Escola do Rio Tavares promoverá passeio ciclístico

A Escola Básica Municipal João Gonçalves Pinheiro, localizada na Rua Silvio Lopes de Araújo, no bairro Rio Tavares, em Florianópolis, irá realizar neste sábado, 8 de agosto, um passeio ciclístico pelas ruas principais da planície do Campeche. A concentração começará às 8h, com saída prevista para às 9h. Participam da organização, além do professor Wladson Dalfovo e a sua Turma 81, a empresa de cicloturismo Caminhos do Sertão, o Bike Anjo Floripa e o projeto Bicicleta na Escola.

A pedalada, aberta ao público, faz parte de um trabalho integrado de desenvolvimento educacional, político e ambiental dos alunos, sem deixar de buscar um apelo da comunidade e dos governantes para o incentivo ao uso da bicicleta como meio de transporte seguro, eficiente e não poluente.

:: Confirme sua presença pelo Facebook!

Florianopolis 2015-08-08 Rio Tavares

A planície do Campeche é um dos locais mais propícios ao pedalar de toda a Ilha de Santa Catarina. De formação sedimentar e com geomorfologia moldada pela erosão eólica, a região foi uma das primeiras bacias cicloviárias estudadas no país. Há quase uma década a geógrafa e hoje professora do Instituto Federal Catarinense (IFC), campus Camboriú Roberta Raquel propôs uma microrrede cicloviária abrangendo toda a região. Por todo o percurso pelo qual os alunos passarão deveriam haver ciclovias, de acordo com o Projeto Rotas Inteligentes, gestado desde 1997 pelo Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF).

As ciclofaixas que existem hoje, na Av. Pequeno Príncipe e no trecho da SC 405 na Fazenda do Rio Tavares, foram construídas entre 2008 e 2010 e receberam muito pouca manutenção. Até o começo deste mês, havia trechos inteiros dessas ciclofaixas recobertas por areia. Em 2012, a Av. Campeche foi revitalizada, sem, entretanto, implantação de estrutura cicloviária. A SC406, apesar de ter uma emenda orçamentária para se buscar recursos da União, não tem sequer projeto técnico-executivo em formulação.

O que as crianças de hoje querem é mostrar que não pretendem relegar a bicicleta às suas aventuras pueris. Almejam sensibilizar população e políticos para que mantenham a segurança de usar a bicicleta sem que os seus futuros sejam postos em risco.

Ciclovia no Rio Tavares pode sair após 3 anos de atraso

Foi lançado no dia 29 de outubro, o terceiro edital para obras de ciclovias e calçadas na SC-405, no Rio Tavares, em Florianópolis.

O terceiro edital quase um ano após a segunda tentativa de dar vazão à obra ter ficado sem concorrentes. Segundo o Departamento Estadual de Infraestrutura (DEINFRA/SC), a ausência de empresas interessadas nas demais licitações deveu-se ao fato de o valor da obra ser pequeno quando comparada a outras obras em implantação no Estado. Ao contrário do que foi afirmado em 2011, nenhuma dessas novas obras contempla infraestrutura cicloviária adequada, nem mesmo a da SC-403, cujo tratamento cicloviário está péssimo, contando com largura insuficiente segundo os parâmetros técnicos e ausência de adequações cicloviárias nas intersecções.

De fato, agora o valor para a obra é superior. Estão previstos para a implantação de lombofaixas, calçadas e ciclovia o montante de R$2.122.540,27. A partir do início das obras, devem-se passar oito meses até o seu término.

:: Baixe aqui o edital Edital de Concorrência 0065/2013 e seu Anexo

A ciclovia na SC-405 era uma reivindicação dos ciclistas e da comunidade de 4 bairros desde 2008, quando recomeçaram os planos para duplicação da via. Além de ciclovia, as comunidades exigiam uma faixa exclusiva para o transporte coletivo. A terceira faixa da SC-405 acabou sendo aberta aos automóveis. Inaugurada num final-de-semana, teve seu primeiro congestionamento observado logo na primeira segunda-feira, demonstrando a ineficácia da medida como obra de trânsito e de mobilidade urbana. Em um ano, triplicaram os “acidentes” envolvendo pedestres e ciclistas.

A via, em vez de conectar, separou o bairro ao meio.

Em janeiro deste ano, a Bicicletada Floripa foi para a região congestionada. Os ciclistas, de variadas idades, foram mais velozes que os automóveis. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

Se o preço das obras subiu, a qualidade técnica aparenta ter subido pouco. O projeto, feito em parceria com moradores e ciclistas, foi feito para a ciclovia ser inaugurada rapidamente, em julho de 2012. As visitas técnicas terminaram no começo de março do mesmo ano e apenas em outubro foi lançado o primeiro edital.

Passados dois anos, esperava-se, pelo menos, que o projeto fosse consideravelmente melhorado, com previsão de ciclovia bidirecional de 3 metros e calçadas de 2m, o que não irá ocorrer. Três metros deve ser a largura que pedestres, ciclistas e postes devem compartilhar para sair do caminho dos carros. A extensão continua sendo de 2,34km, abrangendo o trecho entre o Trevo da Seta e a ponte sobre o Rio Tavares.

A perspectiva para o futuro também não é das melhores. Nos últimos cinco anos, nenhum engenheiro do DEINFRA nem de empresas que “tradicionalmente” lhe prestam serviços participou das capacitações técnicas realizadas em Santa Catarina nos últimos cinco anos.

Ainda assim, a vida urge pela pressa na execução da obra. Torcem as crianças que estudam nas escolas da região para que, desta vez, haja alguma empresa interessada. Torcem também os seus pais. Torcem os moradores que diariamente se arriscam ao cruzar a região, em atividades tão simples quanto ir à mercearia e à padaria. orcem, enfim, as pessoas cujas vidas serão salvaguardadas.

Saiba mais:

Rio Tavares ganhará ciclovia! Projeto executivo será elaborado neste mês.

(Vídeo) Pedestres têm dificuldade no Rio Tavares 

Comissão Pró-Segurança da SC-405 reune-se nesta terça-feira com o governo do estado 

Rio Tavares: comissão de moradores e ciclistas reune-se nesta segunda 

Nova pista no Rio Tavares trouxe riscos a ciclistas e pedestres em Florianópolis

Rio Tavares: Calçadas e ciclovias, só depois do verão

(Vídeo) Ciclistas protestam na inauguração da SC-405 no Rio Tavares, em Florianópolis

Rio Tavares: ciclistas protestam por ciclovia

Rio Tavares: pedestres protestam. Deinfra diz que prioridade é para os carros.

Ciclistas de Florianópolis, Itapema e Porto Alegre inconformados

Rio Tavares: obras começam sem ciclovia

Veja também:

No Dia Nacional do Ciclista, usuários de Santa Catarina ainda têm pouco a comemorar

Prefeitura de Florianópolis volta a receber demandas de ciclistas

Bicicletada dupla em Florianópolis – Em prol dos ciclousuários do Rio Tavares

Pesquisa sobre mobilidade urbana mostra que Santa Catarina está longe de enfrentar o problema com seriedade

Setembro, mês da mobilidade

No Dia Nacional do Ciclista, usuários de Santa Catarina ainda têm pouco a comemorar

Dia Nacional do Ciclista

Neste último ano, muita coisa se falou sobre bicicleta em Santa Catarina. As ações que começaram em período eleitoral deram origem a compromissos com os ciclistas, assumidos em Joinville e em Florianópolis.

Mas em termos estaduais, muito pouca coisa avançou de fato.

Continue lendo…

Prefeitura de Florianópolis volta a receber demandas de ciclistas

Neste primeiro sábado de julho foi realizada no bairro da Costeira do Pirajubaé mais uma edição da Prefeitura do Bairro, iniciativa na qual os cidadãos podem ter acesso direto com seus representantes do executivo e do legislativo, levando até eles demandas e necessidades das comunidades nas quais estão inseridos.

Nesta edição, mais uma vez houve demandas de ciclistas. Ao me verem com uma camiseta com o símbolo da bicicleta no peito, as pessoas já logo pediam por ciclovias na Costeira, sentidos pelo fato de que a única ciclovia que corta o bairro fica é quase inacessível por se localizar após as pistas da Via Expressa Sul.

Veja também:

Prefeitura no Bairro recebe demandas de ciclistas – Em janeiro, a prefeitura ouviu propostas em evento no bairro Pantanal.

Confira abaixo um resumo com as conversas.

Secretaria de Transportes, Mobilidade e Terminais

Está previsto para ser lançado em setembro a licitação do transporte coletivo. Ao mesmo tempo, esta tem sido foco constante de manifestações nas últimas três semanas. A Frente de Luta pelo Transporte Coletivo quer que seja revisto o modelo de funcionamento, visando à implantação da tarifa zero a todos os moradores. Independente da forma como for transcorrer o serviço de transporte de passageiros, existe uma recomendação do Ministério Público de Santa Catarina para que se veja a possibilidade de inclusão de racks para se levar bicicleta nos novos ônibus. A respeito disso, a Comissão Municipal de Mobilidade Urbana por Bicicleta (Pró-Bici) enviou em ofício, ainda em 2011, com sugestões para a implantação desses racks.

Foi exatamente uma cópia deste documento que eu levei ao secretário Valmir Humberto Piacentini. Ele gostou muito das sugestões, em especial dos racks dianteiros. Fiquei de re-encaminhar cópia deste ofício a ele e acredito que seja um item que será considerado na formulação da nova composição de empresas de transporte coletivo.

Transporte de bicicleta em ônibus em Santa Rosa, Califórnia. Foto: Eduardo Green Short (24/10/2008).

Transporte de bicicleta em ônibus em Santa Rosa, Califórnia. Foto: Eduardo Green Short (24/10/2008).

Secretaria de Obras

O secretário João Amin (PP) poderia ter perguntado: “o que esse cara faz aqui DE NOVO?”. E, de fato, perguntou! Com a secretaria de Obras, como ciclistas, temos muitas coisas para conversar e a resposta tem sido, até agora, bem produtiva. Cumprimentei-o pelo início das obras da ciclovia na Lagoa da Conceição. Sobre essa pista ciclável, na R. Ver. Osni Ortiga, paira uma dúvida sobre os ciclistas. Ninguém ainda teve acesso ao projeto técnico-executivo da obra e algumas informações dão conta de que a ciclovia será em paver. O secretário falou que são muitas as compensações ambientais necessárias para tirar as obras do papel, como não poderiam deixar de ser as que mexem com as delicadas águas da nossa lagoa formosa.Entretanto, dependendo do paver, pode prejudicar a circulação de alguns modais cicloviários, como o patins e o skate, ambos em franco crescimento na cidade. Talvez algum outro tipo de concreto com maior porosidade possa ser utilizado nessa ciclovia. Como a primeira fase da obra envolve apenas o aterro e enrocamento, o secretário disse que iria ver se o piso da ciclovia poderia ser modificado.

Passamos a falar sobre o PAC Pavimentação. Recentemente, Florianópolis deixou de tentar captar um montante de R$ 3.624.883,16 para ciclovias. Segundo o secretário, entretanto, duas outras obras que incluem ciclovia foram pedidas. Uma é a R. Dep. Antônio Edu Vieira, no Pantanal, ainda envolta em discussão do projeto final. A outra é a revitalização da R. Padre Rohr, entre os bairros de Santo Antonio de Lisboa e Sambaqui. Apenas por curiosidade, existem duas versões para esse projeto. Na versão desenvolvida pelo Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis, considerada superior, está prevista a inclusão de ciclovia bidirecional com 2,5m de largura.

Para conhecer melhor os diversos projetos cicloviários que estão dentro da pasta, João Amin reiterou o trânsito livre que os ciclistas têm por lá e que podemos aparecer por lá para conhecer melhor as obras por lá encampadas.

Por fim, levantei novamente a solicitação da ViaCiclo pra a retirada das tachas luminosas nas faixas laterais da R. Dep. Antônio Edu Vieira, colocadas na última reforma da via e que vêm prejudicando o tráfego de ciclistas.

Câmara de Vereadores

Havia poucos vereadores nesta edição da Prefeitura no Bairro. Desta vez, falei apenas com o Vanderlei Farias, o Lela (PDT). O assunto não poderia deixar de ser outro: SC-405. Desde que foi inaugurada, a ampliação desse trecho do Rio Tavares, além de não resolver o problema de mobilidade – sequer passou perto -, teve aumento no número de acidentes com pedestres e ciclistas, que triplicaram. As soluções apontadas por ciclistas e moradores, um ano e meio após reunião com o secretário de Estado de Infraestrutura, Valdir Cobalchini (PMDB), ainda não foram tomadas. Nem ainda a licitação das lombofaixas e ciclovias foram relançadas! Além disso, passou-se o prazo dado pela justiça para a construção de ciclofaixa (seis meses, em junho de 2012) e, após, ciclovia (um ano, em dezembro de 2012). Além disso, o projeto feito era para obra emergencial e até mesmo ele tem sua validade e eficácia questionada devido a essa nova demora.

O vereador afirmou que já falou sobre isso três vezes na Câmara. Ainda assim, não houve um movimento por parte do órgão estadual responsável, o DEINFRA. Sendo assim, novidades ruins podem surgir para os moradores a qualquer instante.

Prefeitura Municipal

Alguns dos assuntos mais importantes foram tratados diretamente com o prefeito Cesar Souza Júnior (PSD). O primeiro foi sobre a possível influência da lei da paisagem no sistema de aluguel de bicicletas. Em 2012, foi sancionada pela Câmara Municipal uma Lei da Paisagem, a LCM 422/12. Essa lei apresentou vários problemas legais e jurídicos, tanto que foi movida Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN). Os itens que tratam tanto de anúncios em bicicletas quanto em motocicletas infringem normativas federais, por exemplo. Independente disso, um novo projeto de lei está sendo elaborado pelo executivo.

Quando questionado sobre como isso influenciaria no sistema de bicicletas coletivas que a cidade pretende implantar, ele foi taxativo: “Isso não influencia de forma alguma!”. O artigo que salvaguarda o Floribike é o art. 46, que trata das inovações.

Perguntei-lhe também sobre a criação da coordenadoria de mobilidade alternativa e a Pró-Bici. Esta última tem sofrido pressões para mudança de composição, visando à diminuição da participação popular, com menor número de membros dos diferentes movimentos do ciclismo municipal, e aumento do número de cadeiras de órgãos públicos, alguns dos quais não aparentam apresentar capacidade técnica e/ou funcional para tratar a bicicleta como componente da mobilidade urbana. Sobre a Pró-Bici, o prefeito afirmou que mantém constantes conversas com o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Dalmo Vieira Filho. Para minha surpresa, apresentou um dado importantíssimo: na proposta de reformulação da administração pública, está prevista a criação da coordenadoria de mobilidade alternativa, promessa de campanha e primeiro item do Termo de Compromisso com os Ciclistas de Florianópolis.

Além disso, sobre o convite para pedalar com o Bike Anjo Floripa, o prefeito lembrou do acidente com a estudante de Oceanografia da UFSC e solicitou para colocar em sua agenda ainda durante esta semana um horário.

Secretaria de Administração e Previdência

Ao secretário Gustavo Miroski, não podia deixar de perguntar sobre uma das maiores dúvidas que pairam sobre a cabeça dos ciclistas da cidade: a quantas anda as bicicletas públicas. Ele afirmou que fora feito alguns pedidos de impugnações, mas que o processo estava rolando e que, até o final deste mês, ele iria ter continuidade.

Fabiano Faga Pacheco

Artigo: Pensar, enquanto tempo há

O texto abaixo foi publicado na edição impressa do Jornal Notícias do Dia, edição de Florianópolis, em 11 de abril de 2013. Você também pode ler a matéria no site do ND aqui.

Notícias do Dia - logo v2

Artigo

Planejarás a tua urbe, enquanto é tempo

Silvio LuzardoAdministrar a cidade no nosso intrincado enredo urbanístico apresenta ao prefeito Cesar Souza Júnior, de Florianópolis, um nó que exige flexibilidade, coragem e decisão atemporal. Difere em envergadura do engenheiro Carlos Sampaio, prefeito do Distrito Federal no Rio de Janeiro, em 1920. O presidente Epitácio Pessoa determinou que preparasse a cidade para os festejos do primeiro centenário de independência do Brasil. E Sampaio enfrentou uma pressão do tamanho do que resolveu atacar: a demolição do morro Castelo! Alegava que o morro, apesar de “histórico” (onde Mem de Sá instalou o governo, em 1567), atrapalhava a ventilação da cidade, a circulação e a implantação de sistema de saneamento. A obra possibilitou inúmeros avanços posteriores e foi um marco na modernização da Cidade Maravilhosa.

Ao suspender os alvarás, o prefeito mexeu em vespeiro da dimensão do morro Castelo. Florianópolis é a jóia da coroa na construção civil. Empreendedores têm pressa e alegam que sustentam parte da economia de mão-de-obra não só do município como da região metropolitana. Entretanto, o administrador público deve ter um olhar precavido e não condescendente. Deve administrar com a vista alongada, por no mínimo 30 anos. Eis a diferença onde residem os enormes conflitos de interesses. Por isso, a prefeitura deve agir rápido para sanar as irregularidades e disciplinar, de uma vez por todas, um Plano Diretor Integrado. Se isso não ocorrer, Florianópolis pode se transformar de Ilha da Magia em Presídio Urbano.

Entretanto, não é só a iniciativa privada que se vale das “lacunas” da legislação ultrapassada. Obras públicas mal planejadas, com uma visão estreita e oportunista, ilustram a cidade, de um lado. No outro, a absoluta falta de controle e fiscalização sobre moradias em nossos morros. Há imperiosa necessidade de um planejamento prospectivo e estratégico, que antecipe o futuro e amarre o controle. As obras devem ocorrer estruturadas nessa cosmovisão urbana: qual o cenário provável para 2025?

Tão logo inaugurado o túnel Antonieta de Barros, fui conhecê-lo. Impossível atravessá-lo. Só existem corredores estreitos destinados à segurança (eventual evacuação). O projeto não considerou a mobilidade de pedestres e ciclistas (embora acredite que se possa reverter essa situação). Mais recente, o elevado do Itacorubi poderia também ter acesso aos pedestres e ciclistas. Havia espaço para isso, até porque o elevado começa em duas vias e, pasmem, termina numa só, numa curva! E a “solução” da SC-405, no Rio Tavares? O problema foi resolvido num trecho e “arrebentou” mais adiante. Será que uma rótula improvisada não resolveria o caso, até que se faça um entroncamento – um elevado – com a rodovia Dr. Antonio Gonzaga. Mas persevera minha preocupação: será também um elevado só para veículos automotores?

Por Silvio Luzardo*

* Silvio Luzardo é professor

Veja também:

Fernanda Lago: Florianópolis tem que deixar de ser “carro-dependente”

O deslocamento das pessoas

A mobilidade na Ilha

A mobilidade e as cidades

Secretário diz que rodovia em Florianópolis terá CICLOFAIXA

A rodovia SC-403, que liga o bairro dos Ingleses até a SC-401 em Canasvieiras está próxima de ser duplicada. Vai ganhar duas faixas de rolamento para cada sentido, além de novos acostamentos e pistas laterais. A surpresa ficou por conta da divulgação de que o local ganhará ciclofaixas, em vez de ciclovias.

Não se tem dúvida de que o secretário de Estado de Infraestrutura de Santa Catarina, Valdir Cobalchini (PMDB), tem tirado do papel obras viárias (em especial rodoviárias) importantes para o fluxo de mercadorias e pessoas. Entretanto, o acabamento geral dessas obras, em especial as que cruzam o perímetro urbano, tem deixado muito a desejar.

Em Florianópolis, duas obras são exemplos. A SC-401 foi duplicada, mas ao lado de onde os carros trafegam a 80km/h, os ciclistas contam com uma ciclofaixa que, em alguns trechos, chega a apenas 80cm e sem cuidado algum nos cruzamentos. Embora o presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (DEINFRA) Paulo Meller tenha defendido a ciclofaixa como solução técnica, ela foi rechaçada por diversos técnicos de Florianópolis, do Brasil e até do mundo, envergonhando os catarinenses – mais pelas declarações do que pela obra em si, que também é lastimável.

Por outro lado, a SC-405, no Rio Tavares, que deveria ter ciclovia, foi ampliada, sendo que a nova pista sequer foi destinada à exclusividade do transporte coletivo. Previstas como obras fundamentais para acabar com os congestionamentos, ambas obras apenas jogaram o gargalo do trânsito poucos quilômetros à frente. Prova disso é que, logo no primeiro dia de semana, a SC-405 parou novamente. Hoje, os veículos ficam presos em duas faixas de rolamento, em vez de uma. E não será o elevado do Rio Tavares que vai adiantar.

Em janeiro de 2012, em reunião com ciclistas, junto ao secretário adjunto Paulo França, foram exibidas as normas técnicas consideradas adequadas pelos padrões nacionais (e internacionais) de pistas cicláveis dependendo do tipo de via. Além disso, tanto a Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) quanto a Comissão Municipal de Mobilidade Urbana por Bicicleta (Pró-Bici) dispuseram-se a ajudar nos projetos rodoviários que cortassem o município de Florianópolis.

Até hoje, não saiu a pista ciclável da SC-405, embora o projeto tenha sido feito de forma a implantar algo seguro às crianças das escolas da região num prazo de até seis meses. Quase um ano e meio depois, nada. Agora, novamente a parte técnica está sendo colocada de lado nos Ingleses. E mesmo os projetos solicitados pelos ciclistas, com a finalidade de auxílio, não foram mostrados.

No local, as faixas terão de 3,5m a 4m. Nas pistas para carros, claro. Com essas medidas, mesmo a velocidade máxima sendo de 80km/h, os veículos podem transitar a 120km/h. É uma solução de engenharia para possibilitar isso. Já para os ciclistas, que pedem 2,8m de ciclovias  em ambos os lados, que é a solução técnica propagada pelo Ministério das Cidades, não haverá isso. As ciclovias dos Ingleses não terão continuidade na SC-403. Num lugar onde poderia haver até arborização, optou-se por se fazer ciclofaixa. Na SC-401 foram 2 mortes de ciclistas somente ano passado e somente onde foi feita ciclofaixa. Pergunto-se: será que o governo de Santa Catarina espera que o aumento no número de mortes de ciclistas extenda-se às planícies da Vargem Grande e Ingleses do Rio Vermelho?

Confira abaixo a declaração de Valdir Cobalchini em seu Facebook:

ATENÇÃO:
O lançamento do edital para duplicação da SC 403, previsto para acontecer amanhã às 15 hs na rodovia será às 16 hs no gabinete do Governador Raimundo Colombo.

A duplicação da rodovia SC 403 terá 5,2 quilômetros de extensão, com um orçamento previsto de R$ 36.259.332,08, dos quais R$ 28 milhões serão do Governo, através do Ministério do Turismo. O trecho terá três elevados, sendo um na Vargem Grande, outro na Vargem do Bom Jesus e o terceiro para acesso a Cachoeira do Bom Jesus. Toda a via terá duas faixas de tráfego, dividas por uma mureta de concreto, e ainda 3,2 mil metros de vias laterais para atender o trânsito local.

O projeto ainda prevê duas passagem subterrâneas, sendo uma em frente a escola básica Luiz Cândido da Luz, eliminando o radar existente no local. E outra, será construída na Vila União. A nova SC 403 terá ainda dez paradas de ônibus e uma espera central para retorno, além de ciclofaixa para pedestres e ciclistas. A previsão de conclusão da obra é em 15 meses.

Vale a pena relembrar duas inserções publicadas aqui no Bicicleta na Rua:

“Nenhum ciclista até hoje obteve acesso aos projetos de pistas cicláveis na Transavaiana nem da SC-403. E os temores se justificam: basta olhar a ineficiência técnica da ciclofaixa da SC-401. E o aumento dos acidentes com ciclistas e pedestres na SC-405, no Rio Tavares. Nenhum acesso, nenhuma conversa, sequer passou por consulta da Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) ou mesmo pela coordenação de projetos cicloviários da prefeitura de Florianópolis.

Temem os ciclistas que virem a trafegar por essas rodovias, inseridas dentro da urbe.” [Um ano e nada mudou]

Isso é uma ciclovia

Saiba mais:

Ciclofaixa na SC-401: Deinfra diz que está dentro das normas. Ciclistas protestam.

Charge – Pedalando com segurança na SC-401

(Vídeo) Pedestres têm dificuldade no Rio Tavares 

Um ano e nada mudou

Um ano após o atropelamento de dois ciclistas na SC-401, no qual faleceu o estudante de Medicina Emílio Delfino Carvalho de Souza, muito pouca coisa se modificou de fato em Florianópolis para permitir maior segurança aos ciclistas que transitam na principal rodovia estadual catarinense.

Apesar do endurecimento da Lei Seca, por parte do governo federal, e da maior fiscalização da Polícia Militar Rodoviária, ambas atitudes dignas de eloqüentes elogios, o tráfego de bicicletas nas rodovias que cortam o território urbano catarinense ainda não teve a atenção que merece.

Apenas no ano passado, três ciclistas morreram na SC-401, número superior a qualquer outro desde a vigência da Lei Seca, no segundo semestre de 2008. Durante o ano de 2012, a SC-401 chegou a ficar mais de 100 dias sem acidentes fatais, fato pelo qual a morte de ciclistas se torna ainda mais preocupante.

Uma dessas mortes, inclusive, ocorreu em local onde os técnicos do Departamento de Infraestrutura (DEINFRA) acataram a instalação de uma ciclofaixa. Projetada desde 1991, a ciclovia da SC-401 até hoje não saiu do papel em nenhum de seus 19,6km.

E nem parece ter havido articulação para sair.

Fala-se apenas na implantação de ciclovias quando algum trecho de rodovia está para ser duplicado ou implantado. Sem as obras para carros, as obras para bicicletas não saem. Em Florianópolis, é o caso da Transavaiana e da SC-403. Mas igualmente não é o caso do acesso ao ParqTec Alfa, Tecnópolis.

Nenhum ciclista até hoje obteve acesso aos projetos de pistas cicláveis na Transavaiana nem da SC-403. E os temores se justificam: basta olhar a ineficiência técnica da ciclofaixa da SC-401. E o aumento dos acidentes com ciclistas e pedestres na SC-405, no Rio Tavares. Nenhum acesso, nenhuma conversa, sequer passou por consulta da Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) ou mesmo pela coordenação de projetos cicloviários da prefeitura de Florianópolis.

Temem os ciclistas que virem a trafegar por essas rodovias, inseridas dentro da urbe.

A promessa que não saiu

Além da não-discussão de ciclovias decentes na SC-401, há que se salientar o não-cumprimento de uma das promessas feitas pelo então superintendente do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF) e braço direito do então prefeito municipal, Dário Elias Berger (PMDB). Em uma entrevista ao Jornal do Almoço por conta do ocorrido, por sinal bastante criticada, o gestor máximo do órgão de planejamento anunciou o investimento do município de R$4 milhões de reais na construção de ciclovias na cidade para o ano de 2012. Conforme demonstrado aqui no blogue, esse investimento referia-se à requalificação do espaço público das ruas Bocaiúva e Almirante Lamego.

Sabem quantos desses R$ 4 milhões foram empenhados? Zero. Absolutamente nada. O projeto de requalificação sequer teve seu projeto executivo feito e as ciclofaixas que surgiram nos últimos meses nada tiveram a ver com a construção de ciclovias, mas sim com a repavimentação pré-eleição que botou asfalto em diversas ruas das cidades.

Outras obras cicloviárias nem chegaram a ter um começo, como o caso da ciclovia da R. Ver. Osni Ortiga, na Lagoa da Conceição, ou tiveram apenas um tímido início, como a da Rod. João Gualberto Soares, iniciada após 6 seis anos no Rio Vermelho.

É com extrema infelicidade que se constata que algumas figuras públicas queriam apenas aparecer perante à tragédia anunciada que custou a vida de um jovem universitário, ciclista, morador de Santa Catarina.

Saiba mais:

Mais de duzentas pessoas comparecem à homenagem a ciclista morto na SC-401, neste sábado – Cobertura do Bicicleta na Rua sobre a bicicleta-fantasma na SC-401 em homenagem a Emílio Delfino Carvalho de Souza.
“Os ferimentos do meu filho não foram leves”, diz mãe de ciclista atingido na SC-401 – Desabafo da mãe de Nicolas Paolo Zanella, ciclista atropelado na SC-401.
Florianópolis terá duas Bicicletadas neste fim de semana – Divulgação oficial da Mobilização por mais segurança e menos mortes na Ilha de Santa Catarina.
SC-401, a Rodovia da Morte para ciclistas – Reportagem do Jornal Notícias do Dia revela a preocupação com a circulação de bicicleta na rodovia estadual mais movimentada de Santa Catarina.
Notas sobre a reunião pelo fim da impunidade no trânsito – Sociedade civil, mobilizada, divulga novas informações sobre o acidente.
A mobilidade na Ilha – Editorial do Diário Catarinense fala sobre a rodovia e a mobilidade.
SC-401 oferece ainda mais riscos aos ciclistas neste verão – A liberação consentida da Polícia Militar Rodoviária para automóveis usarem o acostamento coloca em risco a vida de ciclistas.
A rodovia das mortes – Quando ciclistas são assassinados – Conteúdo do Bicicleta na Rua já previa, em 2009, que mais acidentes na SC-401 aconteceriam se não houvesse um redirecionamento dos investimentos e das prioridades.

Veja também:

Charge – Pedalando com segurança na SC-401

Rodas entre o asfalto e a areia

bicicleta_na_rua3-joel pacheco

Bicicletada Floripa de janeiro teve irreverência e críticas à ausência de ciclovias e à implantação de bicicletários inadequados

A tradicional Massa Crítica de Florianópolis contou com mais de 50 ciclistas em sua primeira edição de 2013. Fazendo alusão às férias e ao mar, cumpriu a promessa e foi à praia!

Arte: Fabricio Sousa

No caminho até à próxima praia do Campeche, ciclistas fantasiados, de sunga, chinelos ou bermudão, não se eximiram em realizar críticas à ausência de espaço reservado à circulação de ciclistas e apoio da população.

Na primeira Bicicletada de 2013, ciclistas de Florianópolis pedalam observando o pôr do Sol.

Na primeira Bicicletada de 2013, ciclistas de Florianópolis pedalam observando o pôr do Sol. Foto: Fabiano Faga Pacheco

Pelo caminho até o sul da Ilha, uma volta no parque da Costeira do Pirajubaé deixou crianças e adolescentes perplexos.

Passagem de ciclistas por parque da Costeira impressionou os mais jovens.

Passagem de ciclistas por parque da Costeira impressionou os mais jovens. Foto: Fabiano Faga Pacheco

Uma ciclovia fora prometida no Rio Tavares e deve começar a ser construída logo após a temporada de verão, ou seja, daqui uma quinzena. Apesar da promessa, por decisão judicial, já deveria existir ao menos uma ciclofaixa no local desde junho, e uma ciclovia deveria ter ficado pronta no começo deste mês.

No Rio Tavares, a principal via do bairro, a rodovia SC-405, foi ampliada, sem considerar, entretanto as travessias para pedestres nem a circulação de bicicletas. Na época apontada como grande parte da solução para os congestionamentos diários no local, a ampliação acabou, ao contrário, trazendo mais problemas de mobilidade na bacia do Campeche, com o aumento do número de automóveis, mas não de ônibus, circulando por ela. Em menos de um ano, a faixa adicional já se tornou insuficiente para a demanda de veículos motorizados individuais que trafegam por ela. Ao mesmo tempo, triplicou-se o número de acidentes com ciclistas e pedestres.

Não faltaram bicicletas ornamentadas motivos florais.

Não faltaram bicicletas ornamentadas motivos florais. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

Ocupando uma das faixas da via no sentido Centro-Sul, os ciclistas viram-se obrigados a ficarem em meio ao trânsito, atrás de uma fila de automóveis que insistia em parar. Os gritos de “Cadê a ciclovia!?” entoados foram logo aplaudidos por moradores da região, bem como por diversos motoristas que os viam passar.

Com acostamento intermitente, ciclistas aguardam atrás dos automóveis a sua vez de se deslocar.

Com acostamento intermitente, ciclistas aguardam atrás dos automóveis a sua vez de se deslocar. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

A passagem pela Av. Pequeno Príncipe, o principal acesso ao Campeche, também rendeu boas críticas às condições precárias que a falta de manutenção da ciclofaixa acarretou, resultando em cada vez mais buracos e amontoados de areia.

O banho de mar, compartilhado por cerca de 15 ciclistas nas águas incomumente tranquilas da praia, antecedeu um protesto rápido contra os paraciclos instalados ao final da praia.

Parte dos ciclistas na praia do Campeche.

Parte dos ciclistas na praia do Campeche. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

Revitalizada há poucos meses, o acesso à praia não contou pista ciclável, conforme determina a Lei Municipal 78/2001, e teve 22 paraciclos entorta-rodas instalados. O modelo municipal, considerado adequado pelos ciclistas, pode ser encontrado aqui.

Bicicletas ao chão em protesto contra bicicletário inadequado instalado no Campeche.

Bicicletas ao chão em protesto contra bicicletário inadequado instalado no Campeche. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

No dia seguinte, durante o evento “Prefeitura nos Bairros”, o secretário de Obras e vice-prefeito João Amin (PP) afirmou que irá rever esses paraciclos e instalar um modelo mais adequado.

Saiba mais sobre a Bicicletada Floripa de janeiro

Fotos:

Eduardo Xavier
Fabiano Faga Pacheco
(também no Facebook)
Fabricio Sousa
Stefano Maccarini

Vídeos:

Daniel de Araújo Costa
Fabiano Faga Pacheco

Pedala Parkinson e reunião sobre SC-405

Os próximos dias serão marcados por atividades para os mais diversos tipos de ciclistas de Florianópolis. Haverá desde treinos até pedaladas mais leves, passando também por assuntos que interessam aos preocupados com a mobilidade urbana.

Audax Floripa

Neste domingo, às 7h, saindo da Della Bikes, na Trindade, acontecerá o segundo treino oficial para quem pretende concluir o Audax Floripa 200km ou o Desafio de 100km. O percurso do Desafio (e também parte do trecho principal) será feito em nível intermediário, num total de 80km.

Pedala Parkinson 2012

Devido à chuva, o Pedala Parkinson foi transferido para este domingo, saindo às 15h do trapiche da Av. Beira-Mar Norte. A concentração inicia às 14h30. A pedalada foi programada para acontecer no último Dia Internacional da Doença de Parkinson (11/04), como forma de mostrar que quem sofre dessa moléstia pode permanecer inserido na sociedade.

SC-405

Segunda-feira será marcada por reunião entre a Comissão Pró-Segurança da SC-405, no Rio Tavares, e o  secretário de Estado de Infraestrutura, Valdir Cobalchini, às 17h30. A reunião vai, mais uma vez, tratar das obras complementares à ampliação da pista. Os moradores dos bairros, Rio Tavares, Campeche, Fazenda do Rio Tavares e Cachoeira do Rio Tavares permanecem descontentes com a lentidão de algumas das reivindicações apresentadas em janeiro deste ano.

Audiência pública em cima da hora sobre o Rio Tavares

Está marcada para hoje (isso mesmo, HOJE), às 19h, no Conselho Comunitário da Fazenda do Rio Tavares, audiência pública para tratar do assunto relacionado a SC-405, calçadas, ciclovias, retornos e demais solicitações da comunidade.

Foram convidados a estar presentes: Polícia Rodoviária, Secretaria de Estado de Infraestrutura, Deinfra, SulCatarinense, entre outros. Até onde se sabe, nenhum dos membros da Comissão Pró-Segurança da SC-405, formada por moradores das comunidades e ciclistas, foi avisado com antecedência. Na reunião ordinária da Pró-Bici, Comissão Municipal de Mobilidade Urbana por Bicicleta, realizada ontem, houve posicionamento contrário ao pré-projeto apresentado há 3 semanas.

Saiba mais:

Rio Tavares ganhará ciclovia! Projeto executivo será elaborado neste mês.

(Vídeo) Pedestres têm dificuldade no Rio Tavares 

Comissão Pró-Segurança da SC-405 reune-se nesta terça-feira com o governo do estado 

Rio Tavares: comissão de moradores e ciclistas reune-se nesta segunda 

Nova pista no Rio Tavares trouxe riscos a ciclistas e pedestres em Florianópolis

Rio Tavares: Calçadas e ciclovias, só depois do verão

Reunião para discutir ciclovia na SC-405

(Vídeo) Ciclistas protestam na inauguração da SC-405 no Rio Tavares, em Florianópolis

Rio Tavares: ciclistas protestam por ciclovia

Rio Tavares: pedestres protestam. Deinfra diz que prioridade é para os carros.

Ciclistas de Florianópolis, Itapema e Porto Alegre inconformados

Rio Tavares: obras começam sem ciclovia

Veja também:

Bicicletada dupla em Florianópolis – Em prol dos ciclousuários do Rio Tavares

Pesquisa sobre mobilidade urbana mostra que Santa Catarina está longe de enfrentar o problema com seriedade

Setembro, mês da mobilidade

Divulgação da Pedalada Pelada no Diário Catarinense (I)

A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição on line do periódico Diário Catarinense em 08 de março de 2012 (às 22h56). Você pode vê-la no site do DC aqui.

Peladada na Capital

Versão brasileira do World Naked Bike Ride (WNBR) pretende mostrar que nada protege os ciclistas. Foto: Reprodução/Facebook.

Ciclistas pelados devem fazer manifestação neste sábado em Florianópolis

Trajeto começa na pista de skate em frente ao shopping Iguatemi, na avenida Beira-Mar Norte

Depois de uma manifestação com bigodes e da bicicletada em luto pela morte de cinco ciclistas, a próxima pedalada contra a falta de segurança no trânsito será mais ousada: a Peladada. Neste sábado, a partir das 19h, os ciclistas devem protestar nus sobre duas rodas em Florianópolis. O trajeto começa na pista de skate em frente ao shopping Iguatemi, na avenida Beira-Mar Norte.

Na Capital, o movimento é incentivado pelo coletivo Bicicletada Floripa, que criou um evento público no Facebook para divulgar a ação e convocar novos adeptos. Até o momento, 168 confirmaram presença.

O objetivo da versão brasileira do World Naked Bike Ride (WNBR) pretende mostrar que nada protege os ciclistas “nesse trânsito violento cheio de pessoas vestidas com armaduras de uma tonelada de metal, com cintos e air-bags”, como esclarece um dos informativos na rede social. O evento deve acontecer no segundo sábado de março em várias cidades de todo o país.

Dicas para os pelados

Quem não se sente confortável nu também pode ir de roupa íntima, biquíni/sunga ou vestido. Em alguns locais, os participantes fazem pinturas corporais.

Outra alternativa é usar máscara para não identificar o rosto. Para aqueles que farão nu completo o ideal é levar uma toalhinha para limpar e forrar o selim. Os ciclistas também são orientados a se informar sobre seus direitos — legislação sobre ato obsceno em espaço público ou atentado violento ao pudor.

Diversos protestos que envolvem nudez viraram caso de polícia. O ato obsceno é tratado de forma bastanta subjetiva no Código Penal, dando brecha a interpretações. O artigo 233 diz que o crime de ato obsceno consiste em “praticar ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público”.

Outras manifestações

Na última terça-feira, cerca de 120 ciclistas participaram do movimento Hoje tem Bicicletada Nacional,  na Capital. A manifestação ocorreu em 38 cidades do Brasil e quatro de Santa Catarina: Florianópolis, Itajaí, Balneário Camboriú, Timbó.

O ato foi organizado para protestar contra a morte de cinco ciclistas na última semana. Uma das vítimas foi Matheus Duarte Mueller, de nove anos, atropelado no SC-418, em Pomerode.

Com bigodes naturais, postiços ou pintados, um grupo com cerca de cem ciclistas saíram da Beira-Mar Norte e do Sul da Ilha em uma mobilização a favor da ciclovia na SC-405, em novembro do ano passado. Geralmente, o grupo se reúne na última sexta-feira do mês para divulgar a bicicleta como meio de transporte e buscar condições adequadas para o seu uso nas cidades.

Confira as fotos dos ciclistas de bigodes

Roberta Ávila

Rio Tavares ganhará ciclovia! Projeto executivo será elaborado neste mês.

A reportagem abaixo foi originalmente publicada na edição on line do periódico Diário Catarinense em 02 de fevereiro de 2012 (às 22h06). Você pode vê-la no site do DC aqui.

Trânsito na Capital

Semáforos na SC-405, em Florianópolis, começam a funcionar no domingo

Controle será feito manualmente pelos policiais

A segunda rodovia mais movimentada de Santa Catarina e a primeira com pista reversível poderá ficar mais segura este ano. Nesta semana, o secretário de Infraestrutura do Estado, Valdir Cobalchini, anunciou que irá resolver dois entraves da terceira pista da SC-405, no Sul da Ilha, em Florianópolis, até o final de 2012. A previsão é de que as obras iniciem logo após a temporada de verão.

O Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) também promete ligar os semáforos de reversão da pista até domingo. Os problemas encontrados ao longo do trecho de 2,4 quilômetros da rodovia foram enumerados há 20 dias em uma reportagem do DC.

Segundo Cobalchini, o projeto de execução será elaborado neste mês e prevê a construção de uma ciclovia e calçada com 2,5 metros de largura do lado direito da terceira pista (no sentido praia-Centro) com uma extensão de 2,4 quilômetros.

A medida irá solucionar o conflito existente entre pedestres e veículos e pode aumentar a segurança dos moradores que circulam a pé e de bicicleta. O segundo problema, que o secretário promete resolver este ano, é a distância de 400 metros entre as faixas de pedestre. Ele garante que serão construídas faixas com lombadas ao longo da via.

O novo modelo é uma espécie de lombada que fica acima do nível normal da rua sinalizada com pintura em solo que permite a travessia mais segura de pedestres já que os veículos precisam diminuir a velocidade ao passar por elas.

O secretário de Infraestrutura diz que depois do Carnaval irá se reunir com os engenheiros responsáveis pelo projeto para definir quantas serão construídas e onde elas estarão posicionadas na pista.

— Estas medidas são emergenciais, os outros problemas tentaremos resolver ao longo do ano junto à Polícia Rodoviária Estadual — diz.

Cobalchini se refere à falta de retornos na rodovia e a possibilidade de diminuir a velocidade permitida de 60km/h para 40km/h. Para estes, não há previsão de início das obras.

A previsão é de que as obras iniciem logo após a temporada de verão. Foto: Fernando Salazar / Especial / Agencia RBS.

As melhorias atendem à reivindicação dos moradores que formaram a Comissão Pró-Segurança da SC-405. Entre os pedidos estão as faixas com lombadas, a redução da velocidade na via e os retornos.

— Na segunda-feira, vamos percorrer todo o trecho da rodovia para ajudar a definir qual espaço que será destinado aos pedestres e aos ciclistas. Esperamos que os demais problemas ganhem soluções — diz Anselmo Döll, integrante da comissão.

Outro problema que ganhou um prazo para solução é o funcionamento dos cinco semáforos (que indicam o sentido do fluxo de veículos). Eles permanecem desligados desde o dia da inauguração, em dezembro do ano passado. De acordo com o Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), a empresa responsável pelo serviço deve instalar as baterias nos aparelhos até domingo, quando eles passam a funcionar. Hoje, a reversão do tráfego é feita manualmente por quatro policiais rodoviários estaduais

A SC-405 é considerada pelos moradores da região como “rodovia perigo”. O trecho está sem acostamento, sem calçadas, sem ciclovia e sem retorno. O fluxo de veículos atinge até 40 mil/dia na temporada de verão em uma localidade que concentra mais de 4 mil moradores e um intenso movimento de comércio.

Os sete nós da SC-405

1 – Pedestres em conflito com os veículos

Solução para 2012: hoje há uma faixa de pedestre a cada 400 metros. Com a distância muitos pedestres se arriscam atravessando a rodovia em meio aos veículos. Por isso, serão instaladas faixas com lombadas. Com elas, os motoristas se obrigam a diminuir a velocidade e os pedestres cruzam a via com mais segurança.

2 – Na teoria é rodovia, na prática é uma avenida

Solução para 2012: para o trecho se tornar mais humanizado e seguro a rodovia precisa receber calçadas e ciclovias. Elas deverão ser concluídas ainda este ano.

3 – Semáforos sem bateria e sem controle remoto

Solução prevista para domingo, 5: os cinco pórticos com semáforos ainda não funcionam. Mas o Deinfra promete que eles voltam a funcionar no domingo.

4 – Sem possibilidade de retorno ao longo do trecho

Solução prevista, mas sem prazo: o secretário de Infraestrutura diz que a intenção é fazer um retorno no meio do trecho, mas ainda não sabe informar como e quando ele será feito.

5 – Falta de espaço

Sem solução prevista: o Departamento Estadual de Infraestrutura afirma que para a melhoria do fluxo de veículos na região o ideal é duplicar a rodovia. Para isso, seria necessário desapropriar 70% do comércio local o governo, até o momento, não tem intenção de iniciar esta desapropriação.

6 – Sem horário fixo para reversão

Sem solução prevista: o projeto da pista reversível previa que a mudança do sentido ocorreria duas vezes ao dia, sempre às 6h e às 15h.

Mas, como o fluxo durante a temporada de verão é variável, até março não há um horário fixo. Quatro policiais militares continuam no local para orientar o trânsito.

7 – Uma obra provisória

Sem solução prevista: a terceira pista da SC -405 sozinha não elimina os congestionamentos na região. Ela ainda depende da duplicação dos 11km da SC-401 Sul (Diomício Freitas). O edital deve ser lançado até fevereiro e a entrega das obras é para o final de 2014.

Aline Rebequi

Saiba mais:

(Vídeo) Pedestres têm dificuldade no Rio Tavares 

Comissão Pró-Segurança da SC-405 reune-se nesta terça-feira com o governo do estado 

Rio Tavares: comissão de moradores e ciclistas reune-se nesta segunda 

Nova pista no Rio Tavares trouxe riscos a ciclistas e pedestres em Florianópolis

Rio Tavares: Calçadas e ciclovias, só depois do verão

Reunião para discutir ciclovia na SC-405

(Vídeo) Ciclistas protestam na inauguração da SC-405 no Rio Tavares, em Florianópolis

Rio Tavares: ciclistas protestam por ciclovia

Rio Tavares: pedestres protestam. Deinfra diz que prioridade é para os carros.

Ciclistas de Florianópolis, Itapema e Porto Alegre inconformados

Rio Tavares: obras começam sem ciclovia

Veja também:

Bicicletada dupla em Florianópolis – Em prol dos ciclousuários do Rio Tavares

Pesquisa sobre mobilidade urbana mostra que Santa Catarina está longe de enfrentar o problema com seriedade

Setembro, mês da mobilidade

(Vídeo) Pedestres têm dificuldade no Rio Tavares

Vídeo produzido pelo Diário Catarinense, divulgado originalmente neste link.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

SC-405: é seguro atravessar a rodovia?

O repórter e fotógrafo Guto Kuerten foi conferir como está a SC-405 depois da duplicação, mas do ponto de vista do pedestre. Como está para atravessar a via? Depoimentos dos moradores da região mostram que há, sim, dificuldades para cruzar a rodovia.

Ressalte-se, apenas, que uma solução mais efetiva e mais barata para melhorar a mobilidade dos pedestres da região seria a instalação de lombofaixas à mesma altura dos passeios (in)existentes, em vez de passarelas.

Saiba mais:

Comissão Pró-Segurança da SC-405 reune-se nesta terça-feira com o governo do estado 

Rio Tavares: comissão de moradores e ciclistas reune-se nesta segunda 

Nova pista no Rio Tavares trouxe riscos a ciclistas e pedestres em Florianópolis

Rio Tavares: Calçadas e ciclovias, só depois do verão

Reunião para discutir ciclovia na SC-405

(Vídeo) Ciclistas protestam na inauguração da SC-405 no Rio Tavares, em Florianópolis

Rio Tavares: ciclistas protestam por ciclovia

Rio Tavares: pedestres protestam. Deinfra diz que prioridade é para os carros.

Ciclistas de Florianópolis, Itapema e Porto Alegre inconformados

Rio Tavares: obras começam sem ciclovia

Veja também:

Bicicletada dupla em Florianópolis – Em prol dos ciclousuários do Rio Tavares

Pesquisa sobre mobilidade urbana mostra que Santa Catarina está longe de enfrentar o problema com seriedade

Setembro, mês da mobilidade

Reunião adiada!

Devido a um acidente ocorrido no interior do Estado de Santa Catarina, provavelmente este, a reunião prevista para ocorrer hoje entre a Comissão Pró-Segurança da SC-405 e a Secretaria de Estado de Infraestrutura foi cancelada até o retorno do titular da pasta, Valdir Cobalchini, que estava em reunião com a família acidentada ainda ontem e encontra-se abalado com a situação.

Atualização às 12h53min: o Jornal Notícias do Dia confirmou em seu site que foi esse mesmo acidente, em Papanduva, que indipôs o secretário.

Comissão Pró-Segurança da SC-405 reúne-se nesta terça-feira com o governo do estado

Está marcada para esta terça-feira, dia 24 de janeiro, na Secretaria de Estado de Infraestrutura de Santa Catarina, no Edifício das Diretorias, R. Tenente Silveira nº162, em Florianópolis, às 17h, a reunião entre a comissão de ciclistas e moradores da região do Rio Tavares e os técnicos do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) para discutir as melhorias nas obras de ampliação da SC-405, inaugurada incompleta.

A Comissão Pró-Segurança da SC-405, formada por associações de moradores e conselhos comunitários dos bairros Fazenda do Rio Tavares, Cachoeira do Rio Tavares, Rio Tavares e Porto da Lagoa, além de ciclistas da ONG ViaCiclo, Bicicletada Floripa, Pró-Bici e Associação Ecochannel vai propor as soluções abaixo:

– Reinstalação das faixas de pedestres nos locais compreendidos entre o Trevo da Seta e a ponte sobre o rio Tavares, que foram retiradas mas nem todas recolocadas;
Lombofaixas, de maneira que as faixas de pedestres fiquem ao nível do passeio, proporcionando medidas de acalmia de tráfego (traffic calming) que permitam a travessia segura de pedestres e portadores de necessidades especiais;
– Lombofaixa na região do Trevo do Rio Tavares, de modo a possibilitar a clara preferência do pedestre na travessia;
Redução da velocidade máxima permitida para 40km/h (por sinal, maior do que a velocidade média dos automóveis na cidade);
– Três retornos ao longo do trecho, sendo um a manutenção da rótula no Trevo do Rio Tavares, um sob o Trevo da Seta, em mão inglesa, e um na altura da saída dos ônibus da empresa Insular (ex-Ribeironense), desonerando os ônibus de fazerem trajetos maiores e possibilitando retorno próximo à metade do trecho em questão;
Calçadas;
Ciclovia – e não ciclofaixa – em toda a extensão do bairro, com o projeto tendo que ser aprovado pela Bicicletada Floripa, ViaCiclo e Pró-Bici;
Iluminação, inclusive próximo a todos os pontos de paradas do transporte coletivo.

A Secretaria de Transportes, Mobilidade e Terminais de Florianópolis confirmou presença na reunião para discutir questões relativas ao transporte coletivo, em especial a recolocação dos abrigos, mas quiçá também a proposta de que a terceira pista seja utilizada unicamente para o transporte coletivo, como também almejam os cerca de 70 mil moradores do sul da Ilha de Santa Catarina.

Saiba mais:

Rio Tavares: comissão de moradores e ciclistas reune-se nesta segunda 

Nova pista no Rio Tavares trouxe riscos a ciclistas e pedestres em Florianópolis

Rio Tavares: Calçadas e ciclovias, só depois do verão

Reunião para discutir ciclovia na SC-405

(Vídeo) Ciclistas protestam na inauguração da SC-405 no Rio Tavares, em Florianópolis

Rio Tavares: ciclistas protestam por ciclovia

Rio Tavares: pedestres protestam. Deinfra diz que prioridade é para os carros.

Ciclistas de Florianópolis, Itapema e Porto Alegre inconformados

Rio Tavares: obras começam sem ciclovia

Veja também:

Bicicletada dupla em Florianópolis – Em prol dos ciclousuários do Rio Tavares

Pesquisa sobre mobilidade urbana mostra que Santa Catarina está longe de enfrentar o problema com seriedade

Setembro, mês da mobilidade

%d blogueiros gostam disto: