Para uma descida Graciosa

Aqui vão as dicas do ciclista André Pasqualini para os paulistanos e demais ciclistas que pretendem descer a Serra da Graciosa neste final de semana no Encontro de Bicicletadas do Brasil.

Para quem não vai descer pedalando

Temos a opção do trem que custa cerca de 35 reais. Já tem uma galera que vai descer de trem, portanto acho melhor essa galera, no sábado a tarde ir comprar essa passagem. Dá para ir de bicicleta mas eu sugiro que o pessoal que vai de trem, não leve a sua bicicleta. Isso porque tem uma galera de Curitiba e de Floripa que irão descer pedalando e voltarão de carona no bonde para Curitiba. Portanto, se os que não descerem pedalando puderem ceder seus espaços para essa galera, nós agradecemos.

Outra opção “de grátis” será descer com o Ônibus que irá nos buscar em Morretes. Não sei o horário, mas ele deve sair da cidade por volta das 10h00.

Para quem vai descer pedalando

O que levar para a viagem?

Roupas apropriadas para viagem, pedalar na estrada não é a mesma coisa que pedalar trechos curtos na cidade. A roupa de ciclista pode parecer coisa de viado, mas é assim pois é mais apropriada para pedalar longas distâncias. Não fiquem receosos, temos muitos amigos que já vestiram essas roupas e não mudaram sua preferência sexual. Todos continuaram viados. (brincadeira)

Nas costas apenas mochilas de hidratação, malas no bagageiro sempre.

Comer e hidratar-se durante a viagem. Mochilas de hidratação são ótimas pedidas. Tem bicas, lugares para comprar água, até lugar para mergulhar, mas é bom levar duas garrafinhas no mínimo.

Frutas secas, barras de cereais, gels energéticos, tudo isso ajuda muito a manter o bucho cheio e hidratado durante a viagem.

Levem protetor solar e abusem dele. Excesso de sol e a falta de protetor solar pode levar a uma desidratação e é muito importante que o ciclista identifique possíveis sinais de desidratação. Os principais sintomas de desidratação são: boca seca, dor de cabeça, fraqueza, fadiga, vertigem (tontura), irritabilidade e cãibras musculares (espasmos musculares). Se os sintomas persistirem, ou incluirem desorientação, ondas de calor, calafrios, vômitos, náuseas e/ou alteração da consciência, a coisa tá feia.

Não se assustem, é comum ocorrer pequena desidratação numa atividade física, o que não podemos deixar acontecer é que ela se descontrole. Sempre informar alguém quando ocorrer alguns desses sintomas e sempre se manter hidratado.

Sugiro que todos comprem o Hidrafix, essa caixa vem com dois flaconetes e caso estejam com algum desses sintomas, tomem um flaconete. É um soro caseiro turbinado com glicose, energia pura. Se a pessoa não tem problema de diabetes, pode tomar.

Voltando ao pedal, no seu início pedalaremos cerca 9 km dentro da cidade até a BR. Nessa fase iremos num único grupo. Entraremos então na Estrada da Graciosa que vai seguir beirando a BR e ali o grupo se dividirá. Alguns irão num ritmo um pouco mais rápido e com poucas paradas. Já o grupo do fundão irá mais tranquilamente, parando em cada topo de subida para esperar os mais lentos. Nesse grupo teremos alguns ciclistas experientes e todos com GPS para ninguém correr o risco de se perder.

O grupo da frente terá como meta os tempos estimados no Bikely. Para ver as previsões acessem:

http://www.bikely.com/maps/bike-path/Descida-da-Graciosa-Morretes

Dá para ver os horários avançando pelas setinhas do menu, ou clicando em Show > Cue Sheet.

O grupo do fundão terá duas horas a mais para realizar o mesmo trajeto. Pedalaremos cerca de 25 km de asfalto até o início da estrada de terra. Depois teremos mais 20 km de terra, mais 12 km de descida e 14 km de plano no final da descida até Morretes.

A descida

Toda atenção é pouca em qualquer descida, não dá para abusar da velocidade se você não tem experiência. Metade da descida é em asfalto, a outra metade é de paralelepípedo. Desça em pequenos grupos, mas sem forçar ultrapassagens em outros ciclistas, principalmente próximos das curvas e evite passar muito colado dos ciclistas mais inexperientes. No trecho de paralelepípedos, os carros irão bem mais devagar do que as bicicletas, evite ultrapassá-los e fiquem a uma distância segura do veículo da frente.

Se possível pare no meio da descida para descansar e curtir o visual, principalmente a galera do fundão. Já os acelerados da frente, tenham o máximo de prudência, não se esqueçam que se acontecer algum acidente, não só a sua viagem poderá ser prejudicada como a de todo o grupo, portanto nada de se empolgar e pedalem com o máximo de prudência.

Como proceder nos contratempos

Pneus furados, problemas mecânicos, não tem que parar todo mundo. Parem apenas dois ciclistas no máximo e o resto continuem a pedalada. Parem apenas para esperar nos pontos de parada mais longas. Depois de consertada a bicicleta os atrasados aceleram para alcançar o resto do grupo . Não deixem ninguém sozinho para trás em hipótese alguma. Eu devo ir no grupo da frente, mas teremos muitas pessoas experientes no grupo de trás.

Levem no mínimo, duas câmaras reservas e remendos. O pessoal é sempre solícito, dificilmente você ficará na mão, mas não é legal sempre abusar da boa vontade alheia. Quem não tem blocagem na roda, que sempre carregue uma chave 15 para não depender de ninguém.

Chegada em Morretes

Se tudo der certo, o pessoal da frente deve chegar em Morretes por volta das 13h00 e ficaremos lá até as 15h00 almoçando. Quem chegar até as 14h00 provavelmente poderá aproveitar o Barreado. Todos devem chegar no restaurante Madalozo até as 15h00, hora que embarcaremos de volta para Curitiba.

Saída de Morretes

As 15h00 saímos de Morretes com destino a Curitiba, chegando por volta das 16h00 no hotel. As bikes do pessoal que desceu pedalando já ficarão em definitivo no ônibus, então teremos uma hora para tomarmos banho, fazer as malas e o Checkout no hotel. Todas as despesas do hotel estarão quitadas, exceto o que a galera vier a consumir no frigobar. Por volta das 17h00, saímos de lá com destino a São Paulo, a previsão de chegada na Paulista é entre meia noite e uma hora da manhã.

Destino: Curitiba

Vai ocorrer neste final de semana o segundo Encontro de Bicicletadas do Brasil.

Tradicionalmente, várias cidades do país (veja amanhã a relação delas) realizam suas Massas Críticas na última semana de cada mês. Dentre essas, a grande maioria das Bicicletadas acontece na sexta-feira, com umas poucas cidades pedalando aos sábados ou aos domingos.

Entre as cidades que têm Bicicletada aos sábados está Curitiba (onde há uma promessa de implantação de sistema cicloviário). Logo após suas respectivas Massas Críticas, ciclistas e cicloativistas de cidades como São Paulo e Florianópolis adentrarão em ônibus para a grande confraternização que vai ocorrer na capital paranaense.

Bonde de Curitiba 2009

A programação em si é simples:

Sábado, 29 de agosto

Bicicletada Curitiba.
Concentração a partir das 9h30 no pátio da Reitoria da UFPR (R. Amintas de Barros x R. Dr. Fraivre).
Saída às 10h.

Domingo, 30 de agosto

Cicloturismo na Serra da Graciosa.
Saída pontualmente às 7h do Hotel Garden Curitiba.

O primeiro encontro nacional de Bicicletadas ocorreu em julho de 2008 e contou com a presença de 138 pessoas participando da Bicicletada Curitiba e mais 26 cicloturistas descendo a Graciosa. Quem esteve nessa primeira edição com certeza quer estar presente novamente. Duvida? Dê, então, uma olhada nas fotos e relatos do ano passado.

Origem(1): Florianópolis

Assim como no ano passado, cidadãos residentes em Florianópolis estarão neste sábado em Curitiba. A saída dar-se-á após a Bicicletada Floripa de agosto. O caminho para Curitiba será feito em ônibus de linha. Duas empresas oferecem o traslado entre as duas cidades. A Eucatur terá o seu último ônibus saindo às 20h10, com passagem custando R$27,00. A Auto Viação Catarinense deverá ser a utilizada pela maioria dos participantes. Ela oferece horários às 21h15 e às 23h15. O preço da passagem, entretanto, é R$ 41,26.

Não houve problemas nas últimas vezes que se almejou levar a bicicleta não desmontada nos ônibus de nenhuma dessas duas companhias. Leve consigo, porém, elásticos/cordas/aranhas/correntes para prender a sua bicicleta no interior do ônibus.

Os participantes devem se acomodar parte em casa de amigos e parte no próprio Hotel Garden Curitiba. O hotel estará inteiramente a serviço dos participantes da Bicicletada de São Paulo, mas algumas pessoas de Floripa devem pernoitar por lá a um preço mais camarada (R$25,00 com café-da-manhã), mas sem conforto. Aconselhável levar colchonete ou saco-de-dormir.

Origem(2): São Paulo

Quem pretende vir de São Paulo pode encontrar mais informações sobre a viagem no CicloBR. O pacote inclui traslados entre São Paulo e Curitiba, e Curitiba e Morretes (para quem não quiser passar pela Serra da Graciosa de bicicleta, mas desejar curtir o visual), hospedagem e algumas refeições. O ônibus que os levará para o encontro deve chegar à Praça do Ciclista às 23h30 de sexta-feira.

Outras origens…

Tem-se informações de pessoas vindo de Maringá (PR) para essa confraternização cicloativista. Do mesmo modo, parece que duas pessoas devem chegar a Curitiba saindo de Florianópolis de bicicleta mesmo.

O que fazer em Curitiba

Além de conhecer a cidade de bicicleta, o Pedalante deu uma sugestão para visitação: a I Bienal do Livro de Curitiba.

Fora isso, quem não conhece Curitiba pode encontrar outras sugestões do que visitar aqui ou aqui.

Descendo a Graciosa

As dicas para a descida da Graciosa podem ser encontrada aqui.

%d blogueiros gostam disto: