Domingo de integração e cidadania

Dois eventos ciclísticos prometem agitar o dia de quem usa a bicicleta – ou gostaria de aprender a usá-la – em Florianópolis.

Pela manhã, a Volta Ciclística Integrada, que iria acontecer originalmente no Dia Mundial Sem Carro (22 de setembro) foi transferida para a abertura da Semana Lixo Zero em função das chuvas. Já à tarde, a Escola Bike Anjo promove uma edição especial alusiva ao Dia das Crianças no Parque de Coqueiros.

Volta Ciclística Integrada

A Volta Ciclística Integrada, promovida pela iniciativa “Floripa em Movimento”, sairá da UDESC às 9h30, realizando um percurso de cerca de 20km, em ritmo propício para pessoas de qualquer idade e condição física.

Para quem vem do norte da Ilha, uma novidade. Em dois horários da empresa Canasvieiras Transportes será possível levar até 3 bicicletas no ônibus.

Confirme sua presença pelo Facebook

Florianopolis 2013-10-20 Volta Ciclistica Integrada v1

Confira o release do evento e, abaixo, os horários quem almeja testar a intermodalidade da Canasvieiras.

A iniciativa “Floripa em Movimento”, coordenada pelo projeto de extensão Esag S/A, convida todos os cidadãos Florianopolitanos a participar do DIA MUNDIAL SEM CARRO, e da abertura da SEMANA LIXO ZERO, através de uma Volta Ciclística. Que ocorrerá dia 20 de outubro, às 09:30 da manhã, com saída da UDESC.O evento busca refletir o uso da bicicleta em nossa cidade, sobre a ocupação do espaço urbano com as ciclovias, e o que ainda deve ser feito para melhorar a segurança neste tipo de transporte.
Durante o percurso, contaremos com atividades relacionadas a mobilidade urbana e conceitos sobre os temas Lixo Zero e sustentabilidade

Traga seu skate, roller, patins, patinete, venha à pé, mas deixe o carro em casa!

Itinerário da 1ª Volta Ciclistica Integrada (aprox. 20km):

– UDESC
– Madre Benvenuta
– Lauro Linhares
– UFSC (Rótula da Lilian, Biblioteca, Concha Acústica – Reagrupa, Rótula)
– Lauro Linhares
– Mauro Ramos
– Beira Mar
– Trapiche da Beira Mar (evento da UFSC)
– Retorno pela Beira Mar
– Madre Benvenuta (parada bicicleta branca – homenagem)
– UDESC

Venha repensar os espaços urbanos de Florianópolis.
Com ou sem bicicleta, venha com a sua família e amigos!
PARTICIPE!!

SEMANA LIXO ZERO 2013: http://ilzb.org/site/?p=594

Florianopolis 2013-10-20 Volta Ciclistica Integrada e Canasvieiras

Lembramos também que bicicletas dobráveis podem entrar em qualquer ônibus e em qualquer horário.

Escola Bike Anjo

Florianopolis 2013-10-20 EBA

Confirme sua presença pelo Facebook

Parque de Coqueiros recebe mais uma edição da Escola Bike Anjo neste domingo (15).

Voluntários oferecem serviços gratuitos a quem quer aprender a andar de bicicleta ou a se comportar melhor de bicicleta no trânsito

Todo mês os voluntários do Bike Anjo montam sua estrutura no Parque de Coqueiros, em Florianópolis, e ali atendem crianças e adultos interessados em aprender a utilizar ou a tirar melhor proveito de sua bicicleta. Seja como meio de transporte ou só como lazer, os voluntários ensinam de tudo, d…e equilíbrio a noções de mecânica. A Escola Bike Anjo, ou EBA!, acontece todo 3o domingo do mês.

Neste mês de setembro a EBA! acontece no dia 15, das 14 às 18h. Apareça! E se você não possui bicicleta, não tem problema! Os Bike Anjos sempre levam bicicletas-reserva!

Aos domingos também acontece a Ciclofaixa de Domingo, uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Florianópolis que reserva uma faixa da pista à beira-mar, nos bairros Itaguaçu, Coqueiros e Estreito. São 5 km de pista reservada para você e sua bicicleta! Aproveite!

Mais informações:
http://www.bikeanjofloripa.com/
http://www.facebook.com/BikeAnjoFloripa

Charge – Nunca se lembram dos passarinhos

charge - Armandinho DC 2013-08-01

A charge acima, de autoria do cartunista Alexandre Beck, foi publicada na pág. 6 do caderno Variedades do periódico Diário Catarinense de 1º de agosto de 2013. Veja em PDF aqui

Saiba mais:

Charge – Tá tudo congestionado!
Charge – Alternativas ecológicas de transporte
Charge – Armandinho na Pedalada Pelada

Veja também:

Charge – Os Valores do Século XXI
Charge – Andar de bicicleta no mangue é a minha especialidade

Escola promove passeio ciclístico em prol de parque no Pântano do Sul

Neste sábado, estudantes e moradores dos bairros Armação, Açores e Pântano do Sul, de Florianópolis, irão participar de uma série de ações em prol da Semana do Meio Ambiente.

Dois projetos que beneficiariam a população do Sul da Ilha são objeto de estudos e de atenção por parte das associações de moradores e, também das crianças, da Escola Básica Municipal Dilma Lúcia dos Santos. Na sua proposta de promoção da cidadania, a EBM Dilma, como é popularmente conhecida, elegeu dois projetos locais para serem foco durante esta atividade em sua semana ambiental.

No Projeto do Entorno Escolar, uma forma de integração da escola na comunidade em que está inserida, está previsto um “coração gigante” às 13h30 deste sábado, 15 de junho.

Às 14h, inicia-se a caminhada e a pedalada, aberta ao público. Uma boa pedida para os ciclista da cidade, já que hoje não está efetivamente programada a Bicicletada da Lagoa da Conceição.

Por fim, outro “coração gigante”, desta vez pelo Parque Natural do Pântano do Sul está previsto para às 16h. A proposta para a implantação deste parque é uma das mais estudadas e bem estruturadas que chegou ao Ministério do Meio Ambiente, em Brasília. Entretanto, para a sua formalização se faz necessária a anuência do governador do Estado de Santa Catarina, algo que ainda não veio. Apoio dos moradores do entorno, como se vê em mais esta ação, não faltará como motivação ao chefe do Poder Executivo para ele também colaborar para o meio ambiente de Florianópolis.

Falta, entretanto, apenas a caneta.

Florianopolis 2013-06-15 Pantano do Sul

A EBM Dilma fica na SC-406, Rodovia “Seu Chico” Francisco Thomaz dos Santos) nº 6005, na Armação.

Energia solar na bicicleta

Luís Maccarini fez palestra, nesta quinta-feira, 23 de fevereiro, no Fórum Mundial da Bicicleta, sobre o uso da energia solar. Promete, no sábado, mostrar sua bicicleta acoplada com dispositivos que funcionam com base nessa forma de obtenção de energia.

Maccarini afirma que as casas podem produzir energia solar e ligar sua produção ao sistema operado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Uma casa que produz excesso de energia solar, por exemplo, além da economia na conta, pode repassar essa excesso ao sistema. Isso faz com que a caia a demanda de usinas hidroelétricas em determinados momentos do dia, possibilitando o fechamento de comportas, o que permite aumentar o nível dos reservatórios. Esse aumento pode ser usado em situações críticas, quando há grande demanda de energia do sistema, como é o caso do período noturno, do inverno e, principalmente, de seca e estiagem. É uma forma interessante de contribuir para evitar um colapso energético.

Uma placa fotovoltaíca de 1m² gera cerca de 10kW.h/mês. A título de comparação, 2m² podem garantir o consumo de uma geladeira econômica até o fim de sua vida útil.

No Brasil, a instalação de cada watt gerado por energia solar custa cerca de R$10,00. Num país tropical onde não há incentivos, o custo de instalação é coberto entre 15 e 18 anos.

Maccarini faz uma denúncia grave sobre o uso de gerador a diesel por grandes consumidores. No horário de pico, das 19h às 22h, quando a tarifa é diferenciada e 5,8 vezes mais cara, grandes estabelecimentos, como hospitais e shopping centers, estão queimando óleo diesel, muito mais poluente, para não terem que usar o sistema nacional. “Às 18h59 você começa a perceber que as luzes ficam mais fraquinhas, piscam e, depois, voltam ao normal”, afirma.

Além de todas essas vantagens, a energia solar, por ser repassada direto das unidades produtoras (as casas) à linha de transmissão evita a perda de 15% a 20% da energia, que é dissipada durante os processos de transformação e transmissão das hidroelétricas ao sistema.

Uma Beira-Mar Norte melhor

A reportagem abaixo foi originalmente publicada no Jornal Notícias do Dia, edição de Florianópolis, no bíduo 17 e 18 de setembro de 2011 (pág. 4). Você pode também ver a matéria no site do ND aqui.

 (veja em PDF)

A Beira-mar dos sonhos

Parque. Projeto de 20 anos tem resistência para sair do papel

 Se a revitalização da avenida Beira-mar Norte, inaugurada em março, deu novos ares a um dos principais cartões-postais da Capital, imagine a execução do projeto acima? Moderno? Sim. A ideia é transformar a área de beleza privilegiada no Centro da cidade em parque urbano para práticas esportivas e de lazer. Recente? Não. Foi criado em 1993 pela arquiteta Vera Lúcia Gonçalves da Silva, do Ipuf (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis), hoje diretora de Planejamento do órgão. O desafio, passados quase 20 anos, é tirá-lo do papel. Prova de que nem sempre falta planejamento, mas sim execução do que foi planejado.

“A Beira-mar era e continua sendo o ponto mais confortável da cidade para lazer. O projeto era uma antecipação do que mais tarde seria necessário em função do aterro natural da região provocado pelo movimento da maré”, afirma Vera Lúcia. “A intenção era criar faixa de areia suficiente para instalar equipamentos como marina, atracadouro público e privado, quadras de esportes de praia, biblioteca, espaço para feiras e apresentações”, lembra.

“É um sonho que infelizmente não conseguirei realizar no meu governo”, diz o prefeito da Capital, Dário Berger. Segundo ele, projeto dessa natureza pode demandar até quatro anos para obtenção de licenças. Embora não exista orçamento, estima-se que o custo para execução extrapole a capacidade financeira da prefeitura, mas esse não é o maior problema, na avaliação de Berger.

“De dinheiro, após o projeto aprovado, nós corremos atrás. Lamentavelmente ainda há muito preconceito na cidade, fruto do próprio desconhecimento das pessoas”, avalia. “Nós precisamos fazer algo diferente, porque a cidade cresceu, mas ainda não estamos institucionalmente e psicologicamente preparados para um projeto como esse”, relata o prefeito, referindo-se ao que chama de resistência de pessoas e instituições públicas para grandes mudanças na Capital. “A sociedade precisa conhecer o projeto e participar das discussões”, defende Vera Lúcia.

Ilha da Cultura

Para criar a Ilha da Cultura será necessário um grande aterro entre o Beiramar Shopping e o Koxixo’s. Na ilha, haveria um centro de informações turísticas, um farol com visualização em 360° da paisagem local e biblioteca, pontos de atracação de pequenas embarcações, quiosques e restaurantes. O desenho prevê também concha acústica de costas para o Continente. “Assim, o público poderia contemplar o pôr do sol durante uma apresentação”, explica a arquiteta Vera Lúcia.

Ilha da Cultura. Para criá-la é necessário um aterro entre o Beiramar Shopping e o Koxixo’s. Nela haveria centro de informações turísticas, biblioteca, pontos de atracação.

Marina

A proposta é construir uma marina no local onde há um trapiche. Segundo a arquiteta Vera Lúcia, são dois “braços”: um público – porque não se pode impedir o acesso das pessoas – e outro particular. Em um dos braços, poderia ser instalado um restaurante, bar ou café, como opção gastronômica a quem frequentasse o local.

Marina. A proposta é construí-la onde há o trapiche. Segundo a arquiteta Vera Lúcia, são dois “braços”: um público e outro particular.

Esporte e feiras tradicionais

Três quadras para a prática de esportes de praia, como vôlei e futebol, por exemplo. À esquerda, há uma espécie de marco em um terreno circular. Ali poderiam seriam realizadas feiras tradicionais de artesanato e cultura açoriana. À Beira-mar, um pequeno trapiche. A intenção é aproximar a população da água.

Esporte e feiras. Ao centro da imagem, três quadras para esportes de praia. À esquerda, há um marco em um terreno circular para feiras.

Segurança

Em 1993, quando o projeto foi desenvolvido, a Beira-mar Norte ainda tinha característica de Via Expressa, por isso foram colocadas quatro passarelas em toda a extensão da avenida. Hoje, com a instalação de semáforos e faixas de pedestre, a própria arquiteta Vera Lúcia acredita que as passarelas não sejam mais necessárias.

Programa de equipamentos

Aquário Municipal
Concha Acústica
Restaurantes
Quiosques/bares
Trapiches
Plataforma de pesca
Farol da Ilha/Biblioteca
Quadras de esporte
Posto Policial
Coreto
Área para prática de skate
Área coberta para roller (patins)
Play Ground
Ciclovia
Área para Administração do Parque
Área de Estar
Jardins
Área para instalação de equipamentos de feiras (artesanato, antiguidades, etc)

O projeto

* O Parque Urbano da Beira-mar Norte, projeto desenvolvido em 1993, ocuparia uma área de 382 mil metros quadrados e prevê 287 mil metros quadrados de aterro.

* O desenho do aterro já previa a quarta ligação entre Ilha e Continente pela Beira-mar Norte, conforme previsto no Plano Diretor.

* A arborização em toda a extensão é outra marca do projeto.

* Uma das alternativas para a viabilização seria uma PPP (parceria público-privada). Em troca de executar as obras, a iniciativa privada teria a concessão por prazo determinado para explorar atividades comerciais no local.

Maiara Gonçalves

Veja também:

Uma beira-mar sul melhor

Para não esquecer – Ciclovia na Lagoa da Conceição é urgente

A reportagem abaixo foi originalmente publicada no Jornal da Lagoa, na segunda quizena do mês de agosto de 2009. Você pode conferir a reportagem em .png aqui.

Ciclovia é urgente

Movimento. A ciclovia pode ser uma possibilidade de via para transporte

O Movimento Ciclovia da Lagoa Já é o resultado de 12 anos de organização dos moradores do Porto da Lagoa através da AMPOLA (Associação dos Moradores do Porto da Lagoa), pela construção de ciclovias ao redor da orla da Lagoa da Conceição, em especial na Rua Osni Ortiga. Os responsáveis pela direção do movimento são Gilson Ruiz, Luis Amilton Moura Ferro e Daniel Costa.

A Avenida Osni Ortiga, na Lagoa da Conceição, vai ganhar ciclovia e passeios para pedestres. As obras de revitalização devem custar cerca de R$ 1 milhão e o projeto nal será apresentado para os moradores da Capital no dia 5 de setembro.

A ciclovia Rota 9 terá uma extensão de 3,2 quilômetros, sendo dois de vias exclusivas para bicicletas e 1,2 quilômetro de via compartilhada de baixa velocidade. A faixa vai ligar a Avenida das Rendeiras, principal acesso às praias do Leste de Florianópolis, ao Rio Tavares, na região Sul.

O Poder público decide construção

O vice-prefeito e secretário de Transportes, Mobilidade e Terminais, João Batista Nunes, e o secretário de Obras, José Nilton Alexandre, reuniram-se com representantes comunitários da região da Lagoa da Conceição para discutir a obra de revitalização da avenida Osni Ortiga. O encontro aconteceu no gabinete do vice e contou ainda com a presença do vereador Renato Geske (PR) e técnicos do IPUF (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis), órgão responsável pela elaboração do projeto final.

Segundo Gilson Ruiz, ainda não foi decidido nada na audiência de 5 de agosto. “A verba já esteve programada no orçamento, mas na hora da execução é direcionada para outras necessidades. A Ampola já entregou abaixo assinado e uma cópia do anteprojeto nas mãos do prefeito”, diz o militante.

União. Bicicletada já é tradicional. Foto: Jonatha Junge/Divulgação/JL.

O projeto para construção da ciclovia já existe há 15 anos e não é isolado. A Lagoa da Conceição é o segundo cartão postal de Florianópolis, cando atrás somente da ponte Hercílio Luz. O bairro não tem um passeio decente, com iluminação ou segurança na orla.

A ciclovia pode ser um meio de transporte. A Lagoa é um centro comercial, com mão-de-obra, estudantes, escolas. O projeto da ciclovia vai além do lazer. Com a ciclovia é possível levar as crianças à escola. Os carros estão invadindo as ruas. Todo o planejamento da cidade está em função do carro, o programa Tapete Preto visa favorecer somente o carro. “É uma tentativa de inverter a visão, humanizando o transporte. Florianópolis tem potencial para construção de ciclovias, encher a capital de estradas não adianta nada”, diz Luiz Moura.

Para o movimento a luta é muito ampla. Quem anda de bicicleta pode usar para trabalhar ou para o lazer, passeio e não favorece nenhuma classe social. Até mesmo cadeirantes podem usar o espaço ou pais com seus
carrinhos de bebê.

Projeto prevê instalação de lombadas eletrônicas

Outra preocupação tratada no encontro foi a segurança e a velocidade dos veículos na avenida. De forma emergencial, a Secretaria dos Transportes se comprometeu a viabilizar a colocação de placas de trânsito estabelecendo 60 Km/h como velocidade máxima.

É preciso mobilizar a comunidade para pressionar as autoridades para que forneçam uma resposta. O movimento Ciclovia na Lagoa Já é apartidário, mas não é apolítico. Todo o segundo sábado de cada mês é realizado o bicicletaço. Dia 26 de setembro irá acontecer o passeio ciclístico da Primavera. Venha, participe!

Saiba mais:

Os avanços da ciclovia
Audiência Pública na Lagoa
Projeto da Ciclovia da Rua Osni Ortiga
Projeto da Ciclovia
Florianópolis implantará ciclovia na Lagoa
A reunião com os secretários da Prefeitura
A audiência pública na AMPOLA

Veja também:

Veja como foi o primeiro Passeio Ciclístico da Lagoa.

Relatos:

Bicicleta na Rua
Jornal da Lagoa
Jornal Notícias do Dia
Movimento Ciclovia na Lagoa Já

Fotos:

Ana Carolina Vivian
Caminhos do Sertão
Ciclista Fabiano

Vídeos:

Bicicleta na Rua
Daniel de A. Costa
Lagoa Virtual
Patrola – RBS TV/Globo

Problemática:

Bicicleta na Rua
Caminhos do Sertão
Jornal da Lagoa
Jornal Notícias do Dia
Movimento Ciclovia na Lagoa Já

Ciclistas viajarão de Florianópolis a Santiago para mostrar eficiência da bicicleta

A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição impressa do periódico Diário Catarinense em 17 de dezembro de 2009 (pág. 38). Você pode ver a matéria no site do DC aqui.

ECOTRANSPORTE

De magrela até o Chile

Ciclistas vão pedalar de Floripa a Santiago em 40 dias e registrar tudo em um documentário

A ideia surgiu de repente: – Sabe quando você acorda e diz: “Vou fazer uma viagem de Floripa a Santiago do Chile; e de de Bicicleta!”. Com o desafio na cabeça, Rossano Pio, 25 anos, encontrou mais cinco jovens interessados. Depois de quase um ano de preparação, eles iniciam hoje a aventura. Serão mais de três mil quilômetros de estrada, procurando personagens, histórias e a cultura dos lugares por onde vão passar. Tudo será contado em um documentário.

Após ter a ideia, Rossano conversou com o amigo Lucio Consul, 23, que topou fazer a viagem. João Gabriel, 19, conheceu a dupla em um bar e também ficou empolgado.

– João disse que conheceu dois caras que iam para o Chile. Ele disse: “Vamos?”. Eu disse: “Vamos” – lembrou Caio Nascimento, 20 anos.

Em seguida encontraram Gesiel Pereira, 23.

– Eu disse que era loucura, que não ia dar. Mas vou junto.

A formação do grupo aconteceu em janeiro. Iriam de qualquer jeito, mesmo com pouco dinheiro.

Rossano, Geisel, Caio, Lúcio e mais dois jovens começam hoje a traçar os três mil quilômetros de estrada. Foto: Diário Catarinense.

Eles foram ousados, apresentaram um projeto à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde estudam, e conseguiram um financiamento. Com R$ 10,1 mil eles vão até o Chile de bicicleta, mas voltam de ônibus. Eles vão produzir um documentário mostrando que a bicicleta é um meio sustentável de transporte.

Embora não esteja no projeto, um outro jovem embarcou na aventura. Fabrício Coelho, 30, pediu e foi aceito no grupo. Mas os recursos ficarão por conta dele.

(veja em .pdf)

Maurício Frighetto

Saiba mais:

Floripa-Santiago – culturas e sustentabilidade – acesse o site do projeto.

top-posts_wordpress

Domingo é dia de pedalar também em Blumenau

A Associação Blumenauense Pró-Ciclovias (ABC Ciclovias) está promovendo o 4º Pedal Ecológico Infanto-Juvenil neste domingo, 13 de dezembro. A concentração começará a partir das 7h, na Praça do Estudante, em frente à prefeitura. O pedal em si tem início às 8h e contará com auxílio da Guarda de Trânsito. Será feito em ritmo leve e passará pelas ruas do centro e um córrego onde os participantes poderão se banhar.

Mais informações no Jornal de Santa Catarina e no site da ABC Ciclovias.

Bonde Bike Jurerê

Vai acontecer amanhã, dia 8 de agosto, o Bonde Bike Jurerê, um passeio ciclístico pelo bairro de mesmo nome, como parte das atrações do 1º Festival de Inverno do Norte da Ilha. A concentração será no Il Campanario Villaggio Resort, em Jurerê Internacional, a partir das 14h. As inscrições para o passeio, gratuitas, serão feitas na hora. É necessário a utilização de equipamento de segurança e menores de 15 anos deverão estar acompanhados por um responsável.

Durante a concentração e a dispersão deverão ocorrer atividades como massagens, fitness, aquecimento, alongamento e apresentações artísticas. Durante o passeio, que sairá às 15h e percorrerá 6,5km, haverão paradas para a realização de atividades de cunho ambiental, tais como caminhada ecológica, multirão de limpeza, revitalização da orla e plantio de mudas. Essas atividades acontecerão de maneira diferente em cada uma das “bonde stop”, os pontos de parada. Na volta, haverá ainda sorteio de brindes.

Durante o percurso, a idéia é que os ciclistas pedalem próximo, formando um verdadeiro comboio, bonde ou massa crítica.

Percurso

Da concentração no Il Campanario seguir-se-á pela Av. dos Búzios até o Clube Doze de Agosto. Dali, irá se retornar pela mesma avenida até a Av. das Lagostas, passando pela Av. dos Dourados até pouco antes da Rod. Maurício Sirotski Sobrinho (SC-402). A volta será pela Av. dos Dourados, R. das Algas e Av. dos Búzios até o Il Campanario. Veja o mapa no Bikely ou no Google Maps.

Mais informações estão disponíveis em bondebikejurere.blogspot.com.

Outras pedaladas

No sábado, no mesmo horário, haverá a Bicicletada da Lagoa da Conceição, saindo do Porto da Lagoa.

Em Canasvieiras, a pedalada até Ponta das Canas que aconteceria no sábado às 10h não irá se realizar. O evento também faria parte do Festival da Inverno do Norte da Ilha.

Veja também:

Festival de Inverno do Norte da Ilha promove Passeio Ciclístico – matéria da Revista Making Of fala sobre o Bonde Bike e o Festival.

%d blogueiros gostam disto: