Bicicleta vence Desafio Intermodal em Blumenau

A reportagem abaixo foi originalmente publicada no Jornal de Santa Catarina, na edição de 24 de agosto de 2009. Você pode ver a matéria no site do periódico aqui e aqui.

Jornal de Santa Catarina - logo

MOBILIDADE URBANA

Ciclista vence o desafio

Santa comparou a agilidade de três meios de transporte no horário de pique na região central de Blumenau. Na disputa com carro e ônibus, a bicicleta levou a melhor.

Rubens Barrichello venceu ontem na Fórmula 1. Se a corrida fosse no Centro de Blumenau em horário de pique e o piloto brasileiro tivesse a mesma pretensão de chegar em primeiro, provavelmente trocaria a potência do carro de corrida pela simplicidade de uma bicicleta. Pelo menos é o que indica o teste que o Santa promoveu sexta-feira, às 17h50min, nos 3,5 quilômetros entre o Parque Vila Germânica, na Velha, e a Casa do Comércio, no Centro. O trecho, que será interligado por ciclovias até 22 de setembro, foi percorrido ao mesmo tempo pedalando, de ônibus e de carro. Com uma velocidade média de 32 km/h, o ciclista chegou antes.

Sete minutos após dar a primeira pedalada, o arquivista Giovani Nasatto, 30 anos, estacionou a bicicleta na Alameda Rio Branco, o ponto final do teste. Por três minutos ainda teve tempo de conferir o trânsito movimentado enquanto esperava chegar de carro o segundo colocado, o motorista Juliano Alessandro dos Santos, 37 anos. Os dois poderiam percorrer o trecho escolhido por pelo menos mais duas vezes antes que o passageiro do transporte coletivo, depois de algumas pernadas e o tempo dentro do ônibus, chegasse até o local combinado.

Na largada em frente ao Parque Vila Germânica, às 17h50min, logo a bicicleta de Giovani e o carro de Juliano sumiram de vista em direção à Rua 7 de Setembro. Ao chegar ao Terminal da Proeb, após sete minutos de caminhada, uma das cinco linhas disponíveis que passam pelo Centro demorou mais 10 minutos pra chegar. Giovani teve um percurso tranquilo ao longo da Rua Humberto de Campos. A via tem ciclofaixa, ainda que um pouco desgastada pelo tempo. Ao entrar na Rua 7, a atenção sobre duas rodas teve de ser redobrada. Enquanto Juliano, de carro, avançava com velocidade média de 22 km/h, o ciclista enfrentava obstáculos como carros estacionados, asfalto irregular próximo ao meio fio e ônibus na pista.

– É difícil manter os 1,5m recomendado de distância do carro para um ciclista. Quando a rua está cheia assim, fica tudo apertado – avaliou o motorista, que afirmou não se sentir seguro para trocar o automóvel pela bicicleta com a atual estrutura viária de Blumenau.

Enquanto Giovani e Juliano, em frente à Casa do Comércio, conversavam sobre o caminho percorrido, passageiros se equilibravam no ônibus, pela Rua 7, entre freadas e arrancadas. Além do congestionamento, as paradas em semáforos e pontos de ônibus atrasaram a viagem e contribuíram para que o percurso fosse feito a 7 km/h. O ponto final do trajeto foi em frente ao Colégio Sagrada Família, o que exigiu mais uma caminhada até a Alameda. Com o fôlego recuperado, Giovani comemorava a agilidade do meio de transporte que escolheu há sete anos e Juliano justificava a segunda posição reclamando do trânsito lento.

JSC 2009-08-24 - Desafio Intermodal Blumenau(veja em .pdf)

Aumento da ciclofaixa incentiva ciclistas

Dia 22 de setembro, o arquivista Giovani Nasatto poderá pedalar mais tranquilo pela Rua 7 de Setembro. Um projeto das secretarias de Planejamento Urbano e Serviços Urbanos pretende ampliar a malha cicloviária da cidade. Atualmente, Blumenau tem 45 quilômetros de faixas exclusivas para bicicletas. Com a expansão, a ideia é que o ciclista possa sair da Rua Almirante Barroso e chegar até a Alameda Rio Branco por ciclofaixas. A Rua Hermann Huscher, na sequência da Alameda, também possui a estrutura, o que tornaria o trajeto seguro para ciclistas até o Bairro Valparaíso.

A iniciativa pública pode incentivar motoristas a trocar o motor pelo pedal. O motorista Juliano dos Santos afirma que adotar a bicicleta para se locomover no Centro seria uma boa opção caso se sentisse mais seguro:

– Com ciclovias, além da economia de tempo, ajudaria na saúde.

A Associação Blumenauense Pró-Ciclovias (ABC Ciclovias) acredita que as ciclofaixas vão estimular ciclistas.

– Esperamos ansiosos pela ligação das faixas cicloviárias. A cidade precisa desta alternativa – opina o presidente da ABC Ciclovias, Eldon Jung.

Por Vinicius Batista

Saiba mais:

Blumenau implanta mais ciclovias – reportagem do Jornal de Santa Catarina mostra as novas obras cicloviárias de Blumenau.
Antes que o mundo pare – artigo de Fabrício Cardoso fala do excesso de automóveis em Blumenau e estimula o debate sobre as novas ciclofaixas da cidade.
A polêmica sobre as ciclofaixas de Blumenau – artigo de Willian Cruz mostra sua opinião e relaciona os fatos que acontecem em Blumenau com o passado de San Francisco, EUA.
Blumenau: resposta do presidente da UCB – carta de Antonio Carlos de Mattos Miranda, presidente da União de Ciclistas do Brasil, sobre a polêmica acerca das ciclofaixas em Blumenau.
Cartas-resposta em favor das ciclofaixas em Blumenau – respostas de cicloativistas e sociedade civil a colunista que ironizou as novas ciclofaixas na cidade.
Comerciantes criticam áreas para ciclistas – reportagem no Jornal de Santa Catarina faz o contraponto com as queixas dos comerciantes.
Motoristas, ciclistas e outros cidadãos – artigo de Christian Krambeck fala sobre planejamento urbano, cidadania e qualidade de vida.

Bicicleta é parte da solução para melhorar mobilidade urbana em Florianópolis

As reportagens abaixo foram originalmente publicadas na edição impressa do periódico Diário Catarinense, em 29 de maio de 2009 (pág. 25). Você pode ver as matérias no site do DC aqui e aqui.

Diário Catarinense

Trânsito no limite

Uma aliada da boa saúde e do ambiente

Bicicletas são alternativas que podem garantir mais segurança e agilidade

Diminuir a poluição e deixar o sedentarismo de lado. É certo que é menos cômodo, mas deixar o carro na garagem e adotar a bicicleta traz um ganho social ainda mais amplo: contribuir para a diminuição dos congestionamentos nos grandes centros urbanos.

Na Capital, considerando o tempo de deslocamento, optar pelo carro, na maioria das vezes, não é o mais vantajoso. O teste, chamado de desafio intermodal, foi feito em setembro do último ano pela Associação de Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) com dois grupos de bicicletas, motos, carros e ônibus, saindo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e chegando ao Largo da Alfândega, no Centro.

Preferência legal dos ciclistas nem sempre é respeitada entre os motoristas. Foto: Diego Redel.

Preferência legal dos ciclistas nem sempre é respeitada entre os motoristas. Foto: Diego Redel.

Um grupo foi pelo trajeto Norte e outro, pelo Sul. Em ambos, as bicicletas chegaram primeiro. Os tempos de deslocamento também foram os mais baixos em cada grupo.

No trajeto Sul, a bicicleta conseguiu a maior velocidade média em seu grupo, de 20,58 km/h. No Norte, a moto alcançou a maior velocidade média, mas a bicicleta ficou em segundo.

No levantamento final, a ViaCiclo chegou ao comparativo de gasto de R$ 5,14 para o carro que fez o trajeto Norte, enquanto as bicicletas não tiveram custos. Contando todas as variáveis – incluindo a avaliação dos participantes – as bicicletas tiveram a melhor média final: nota 8,96 da bicicleta do trajeto Norte contra 2,71 do carro do trajeto Norte.

Lei dá prioridade aos ciclistas

Para o diretor administrativo da ViaCiclo, André Soares, o desafio ratifica o que já se imaginava:

– Não foi surpresa para nós a bicicleta ser mais eficiente perante os itens determinados. O teste já tem sido feito em outras cidades, e o resultado é sempre positivo para esse meio de locomoção.

Além do que foi estudado no teste, Soares também destacou a facilidade de estacionar a bicicleta. Com um cadeado, o ciclista consegue amenizar o perigo de roubo. Como ele lembrou, o risco também existe para os carros.

Soares ressaltou, ainda, que falta segurança aos ciclistas e nem sempre a lei de trânsito – que dá a preferência a quem está de bicicleta – é cumprida.

Mesmo assim, os ciclistas já perceberam que a opção pode ser a melhor no trânsito. Jader Asanuma está vendendo sua motocicleta por medo de um acidente. A opção foi pela bicicleta.

– Faço compras para o restaurante onde trabalho de bicicleta. É muito diferente uma queda de moto e uma queda de bicicleta. Fico ligado nos cruzamentos e geralmente dou o lado, mas de bicicleta é mais tranquilo – afirmou.

Por Lilian Simioni

Pedalando. Capital possui 18,5km de ciclovias e ciclofaixas.(Veja em .pdf)

Mudança cultural é passo obrigatório

O colombiano Ricardo Montezuma, que trabalha com a questão da mobilidade urbana, com foco no transporte por bicicletas em várias cidades do mundo, palestrou em uma convenção ontem, na Capital. Ele apontou três fatores como essenciais para que uma sociedade adote a bicicleta como meio de transporte.

A mudança cultural de pessoas que usam bicicletas e de quem usa carros, inclusive com aportes financeiros, é o primeiro ponto. Depois, Montezuma destacou a vontade política e a infraestrutura de planejamento.

Para ele, na maioria das cidades da América Latina os problemas de falta de segurança são os primeiros que inibem o uso do meio de transporte. Montezuma lembrou que é importante destacar o que já existe na cidade. Em Florianópolis, por exemplo, ele citou a ciclovia da Avenida Hercílio Luz. O passo seguinte é persistir com os projetos, incrementando as ações sem buscar pretextos para abandonar o plano.

– Se a ciclovia não funciona bem é porque algo está errado. Não é possível fazer uma cidade onde todos andam de carros, mas é possível fazer uma cidade em que todos andem de bicicleta, a pé ou de transporte coletivo – avaliou.

Capital tem projeto para mais de 27 quilômetros

Segundo a arquiteta do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf), Vera Lúcia da Silva, em Florianópolis a projeção é positiva. Entre ciclovias e ciclofaixas executadas, em execução ou para serem aprovadas, são aproximadamente 27,4 quilômetros de extensão no programa chamado Rotas Inteligentes.

– É fundamental o investimento em campanhas educacionais para a sensibilização da população sobre as vantagens no uso da bicicleta e o trânsito seguro – concluiu.

Dicas para iniciantes

> Faça o trajeto inicialmente em um domingo, dia com menor movimento de carros

> Observe e estude as ruas, os cruzamentos e as faixas de pedestres. Compare as rotas e identifique qual a melhor. A locomoção diária de bicicleta exige conhecimento e habilidade

> Para tornar a locomoção mais agradável, encontre alguém para fazer a rota com você. Isso cria um vínculo de socialização

> Utilize uma bicicleta adequada, regulada e confortável

> Conheça as leis de trânsito, que são favoráveis ao ciclista

> Onde não houver ciclovia, tenha cuidado. Ande do lado direito, mas permita que o motorista enxergue que você está na rua

> É conveniente o uso de capacete e espelho retrovisor

> Prepare-se e persista ao longo do tempo

%d blogueiros gostam disto: