Descanse bem, Detinha!

Após vários anos no cicloativismo e já fazendo parte da União de Ciclistas do Brasil, começo a ouvir uma voz dissonante, de um dos centros  não tão conhecidos pelos cicoativistas mais antigos. Vinha de Vitória, no Espírito Santo, aquela voz feminina, uma voz batalhadora, de quem lutava com imenso ímpeto pela mudança de uma situação que gerava – e gera – riscos à vida de quem usa as duas rodas.

Detinha, sempre que possível, queria mais – e fazia mais! Participou do CUC – Ciclistas Urbanos Capixabas, do Bike Anjo e, inclusive, na própria União de Ciclistas do Brasil.

Mas durante muito tempo o seu rosto permaneceu como uma incógnita para mim. Vitória e Florianópolis têm mais em comum do que o fato de serem capitais em ilhas. Ambas são politicamente carentes de planos de estado, aqueles que atravessam governos. Ao menos, de plano de estados que privilegiem a mobilidade humana. Sempre é preciso que a sociedade relembre os políticos para quem eles devem governar e de quem eles devem se lembrar ao planejar uma cidade. Frequentemente, planeja-se para o congestionamento, para as doenças respiratórias, para carros e mais carros.

Não é disso que uma cidade saudável precisa! Eu sei disso e Detinha sabia disso!

Enfim nos encontramos na terceira edição do Bicicultura, ocorrido em maio deste 2016 em São Paulo. A voz ganhou um rosto. A admiração já existia.

Quis o destino que fosse justamente no Festival da Cultura da Bicicleta a única vez que eu me encontrasse pessoalmente com uma das mais atuantes ativistas da bicicleta do país.

Na quinta-feira, 30 de junho, logo após palestrar sobre mobilidade urbana na 6ª Conferência das Cidades, Detinha foi atingida por uma porta recém-aberta, caindo no chão e batendo a cabeça. Entrou em coma após o traumatismo craniano, vindo a falecer horas depois.

Quis o destino que, nas circunstâncias de sua morte, Detinha fosse reconhecida pelo que era e pelo que lutava: uma MULHER que buscava o melhor para a cidade, através de políticas de mobilidade voltada aos pedestres e aos ciclistas. Essa mulher não parava de agir! E foi necessária uma desatenção irresponsável para que ela repousasse.

As batalhas pela sobrevivência aqui em terra continuam. E você lutou bravamente! Queremos nós que tua – a minha, a nossa – luta tenha ajudado a sensibilizar o coração de quem tem o poder de mudança em larga escala. De quem pode salvar vidas ao investir no ser humano e no meio ambiente.

Descanse bem, Detinha!

E obrigado por ter existido.

Detinha Son

Fabiano Faga Pacheco

Reflexões sobre bicicleta em Brasília

Acontece em Brasília, de 12 a 15 de novembro, a Bicicultura – Conferência Internacional de Mobilidade por Bicicleta, evento promovido pela União de Ciclistas do Brasil e pela organização não-governamental calanga Rodas da Paz. Paralelamente, ocorrerá o IV Encontro Brasileiro de Cicloativismo e o II Encontro da União de Ciclistas do Brasil. Haverá palestras, cursos de treinamento, eventos culturais e, no dia 15 de novembro, ocorrerá o Grande Passeio Ciclístico da República.

O evento contará com palestras muito boas, como você confere abaixo. Para ver a programação completa clique aqui.

Dia 12.11.2008

Tema: Políticas Públicas e a Mobilidade por Bicicleta

A mudança de paradigmas na mobilidade urbana em Bogotá

Programa Rio Estado da Bicicleta

Experiências com Sistemas Cicloviários Municipais (exemplos de Sorocaba e Aracaju)

Programa Pedala DF

Fontes de Financiamento para Infra-Estrutura Cicloviária

Educação no Trânsito


Dia 13.11.2008

Tema: Educação, Cidadania, Legislação e Fiscalização

Programas Internacionais de Mobilidade e Cidadania

O Parlamento e a Defesa dos Direitos da Mobilidade Urbana

Programa Bicicleta Brasil

Cidadania e o Direito à Cidade

Segurança no Trânsito

Manual de Projeto Geométrico Cicloviário do DENATRAN


Dia 14.11.2008

Tema: Promoção e incentivo para o uso da Bicicleta

A Cultura da Bicicleta

O Cicloativismo no Brasil

Cicloativismo e Mídia

Cicloturismo

Integração Modal da Bicicleta


Além de palestrantes da ONG holandesa Interface for Cycling Expertise (I-ce) e de representantes da Alemanha, Colômbia e Venezuela, participam da Bicicultura também os jornalistas Thiago Benicchio (Apocalipse Motorizado) e Renata Falzoni, da ESPN. Estão também no evento os cicloativistas André Pasqualini (Ciclo BR), João Lacerda (Blog Transporte Ativo) e Luciana Costa. De Santa Catarina, pelo menos três membros da ONG ViaCiclo se farão presentes.

A programação do evento me parece ser muito boa, mas, segundo um cicloativista presente na reunião, a melhor parte acontece fora do Auditório do Ministério das Cidades, onde ocorrem as palestras. A troca de experiências entre as pessoas, nos diálogos informais que podem acontecer entre os ciclistas a qualquer instante em qualquer rua de Brasília, já compensaria todo o esforço por se estar lá.

Pena que, desta vez, não consegui participar.

%d blogueiros gostam disto: