Para comemorar pedalando o Dia do Trabalhador

A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição on line do periódico Diário Catarinense em 30 de abril de 2011 (às 10h12). Você pode ler a matéria no site do DC aqui.

MÚSICA

Passeios ciclísticos em 20 cidades de SC comemoram o dia do trabalhador, no domingo

Concerto gratuito encerra o dia com marchas e canções militares, hinos, músicas populares e eruditas

Ruas e avenidas de 20 cidades de todas as regiões de Santa Catarina serão tomadas, neste domingo, no dia do trabalhador, por passeios ciclísticos e diversas atividades de lazer, recreativas e culturais abertas à comunidade. O Dia do Pedal, promovido pela segunda vez pelo Serviço Social do Comércio (Sesc/SC), incentiva a adoção de hábitos saudáveis.

A data foi escolhida com o intuito de celebrar o dia do trabalhador e promover uma opção de lazer aliando a integração com a família e a promoção da qualidade de vida. Participantes de todas as regiões do Estado serão incentivados a praticar a atividade de uma forma divertida e descontraída. No ano passado, em sua primeira edição, o Dia do Pedal reuniu cerca de 20 mil pessoas em 15 cidades catarinenses.

Para encerrar, a Banda Sinfônica do Corpo de Fuzileiros Navais faz uma apresentação no trapiche da Avenida Beira-Mar Norte. O concerto — que faz parte das comemorações do dia do trabalhador — terá marchas e canções militares, hinos, músicas populares e eruditas e será gratuito e aberto ao público.

A banda tem suas raízes na Brigada Real da Marinha e é, atualmente, composta por dois maestros e 110 músicos formados e aperfeiçoados na Escola de Música do Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo, do Corpo de Fuzileiros Navais, sediado no Rio de Janeiro.

Entre as grandes personalidades do cenário musical brasileiro e internacional que foram integrantes das bandas de música dos fuzileiros destacam-se o professor e maestro Oswaldo Passos Cabral, autor do Poema Sinfônico Riachuelo, que retrata as glórias da Marinha do Brasil na Batalha Naval do Riachuelo e, como professor e regente, o maestro Francisco Braga, autor da música do Hino a Bandeira e patrono das bandas de música da Marinha.

Veja onde serão realizados os passeios ciclísticos:

Blumenau
Horário: A partir das 7h30min
Local: Parque Vila Germânica

Brusque
Horário: A partir das 8h
Local: SESC Brusque

Caçador
Horário: A partir das 8h30min
Local: Parque Central José Adami

Canoinhas
Horário: A partir das 13h30min
Local: Prefeitura Municipal

Chapecó
Horário: A partir das 9h
Local: Praça Coronel Ernesto Bertaso

Concórdia
Horário: A partir das 13h
Local: Prefeitura Municipal

Criciúma
Horário: A partir das 8h
Local: SESC Criciúma

Florianópolis
Horário: A partir das 15h
Local: Trapiche da Beira-Mar Norte

Itajaí
Horário: A partir das 7h30min
Local: Supermercado Forte Atacadista

Jaraguá do Sul
Horário: A partir das 8h
Local: SESC Jarágua do Sul

Joaçaba
Horário: A partir das 13h30min
Local: Praça da Catedral

Lages
Horário: A partir das 8h30min
Local: Supermercado Alvorada

Laguna
Horário: A partir das 8h
Local: Praça Julio Villa

Rio do Sul
Horário: A partir 7h30
Local: SESI Rio do Sul

São Bento do Sul
Horário: A partir das 8h30
Local: SESC São Bento do Sul

São José
Horário: A partir das 8h
Local: Beiramar de São José

São Miguel do Oeste
Horário: A partir das 13h
Local: Praça Walnir Bottaro Daniel

Tijucas
Horário: A partir das 7h30min
Local: SESC Tijucas

Tubarão
Horário: A partir das 8h
Local: SESC Tubarão

Xanxerê
Horário: A partir das 8h30min
Local: SESC Xanxerê

Saiba mais:

Dia do Pedal SESC em São José e em Florianópolis

Nova ponte em Rio do Sul terá ciclofaixa

A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição impressa do periódico Diário Catarinense em 13 de setembro de 2009 (pág. 36). Você pode ver a matéria no site do DC aqui.

Trânsito

Para acabar com os congestionamentos

Inauguração de elevado em Rio do Sul deverá desafogar o tráfego nas imediações do Centro da cidade

A Foram 16 meses de obras e trabalhos dificultados por conta de existir um rio a ser vencido de um lado a outro. Mas com a conclusão do Elevado Deputado José Thomé, a rotina do trânsito em Rio do Sul, no Alto Vale, deve mudar radicalmente. A partir de agora, a população espera que o tráfego na região Central possa fluir com segurança e sem congestionamentos.

A intenção da prefeitura, segundo o secretário de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente, Frank Dieter Schulze, é resolver um problema de anos e tentar criar uma estabilidade no trânsito para as próximas duas décadas. Pela dimensão e custos do projeto, essa meta deve ser atingida (detalhes no box).

– Agora iremos monitorar constantemente e, se for necessário, faremos novas mudanças. Mas temos certeza de que, sem o elevado, o sistema entraria em colapso – afirmou o secretário, animado com a conclusão da sonhada obra.

Dentro do projeto de remodelação do sistema viário da área central do município, além do elevado, foram refeitos os trevos de acesso à nova estrutura e a reordenação do sentido do tráfego. Houve o prolongamento da Rua Dom Bosco até a Avenida 7 de Setembro.

As ruas também passaram por processos de drenagem, colocação de tubulação pluvial, terraplanagem, assentamento da base do asfalto e a finalização com a capa asfáltica.

A construção do elevado de 760 metros de extensão integra projeto de remodelação do sistema viário do município.

A construção do elevado de 760 metros de extensão integra projeto de remodelação do sistema viário do município.

Ciclovias fazem parte do projeto

Com a sinalização, as vias também ganharão ciclofaixas. O secretário Schulze destacou que a intenção é tentar humanizar o trânsito, incluindo formas alternativas de transporte. Dentro deste projeto, está a nova licitação do transporte urbano da cidade. No edital (sem data para o lançamento), as empresas interessadas deverão apresentar propostas de um modelo intermodal, combinando ônibus e bicicletas.

– Os motoristas têm de entender que quanto mais alternativas, mais espaço haverá nas vias. Se o ciclista tiver segurança, o motorista também terá. E esta é uma dica para todos os municípios do Alto Vale, pensar em soluções enquanto ainda é possível, enquanto o sistema viário está em formação – destacou Schulze.

Custos da obra

– O projeto de remodelação teve um custo de R$ 13 milhões, sendo gastos R$ 9,4 milhões somente no elevado, pagos pelo município.

– O planejamento e a planta foram feitos em parceria com a Associação de Engenheiros e Arquitetos do Vale do Itajaí.

– Embaixo da estrutura de 760 metros de extensão, na margem esquerda do Rio Itajaí, será entregue o Parque Municipal Harry Hobus.

%d blogueiros gostam disto: