippi pretende adotar o mesmo modelo de bicicleta que é utilizado no México e em Londres

A implantação das bicicletas para empréstimo à população que queira deslocar-se pela ciclovia em Sorocaba está atrasada por conta da redução de custos. Prevista para ser lançada neste ano, agora ela é prometida apenas para o primeiro semestre de 2011 e em proporção inferior ao que foi divulgado em 2009.  Em 2009 o presidente da Urbes, Renato Gianolla, falou em cerca de 50 bicicletários públicos (pontos de empréstimo das bicicletas). Em maio deste ano o próprio prefeito disse que seriam 20 e recentemente Lippi passou a divulgar 13 bicicletários.

Cada bicicletário terá de dez a 20 veículos à disposição, de acordo com a demanda. Segundo o prefeito, como a utilização gratuita das bicicletas no Brasil é um processo, preferiu começar com uma estrutura menor para ampliar após ver na prática como deverá ser a manutenção, logística e substituição das bicicletas. Também alegou que a redução dos bicicletários ocorreu para evitar o risco de colocar a estrutura maior que a demanda e gerar um subuso. “Preferimos iniciar pelos pontos onde os estudos mostraram que a utilização será maior para depois crescer”, falou o prefeito.

Lippi discursa em evento sobre "mobilidade por bicicleta". Foto: Fábio Rogério.

Em maio deste ano Lippi anunciou que estava pronto um projeto de lei que até hoje não chegou à Câmara. Explicou nesta quinta-feira (02) que o atraso deve-se a um estudo para a redução de custos, já que antes, com 50 bicicletários, R$ 500 mil mensais eram calculados como insuficientes para manter o programa em funcionamento. Naquela ocasião estudava-se a permissão de alguma empresa para explorar a publicidade em pontos de ônibus e em contrapartida assumir os bicicletários. Agora, segundo o próprio prefeito, haverá a concessão de um novo serviço público em Sorocaba e a empresa que assumi-lo, ao invés de pagar à Prefeitura, fará a implantação e manutenção dos bicicletários.

Lippi declarou que já foram definidos os locais onde funcionarão os 13 bicicletários: Zona Norte, Zona Oeste e principalmente no Centro. Mas não informou em quais pontos exatamente. A definição foi por meio de pesquisa, levando em conta o trajeto onde as pessoas têm mais desejo de usar as bicicletas ou são trajetos potencialmente mais utilizados pela população. Apenas os portadores dos cartões utilizados nos ônibus da Urbes poderão usar as bicicletas. Quem não faz uso hoje do transporte público e desejar emprestar as bicicletas terá que providenciar o cartão. “É a coerência para ter o transporte integrado e isso acabou reduzindo os nossos custos porque as informações dos usuários estão no cartão social”, disse Lippi.

Não revelou qual será o custo por bicicleta, mas disse que o mais caro será um controle eletrônico de posicionamento para que a localização de cada uma delas seja monitorada. Lippi pretende adotar a mesma bicicleta que está sendo utilizada no México e em Londres (Inglaterra). “Tinha experimentado no Rio de Janeiro mas achei que a qualidade em Londres e no México são bastante superiores em conforto e resistência”, afirmou. Segundo ele, além de muito confortáveis pareceram bastante seguras e mais fáceis para trocar a marcha em qualquer velocidade, sem que ele tivesse percebido o risco da corrente se soltar.

Ciclovia

O prefeito prevê que até 2012 a ciclovia em Sorocaba ultrapasse os cem quilômetros (km) planejados, podendo chegar a 120 km. Citou que no momento está ampliando na avenida Ipanema e Armando Pannunzio. Estão previstos mais 33 km pelo Sorocaba Total e no novo parque onde haverá o megaplantio no domingo. “E tem outros trajetos que estão sendo aprovados para o centro da cidade”, disse Lippi.

Leandro Nogueira

(Bicicultura) Jornal Cruzeiro do Sul – Ciclistas de Brasília relatam problema em ciclovia de Sorocaba

A notícia abaixo foi originalmente publicada na edição impressa do Jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba, em 3 de dezembro de 2010, sexta-feira, na página A9. A matéria pode ser lida também neste link.

Ciclistas de Brasília reclamam da ciclovia

Um grupo de ciclistas da cidade de Brasília abordou ontem o prefeito Vitor Lippi (PSDB) dizendo que um deles caiu na ciclovia de Sorocaba, “porque fica escorregadia quando chove”, reclamou. Também pediram uma ação educativa para que os motoristas respeitem mais os ciclistas. As queixas ocorreram logo após o prefeito palestrar sobre “Os avanços de Sorocaba na modalidade por bicicleta”, no evento Bicicultura 2010, que está sendo promovido na cidade até amanhã, e reúne cerca de 150 ciclistas de várias regiões do Brasil.

O ciclista de Brasília, Uirá Felipe Lourenço, falou a Lippi que percorria a ciclovia molhada pela chuva e quando freiou para reduzir a velocidade em uma curva o pneu saiu deslizando no solo escorregadio. Pelas características citadas por Uirá, o fato ocorreu na avenida Rudolf Dafferner, local onde a pintura foi feita nos últimos dias. O grupo também observou que falta sinalização informando aos motoristas que estão cruzando uma ciclovia e a ausência de semáforos para os ciclistas, que ao chegarem em um cruzamento são obrigados a ficar observando as reações dos motoristas para saber se podem cruzar ou não.

Ciclistas reclamaram de solo escorregadio na ciclovia após chuva. Foto: Fábio Rogério.

Para os ciclistas o prefeito afirmou que pedirá para que seja avaliada a situação da aderência da pista quando chove. Explicou que, por conta da inexistência de uma tinta específica para ciclovias, está sendo aplicada a mesma da sinalização de solo habitual do trânsito. “Estamos usando um tipo mais resistente (…) é mais espessa e quanto mais espessa provavelmente é menos aderente”, disse o prefeito aos ciclistas. Quanto ao comportamento dos motoristas, o prefeito disse que é preciso trabalhar na educação e fiscalização e que o município criou os amarelinhos para coibir abusos. À reportagem Lippi que isso foi uma novidade, que nunca tinha ouvido esse tipo de queixa, e vai checar, ver se é alguma tinta nova usada em determinado trecho e que providências poderão ser tomadas. “Eu vou andar com chuva para ver”, disse o prefeito.

Prevenção

O prefeito Vitor Lippi expôs na palestra que a decisão em investir no incentivo da prática do ciclismo e caminhada foi tomada, entre outros motivos, porque prefere combater os problemas de saúde incentivando a prática de exercícios do que ter que gastar na construção de hospitais para tratar de pessoas adoecidas por conta do sedentarismo e obesidade. Os laboratórios internacionais não investem em pistas de caminhada. Citou que as melhores cidades do mundo são as planejadas e as piores, as que não tiveram planejamento. E explicou que o planejamento de Sorocaba prioriza a saúde e a educação.

Bicicultura

A programação do Bicicultura 2010 inclui a realização de palestras, oficinas e vivências, pedaladas e confraternizações, destinadas ao aprimoramento no conhecimento do ciclismo. As palestras são promovidas no Sorocaba Park Hotel e reúne representantes do segmento de mobilidade urbana de todo o país. De acordo com os organizadores, a escolha de Sorocaba para sediar esta nova etapa do Bicicultura ocorreu justamente por causa das políticas públicas do município voltadas ao incentivo desse meio de transporte. Ele é organizado pela Prefeitura de Sorocaba, por meio da Urbes Trânsito e Transportes, pela União de Ciclistas do Brasil (UCB) e Instituto Pedala Brasil e com apoio do Ministério das Cidades. Mais informações e a programação podem ser consultadas no site bicicultura2010.site.com.br.

Leandro Nogueira

%d blogueiros gostam disto: