Morte no Santa Mônica poderia ter sido evitada. Ghost bike será instalada hoje.

A reportagem abaixo foi publicada na edição impressa do periódico Diário Catarinense, de quarta-feira, 05 de setembro de 2012. Você pode lê-la também no site do DC aqui ou no do Hora de Santa Catarina aqui. Veja em PDF.

PROTESTO EM BRANCO

Representante dos usuários de ciclovias da Grande Florianópolis, Daniel Costa conclui a pintura da bicicleta que será colocada no local onde morreu um ciclista, na Capital. Foto: Daniel Conzi.

MOBILIDADE URBANA

Sem ciclovias, sem uma vida

Enquanto IPUF e incorporadora não chegam a um acordo para criar faixa, ciclista sofre acidente fatal no último dia de trabalho.

A morte de um ciclista na Avenida Madre Benvenuta, em Florianópolis, na última sexta-feira, aconteceu em um local onde deveria existir uma ciclovia, conforme o Termo de Ajustamento de Conduta assinado pela incoporadora que construiu o Shopping Iguatemi.

Devido a esse acidente, a sexta bicicleta fantasma será instalada em Florianópolis nesta quarta-feira, às 19h30min. Criado em 2003, nos Estados Unidos, o movimento se espalhou pelo mundo, colocando bicicletas brancas onde ciclistas sofrem acidentes fatais.

O homenagem será em memória a José Lentz Neto, ciclista que foi atropelado a poucos metros da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), onde foi servidor por 42 anos. Aos 60 anos, Lentz voltava para casa depois de seu último dia de trabalho. Tinha acabado de se aposentar. Ele era técnico-administrativo de Desenvolvimento e trabalhava na Central de Documentação. Segundo a filha Amanda, que estuda na Udesc, ele fez uma cirurgia de redução de estômago há alguns anos e começou a andar de bicicleta em busca de qualidade de vida.

José ia de bicicleta para a Udesc. Foto: Arquivo pessoal.

A discussão entre ciclovia e ciclofaixa

Daniel de Araújo Costa, presidente da Associação de Ciclousuários da Grande Florianópolis (Viaciclo), participou da organização de uma bicicletada, que será realizada antes após a colocação da bicicleta fantasma.

Chamada de Ride of Silence, passeio do silêncio, em tradução literal, o protesto tem o objetivo de cobrar a construção da ciclovia (com meio-fio para proteção dos ciclistas) na Madre Benvenuta, como proposto quando o Shopping Iguatemi foi construído. A incorporadora Pronta, maior acionista do shopping, assinou um Termo de Ajustamento de Conduta se comprometendo a construir ciclovia e ciclofaixa. Segundo o advogado da Pronta, Alexandre Araújo, o problema é que o termo de compromisso prevê a construção de ciclofaixa (com pintura indicando trânsito de bicicletas), e o Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf) entendeu que no local seria construída uma ciclovia.

— É um local onde o metro quadrado é muito caro. Para fazer uma ciclovia seria preciso desapropriar terrenos, alterar calçadas, é uma obra de milhões e não é o que nos comprometemos a fazer — disse Alexandre.

Daniel de Araújo Costa, da ViaCiclo, pintou de branco a bicicleta fantasma que será instalada hoje, na Capital, em homenagem a José Lentz Neto. Foto: Daniel Conzi.

Processo vem desde 2006

O shopping foi inaugurado em 2006, desde então o processo sobre a ciclovia tramita na Justiça Federal. Enquanto isso, acidentes no local somam-se às estatísticas.

Segundo o Ipuf, o acordo feito com o Shopping Iguatemi, em audiência pública realizada em 2008, quando o processo corria na Justiça, é que o projeto realizado seria elaborado pelo Ipuf e pago pelo shopping. Conforme o instituto, mesmo sem alterações no trânsito da Madre Benvenuta, 400 metros de ciclovia já poderiam ter sido feitos, incluindo o trecho vizinho da Udesc, onde ocorreu o acidente fatal, e o trecho que foi feito, na Avenida Beira-Mar.

Conforme o instituto, existem fatores no projeto do Ipuf que encarecem o projeto, como iluminação e canteiros, mas o trecho de 300 metros entre a Udesc e o posto Petrobras já poderia ter ciclovia, não é necessária nenhuma modificação no trânsito para essa parte da obra. Desde o início de 2012, segundo a Polícia Rodoviária Militar, no Estado foram registrados 90 acidentes envolvendo ciclistas, 20 fatais.

Opinião DC

A implantação da ciclovia na Av.Madre Benvenuta , se foi prometida, precisa ser executada. Segundo acordo firmado com a municipalidade, a ciclovia seria de responsabilidade do shopping Iguatemi. Mas uma questão semântica (ciclovia ou ciclofaixa), com argumentos técnicos , está transformando a celeuma, na verdade, num jogo de empurra que envolve o Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF). A burocracia lerda pode ser tão letal quanto o trânsito violento. O poder público e o setor privado precisam se unir para parar de contabilizar mortos.

Roberta Ávila

Saiba mais:

Bicicletada Floripa de agosto homenageia ciclista morto em local que deveria ter ciclovia há 6 anos
Ciclista morre após ser atropelado por moto no bairro Santa Mônica, em Florianópolis

Em 48 horas, dois ciclistas morreram no trânsito de Florianópolis

Veja também:

“Espero que a ghost bike em homenagem a ele tenha sido a última”, diz nora de ciclista atropelado em ciclofaixa em Canasvieiras – O desejo da família de Hector Galeano não se realizou.
Florianópolis foi a primeira cidade da América do Sul a ter duas bicicletas-fantasmas instaladas em apenas um final de semana – A ghost bike de Hector Cesar Galeano foi a segunda do final de semana.
Mais de duzentas pessoas comparecem à homenagem a ciclista morto na SC-401, neste sábado – Cobertura do Bicicleta na Rua sobre a bicicleta-fantasma na SC-401 em homenagem a Emílio Delfino Carvalho de Souza.
Florianópolis terá duas Bicicletadas neste fim de semana – Divulgação oficial da Mobilização por mais segurança e menos mortes na Ilha de Santa Catarina.
Dois exemplos de por que devem ser feitas ciclovias em vez de ciclofaixas nas rodovias – Nota sobre o acidente com Hector Cesar Galeano
Ciclistas mortos na Grande Florianópolis após a vigência da Lei Seca – Relação, infelizmente já desatualizada, dos ciclistas que morreram atropelados na região.
Bicicletas-fantasmas em Florianópolis para o mundo saber – As primeiras ghost bikes da Grande Florianópolis são divulgadas para o mundo. A cidade foi a terceira cidade brasileira a contar com essa homenagem.

Florianópolis realizará Pedal do Silêncio

Vai acontecer hoje, 19 de maio, em Florianópolis, a primeira edição do Pedal do Silêncio. Conhecido mundialmente como Ride of Silence, os ciclistas utilizarão camisetas brancas, manifestando o desejo de paz nas ruas e lembrando as vítimas dos acidentes de trânsito.

Confirmaram presença vários grupos de pedais da região, que devem se encontrar a partir das 19h30 na Praça de Skate existente em frente ao Shopping Iguatemi. A saída será às 20h em um tour pelas ruas do centro da cidade. Qualquer pessoa poderá participar.

Em Balneário Camboriú também houve Pedal do Silêncio

Fica aqui apenas um registro para que não fique perdido no tempo.

Junto a outras 5 cidades brasileiras, Balneário Camboriú também teve seu Pedal do Silêncio (Ride of Silence) na última quarta-feira, dia 20 de maio.

Foto: Sirlei (da Associação de Ciclismo de Balneário Camboriú e Camboriú)

Foto: Sirlei (da Associação de Ciclismo de Balneário Camboriú e Camboriú)

Os ciclistas percorreram as principais ruas da cidade e, segundo consta, foi bem difícil de se pedalar em silêncio, visto que as pessoas comumente conversam e se comunicam quando estão pedalando.

Dia de pedalar em silêncio

Vai ocorrer nesta quarta-feira, em diversas cidades do Brasil e do mundo, o Ride of Silence – ou Pedal do Silêncio.

O movimento é internacional, o que não impede que adquira características próprias dependendo do local onde é realizado.

O Ride of Silence pode adquirir diferentes feições: pode parecer uma homenagem, um ritual fúnebre, um espaço-tempo de confraternização ou reflexão, um exemplo de celebração da vida.

Isso depende exclusivamente dos participantes.

Implícitos, estão objetivos diversos: relembrar um amigo falecido, tentar conscientizar as pessoas de que a bicicleta também se utiliza das ruas, tentar mexer com o insconsciente dos motoristas para que eles sejam mais prudentes no trânsito das cidades.

Provavelmente, todos aqueles que participam do Pedal do Silêncio almejam, no fundo, uma cidade mais humana, onde prevaleça o equilíbrio entre os diferentes componentes do ambiente e onde a vida seja sempre respeitada.

Se você for pedalar, prefira usar camisetas e demais roupas brancas, e uma fita negra num dos braços.

É recomendável que se fique em silêncio, mas absolutamente nada impede que se comemore o que existe de mais precioso em nossa existência: a vida.

Belo Horizonte, MG

Belo Horizonte - Pedal do Silêncio 2009-05-20

Brasília, DF

Brasília - Pedal do Silêncio 2009-05-20

Rio de Janeiro, RJ

Rio de Janeiro 2009-05-20

São Paulo, SP

São Paulo - Pedal do Silêncio 2009-05-20

São Paulo - Pedal do Silêncio 2009-05-20 v2

Não importa se você for à ghost bike ou à Praça do Ciclista. Os locais ficam muito próximos.

Veja como foi o primeiro Pedal do Silêncio em São Paulo.

Vitória, ES

Concentração às 19h30 em frente ao bar Saideira, na Praia do Canto (Rua João da Cruz). Saída às 20h. Informações retiradas daqui.

%d blogueiros gostam disto: