Em dia de Ironman, ciclistas sofrem com violência no trânsito

Ciclista foi atropelada por motorista bêbado enquanto outro levou “tapetada”

Enquanto dois mil atletas percorriam os mais de 200km total do Ironman, prova de triatlo realizada neste domingo, 27 de maio, em Florianópolis, ciclistas urbanos sofreram episódios que demonstram bem a violência gratuita que os ciclistas sofrem nas rodovias catarinenses.

Logo pela manhã, a ciclista Ana Carolina Vivian pedalava com dois rapazes para assistir à largada da prova quando foi atingida por uma moto, conduzida sem habilitação por um motorista embriagado. Segundo informações não confirmadas, o acidente aconteceu na SC-401, próximo ao trevo de Jurerê. O motoqueiro foi encaminhado à delegacia, de onde já foi liberado. Dia 26 acontecerá a primeira audiência sobre o caso e o condutor da moto deve ser indiciado por homicídio doloso, quando há intenção matar. Ana Carolina teve apenas machucados leves.

Lá perto, na mesma SC-401 Rodovia Tertuliano Brito Xavier, entre Canasvieiras e Jurerê, Audálio Marcos Vieira Junior foi atingido por uma “tapetada” dada por um dos ocupantes de carro prata de placa MFJ 4206. Audálio já registrou um boletim de ocorrência e aguarda o prosseguimento do caso.

Tanto Ana Carolina quanto Audálio são ativistas da bicicleta conhecidos em Florianópolis.

Gostinho catarinense

Pouca gente sabe, mas a vitória do argentino Ezequiel Morales no Ironman teve um gosto especial para alguns catarinenses. O atleta é patrocinado pela 3T Triathlon, loja de materiais esportivos de Criciúma.

Atualizado em 30 de maio de 2012, às 15h43min.

Motoqueiro acidenta ciclista que ia assistir à largada do Ironman, em Florianópolis

As informações aqui são preliminares.

Um motociclista bêbado atingiu neste domingo uma garota que ia de bicicleta com amigos assistir à largada da prova de triatlo do Ironman, em Florianópolis. Ana Carolina Vivian sofreu apenas ferimentos leves, enquanto seus amigos, o namorado André Costa e Maurício, um cicloturista que se encontra na capital catarinense, nada sofreram.

O motociclista estava embriagado e, segundo a polícia, não possuía carteira de habilitação. Ele já foi liberado.

Ana Vivian e André estavam planejando viajar de bicicleta pela América do Sul. A viagem de ambos iria começar semana que vem. O casal é conhecido no meio cicloativista catarinense. Com a sua bicicleta, André foi o vencedor do último Desafio Intermodal de Florianópolis, realizado no ano passado. Ana Vivian também venceu esse mesmo desafio do trânsito em 2009, ganhando de automóveis, ônibus e motos usando uma bicicleta com cestinha, mostrando o quão eficiente pode ser o uso da bicicleta na cidade.

Falta, entretanto, investimento em infraestrutura, fiscalização e educação.

Bicicletadas em Florianópolis em homenagem aos ciclistas mortos no trânsito

Manifestações serão em homenagem aos ciclistas Hector Galeano e Emílio Delfino Carvalho de Souza, mortos no trânsito por motoristas embriagados.

Confirme sua presença no Facebook:
MOBILIZAÇÃO POR MAIS SEGURANÇA E MENOS MORTES NA ILHA DE SC! 


Saiba mais:

SC-401, a Rodovia da Morte para ciclistas – Reportagem do Jornal Notícias do Dia revela a preocupação com a circulação de bicicleta na rodovia estadual mais movimentada de Santa Catarina.
Notas sobre a reunião pelo fim da impunidade no trânsito – Sociedade civil, mobilizada, divulga novas informações sobre o acidente.
(Vídeo) Acidente na SC-401 no RBS Notícias – Conteúdo da RBS TV SC.
Acorda Floripa! – Depoimento do triatleta André Puhlmann, que estava pedalando próximo ao local do acidente.
Vídeo e mais comentários sobre a entrevista acerca dos ciclistas atropelados na SC-401 – Conteúdo comentado do Jornal do Almoço.
Mais um ciclista morre na SC-401  – Divulgação do último acidente no Jornal Notícias do Dia.
Dois exemplos de por que devem ser feitas ciclovias em vez de ciclofaixas nas rodovias – Nota sobre o acidente com Hector Cesar Galeano.
SC-401 oferece ainda mais riscos aos ciclistas neste verão – A liberação consentida da Polícia Militar Rodoviária para automóveis usarem o acostamento coloca em risco a vida de ciclistas.
Ciclistas mortos na Grande Florianópolis após a vigência da Lei Seca – Relação, infelizmente já desatualizada, dos ciclistas que morreram atropelados na região.
A rodovia das mortes – Quando ciclistas são assassinados – Conteúdo do Bicicleta na Rua já previa, em 2009, que mais acidentes como os deste fim-de-semana aconteceriam se não houvesse um redirecionamento dos investimentos e das prioridades.
Bicicletas-fantasmas em Florianópolis para o mundo saber – As primeiras ghost bikes da Grande Florianópolis são divulgadas para o mundo. A cidade foi a terceira cidade brasileira a contar com essa homenagem.

Veja também:

Charge – Pedalando com segurança na SC-401
Comentários e impressões sobre a entrevista sobre o acidente com ciclistas no Jornal do Almoço – Primeira parte dos comentários sobre o vídeo do Jornal do Almoço.

(Vídeo) Acidente na SC-401 no RBS Notícias

Conteúdo exibido originalmente no RBS Notícias, da RBS TV SC,  em 6 de fevereiro de 2012. Assista aqui à reportagem no site.

Matéria sobre o atropelamento de Nicolas Paolo Zanella e Emílio Delfino Carvalho de Souza, na SC-401, em Florianópolis.

Saiba mais:

Acorda Floripa! – Depoimento do triatleta André Puhlmann, que estava pedalando próximo ao local do acidente.
Vídeo e mais comentários sobre a entrevista acerca dos ciclistas atropelados na SC-401 – Conteúdo comentado do Jornal do Almoço.
Comentários e impressões sobre a entrevista sobre o acidente com ciclistas no Jornal do Almoço – Primeira parte dos comentários sobre o vídeo do Jornal do Almoço.
Mais um ciclista morre na SC-401  – Divulgação do Jornal Notícias do Dia.

Veja também:

Ciclistas mortos na Grande Florianópolis após a vigência da Lei Seca – Relação, infelizmente já desatualizada, dos ciclistas que morreram atropelados na região. O falecimento anterior ocorreu em janeiro em ciclofaixa recém-inaugurada na mesma SC-401.
Motorista embriagado que matou ciclista no Jurerê vai a júri popular – Moacir Pereira divulga o andamento do processo do triatleta Rodrigo Machado Lucianetti.
A mobilidade na Ilha – Editorial do Diário Catarinense fala sobre a SC-401 e a mobilidade.
A rodovia das mortes – Quando ciclistas são assassinados – Conteúdo do Bicicleta na Rua já previa, em 2009, que mais acidentes como os deste fim-de-semana aconteceriam se não houvesse um redirecionamento dos investimentos e das prioridades.

Sentimento extravasado

Nesta sexta-feira, em meio à Bicicletada Floripa, deparamo-nos com o Roberto Lemos, da IronMind, equipe da qual já cheguei a participar e pela qual estavam treinando os triatletas Rodrigo Lucianetti Machado e Marcelo Occhialini Godoy, quando um guri praticamente da minha idade, embrigado, atingiu-os no acostamento na pista contrária, causando a morte de Rodrigo e graves sequelas ao Marcelo.

Semana passada, o caso foi à frente. Abordei um ciclista com a camisa da IronMind na ciclovia da Av. Beira-Mar Norte no mesmo momento em que acontecia uma audiência sobre o caso. Alguns minutos depois, alguém me passa um celular mostrando a mensagem abaixo.


De fato, os ânimos exaltados não deixam de expressar uma sensação de alívio e, quiçá, o fim da impunidade para os crimes de trânsito que tanto fazem temer aqueles que fazem da bicicleta seu meio de vida, de lazer e/ou de locomoção.

Saiba mais:

Motorista embriagado que matou ciclista no Jurerê vai a júri popular – Moacir Pereira divulga o andamento do processo.
Para não esquecer – Primeira ghost bike de Florianópolis – reportagem do Diário Catarinense, versão impressa, sobre a Passeata pela Vida.
Começa julgamento do jovem embriagado que assassinou triatleta após Lei Seca – o Jornal Notícias do Dia alerta sobre a primeira audiência do caso em questão.
Ato pede segurança para ciclistas – vídeo do programa SC no Ar.
Passeata faz homenagem a triatleta morto ao ser atropelado por motorista bêbado – reportagem do Diário Catarinense sobre a Passeata pela Vida.
Motorista embriagado provoca morte de ciclista em Florianópolis – reportagem do Diário Catarinense sobre a tragédia dos ciclistas.
Papo no Deinfra: sobre bicicletas em acostamento e o caso de Jurerê – conteúdo do Bicicleta na Rua mostra que se pensava em retirar as bicicletas-fantasmas dos locais onde foram instaladas.

Veja também:

Ciclistas mortos na Grande Florianópolis após a vigência da Lei Seca – relação, infelizmente já desatualizada, dos ciclistas que morreram atropelados na região. O caso em questão inaugura a lista. O último falecimento ocorreu neste mês em ciclofaixa recém-inaugurada.

Motorista embriagado que matou ciclista no Jurerê vai a júri popular

Notícia publicada no blogue do Moacir Pereira em 19 de janeiro de 2012, às 16h41, que pode ser vista também neste link.

A sentença de pronúncia proferida em Ação Penal Pública ajuizada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) contra Thiago Luiz Stabile, por homicídio consumado e por tentativa de homicídio, foi mantida pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. A sentença de pronúncia determina o julgamento do réu perante o Tribunal do Júri. Thiago é acusado de, sob efeito de álcool, atropelar dois ciclistas, tendo causado a morte de um dele. A denúncia apresentada pela 36ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital narra que, em agosto de 2008, Thiago conduzia seu automóvel em alta velocidade na Rodovia SC-402, no sentido Centro-Jurerê, quando, nas proximidades do clube “El Divino”, passou para a pista contrária, atropelou e matou Rodrigo Machado Lucianetti e causou lesões corporais graves em Marcelo Occhialini Godoy.

Consta na denúncia do Ministério Público que o acusado tentou fugir do local, mas não conseguiu em função dos danos sofridos em seu automóvel. No momento em que foi abordado pela Polícia Militar, o teste de alcoolemia de Thiago revelou a concentração de 0,73 mg/l de álcool por litro de ar expelido nos pulmões.

A defesa apelou para tentar reverter a pronúncia, ao argumento de que não houve apreciação de suas teses, entre elas a de abuso de poder dos policiais que algemaram o réu, além do fato de o juiz sentenciante não ser o mesmo que presidiu a instrução dos autos. Requereu, ainda, a absolvição sumária ou, em último caso, a desclassificação dos crimes para homicídio não intencional. Todos os itens foram rechaçados pela câmara.

“A existência de indícios consistentes, apontando o acusado como autor do delito, é suficiente para autorizar o envio do feito à sessão plenária do júri”, disse o desembargador Carlos Alberto Civinski, relator do recurso. Para ele, “é incabível a absolvição sumária, fundada na alegação de [ausência] de embriaguez, uma vez que há indícios de autoria diante dos depoimentos colhidos dos policiais militares que realizaram o flagrante e de testemunhas que presenciaram a abordagem policial, além do teste de alcoolemia realizado logo após os fatos”. Cabe recurso da decisão.

Saiba mais:

Para não esquecer – Primeira ghost bike de Florianópolis – reportagem do Diário Catarinense, versão impressa, sobre a Passeata pela Vida.
Começa julgamento do jovem embriagado que assassinou triatleta após Lei Seca – o Jornal Notícias do Dia alerta sobre a primeira audiência do caso em questão.
Ato pede segurança para ciclistas – vídeo do programa SC no Ar.
Passeata faz homenagem a triatleta morto ao ser atropelado por motorista bêbado – reportagem do Diário Catarinense sobre a Passeata pela Vida.
Motorista embriagado provoca morte de ciclista em Florianópolis – reportagem do Diário Catarinense sobre a tragédia dos ciclistas.
Papo no Deinfra: sobre bicicletas em acostamento e o caso de Jurerê – conteúdo do Bicicleta na Rua mostra que se pensava em retirar as bicicletas-fantasmas dos locais onde foram instaladas.

Veja também:

Ciclistas mortos na Grande Florianópolis após a vigência da Lei Seca – relação, infelizmente já desatualizada, dos ciclistas que morreram atropelados na região. O caso em questão inaugura a lista. O último falecimento ocorreu neste mês em ciclofaixa recém-inaugurada.

Dirigir bêbado é crime, decide Supremo Tribunal Federal

Direção e álcool

STF nega pedido de liberdade a motorista preso em Minas e reafirma Lei Seca.

Embriaguez e volante: acidente com Honda Civic integra uma lista que inclui pelo menos outras seis colisões envolvendo motoristas alcoolizados neste ano.

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou que dirigir com concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a seis decigramas é crime, mesmo que o motorista não cause danos a outras pessoas. No dia 27 de setembro, a 2ª Turma do STF negou o habeas corpus a um motorista de Araxá (MG), denunciado em 2009 por dirigir embriagado.

Apesar de o crime estar previsto no artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro, o juiz de primeira instância absolveu o motorista por considerar inconstitucional o dispositivo, alegando que se trata de modalidade de crime que só se consumaria se tivesse havido dano, o que não ocorreu.

O STF, contudo, negou por unanimidade o pedido da Defensoria Pública que reivindicava o reestabelecimento da decisão inicial. O relator do habeas corpus, ministro Ricardo Lewandowski, afirmou ser irrelevante se o comportamento do motorista embriagado atingiu ou não alguém.

“É como o porte de armas. Não é preciso que alguém pratique efetivamente um ilícito com emprego da arma. O simples porte constitui crime de perigo abstrato porque outros bens estão em jogo. O artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro foi uma opção legislativa legítima que tem como objetivo a proteção da segurança da coletividade”, afirmou Lewandowski.

De acordo com o artigo 306, quem conduz veículo com concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior ao permitido pode ter pena de seis meses a três anos de prisão, multa e suspensão da habilitação.

Fonte: Veja, 03 de novembro de 2011, às 14h54min.

Para não esquecer – Primeira ghost bike de Florianópolis

Vasculhando o site do Diário Catarinense, encontrei esta reportagem, publicada na edição impressa do periódico em 11 de dezembro de 2008 (pág. 21 – leia aqui no site do DC).  Depois de Rodrigo Lucianetti, cerca de 10 ciclistas perderam a vida na região da Grande Florianópolis, vítimas de crimes de trânsito. A fim de não esquecermos a violência a que os ciclistas, desprotegidos de carapaças metálicas, estão expostos frente à imprudência no trânsito, divulgamos a matéria, bem como torçamos para que a justiça puna severamente o envolvido, contribuindo, assim, para que casos semelhantes não venham a ocorrer no futuro. Saudações à família do Rodrigo.

Trânsito

Silêncio e bicicleta para lembrar vítima

Os participantes da passeata, ocorrida sábado à tarde, em homenagem ao triatleta e engenheiro Rodrigo Lucianetti, atropelado e morto no último dia 3, preferiram não fazer discursos. No local do acidente, na Rodovia Mauricio Sirotsky Sobrinho, em Jurerê, no Norte de Florianópolis, ergueram uma bicicleta branca, pintaram uma estrela no asfalto e rezaram. Depois, alguns de bicicleta, muitos a pé, retiraram-se.

A bicicleta branca, também conhecida como “bicicleta fantasma”, é um sinal internacional que indica locais onde ciclistas morreram. A demonstração reuniu cerca de 80 pessoas de bicicleta e 250 a pé. Parte dos ciclistas era da Iron Mind, equipe de triatlo da qual Lucianetti era integrante. Quase todos trajavam camisetas brancas com a foto dele e os dizeres “Mais vida. Mais respeito. Não podemos perder outra vida”, também presente nas faixas que eram carregadas. O mesmo policial militar que atendeu a ocorrência do atropelamento, por volta das 7h45min do domingo da semana passada, ajudou na escolta da passeata e a controlar o trânsito. Durante a passeata, o tráfego chegou a ficar parado por cerca de 10 minutos e formou-se fila de aproximadamente 50 metros.

Passeata homenageou atleta atropelado por condutor embriagado da Capital. Foto: Guto Kuerten.

O agrupamento reuniu-se a partir das 14h no restaurante Taikô, em Jurerê. Como ficava a quatro quilômetros de distância do lugar, os que foram a pé dirigiram-se primeiro. Os ciclistas saíram pouco depois do Taikô e todos encontraram-se perto da Estação Ecológica de Carijós.

Ex-professores, incluindo reitor da UFSC, participaram

Além da família, amigos e colegas de trabalho, ex-professores também compareceram à homenagem, entre eles o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Álvaro Prata, que deu aula para Lucianetti no curso de Engenharia Mecânica.

Lucianetti foi atropelado enquanto treinava para a etapa do IronMan, que será disputado em setembro.

O outro ciclista que pedalava com ele no momento do acidente, Marcelo Occhialini, 37, sofreu fraturas na perna e no braço esquerdo e passou por cirurgia. Segundo a Polícia Militar Rodoviária, o teste do bafômetro comprovou que Thiago Luiz Stabile, 21, condutor do Gol que atingiu os dois, estava embriagado. O rapaz foi preso e responde por homicídio doloso.

Foto: Guto Kuerten.

Saiba mais:

Brechas na legislação favorecem crimes de trânsito – editorial do Diário Catarinense aborda relação entre a Lei Seca, a justiça, a imprudência dos motoristas e a violência no trânsito.
Começa julgamento do jovem embriagado que assassinou triatleta após Lei Seca – o Jornal Notícias do Dia alerta sobre a primeira audiência do caso em questão.
Mais rigor no trânsito – artigo de Clarissa Homsi mostra as tendências do Judiciário no tratamento às infrações de trânsito.
A rodovia das mortes – Quando ciclistas são assassinados – matéria do Bicicleta na Rua aborda o descaso das autoridades públicas estaduais para a situação que ciclistas e pedestres enfrentam na SC-401.
Bicicletas-fantasmas em Florianópolis para o mundo saber – as homenagens aos ciclistas falecidos na Grande Florianópolis chegaram ao site internacional Ghostbikes.org.
Papo no Deinfra: sobre bicicletas em acostamento e o caso de Jurerê – conteúdo do Bicicleta na Rua mostra que se pensava em retirar as bicicletas-fantasmas dos locais onde foram instaladas.
Passeata faz homenagem a triatleta morto ao ser atropelado por motorista bêbado – conteúdo on line do Diário Catarinense sobre a Passeata pela Vida.
Motorista embriagado provoca morte de ciclista em Florianópolis – conteúdo on line do Diário Catarinense sobre a tragédia dos ciclistas.

Começa julgamento do jovem embriagado que assassinou triatleta após Lei Seca

A reportagem abaixo foi originalmente publicada no Jornal Notícias do Dia, versão da Grande Florianópolis, em 8 de maio de 2009. O único pequeno deslize foi corrigido no próprio texto.

Notícias do Dia - logo

Ciclistas atropelados.

Começa a batalha jurídica

Com a alegria de quem sabe dar valor à vida, o triatleta Marcelo Occhialini Godoy já voltou a nadar e a correr, mas ainda não treina de bicicleta, pois não consegue apoiar o braço no guidão. Ele não está totalmente recuperado das fraturas expostas que sofreu no braço e na perna direita, na manhã do dia 3 de agosto de 2008, ao ser atropelado por um motorista embriagado quando pedalava na SC-401 SC-402, em Jurerê Internacional, junto de seu amigo Rodrigo Lucianetti, que morreu no local aos 31 anos. Na próxima segunda-feira, às 14h, começa uma batalha jurídica, com a demarcação da primeira audiência criminal.

Godoy espera que o acusado Thiago Luiz Stabile, 21 anos, seja penalizado. “Bebeu e pegou o volante: tem de assumir as conseqüências. No acidente nem nos deu assistência, só não fugiu porque o carro dele não estava em condições de uso. Em nenhum momento entrou em contato comigo e com a viúva para pedir desculpas”, denuncia a vítima. O triatleta também critica a defesa do acusado que, segundo ele, chega a insinuar que os próprios ciclistas atropelaram o veículo.

Para pedir agilidade na decisão do caso e punição para o autor do acidente, será realizada uma manifestação pública, às 12h30, em frente ao Fórum da Capital. “Marcamos com toda a turma do triathlon, Ironman, amigos e parentes. Vamos levar cartazes para não deixar passar em branco esse crime”, garante Godoy.

Embriaguez ao volante

Quando ocorreu o acidente, 0s amigos treinavam para o Ironman 70.3, disputado em setembro em Penha, Litoral Norte. O teor alcoólico de Stabile, que estava com um veículo Gol, com placa de Rio do Sul, foi constatado por bafômetro. Se o jovem for condenado por homicídio doloso, como deseja a acusação, pode pegar de seis a 20 anos de reclusão devido ao crime de homicídio consumado; de seis anos de detenção por tentativa de homicídio e de seis a três anos por embriaguez ao volante.

Saiba mais:

Mais rigor no trânsito – artigo de Clarissa Homsi mostra as tendências do Judiciário no tratamento às infrações de trânsito.
A rodovia das mortes – Quando ciclistas são assassinados – matéria do Bicicleta na Rua aborda o descaso das autoridades públicas estaduais para a situação que ciclistas e pedestres enfrentam na SC-401.
Bicicletas-fantasmas em Florianópolis para o mundo saber – as homenagens aos ciclistas falecidos na Grande Florianópolis chegaram ao site internacional Ghostbikes.org.
Papo no Deinfra: sobre bicicletas em acostamento e o caso de Jurerê – conteúdo do Bicicleta na Rua mostra que se pensava em retirar as bicicletas-fantasmas dos locais onde foram instaladas.
Passeata faz homenagem a triatleta morto ao ser atropelado por motorista bêbado – reportagem do Diário Catarinense sobre a Passeata pela Vida.
Motorista embriagado provoca morte de ciclista em Florianópolis – reportagem do Diário Catarinense sobre a tragédia dos ciclistas.

%d blogueiros gostam disto: