Bicicletada Junina em Florianópolis

A Bicicletada Floripa alia-se aos festejos populares para celebrar a cultura em meio às duas rodas. Em meio à tradição, traz as prerrogativas de um meio de transporte também tradicional, com a perspectiva de que, no futuro, essa sábia e ecológica forma de locomoção esteja inserida, cada vez mais, na vida dos cidadãos.

Sim, porque bicicleta é saúde, bicicleta é socialização, bicicleta é fluidez, é deslocamento, é economia, é parte intrínseca da solução para melhorar a mobilidade urbana nas cidades.

Floripa 2009-06-26

A Bicicletada deste mês vai sair esta sexta-feira, 26 de junho, do tradicional ponto de encontro (em frente à Concha Acústica da UFSC e ao CCE/Básico), às 19h. A concentração começa a partir das 18h.

Traga seus amigos e parentes. Se puder, venha trajado à rigor (o velho rigor caipira, claro!). Venha pedalar num ritmo leve e conhecer as ruas da sua cidade sob um ângulo poucas vezes notado. Compartilhe novas experiências. Divirta-se!

10 razões para fazer o Audax Floripa

Já estão terminando as inscrições para o Audax Floripa, que vai ser realizado domingo que vem, dia 28 de junho.

Serão quatro centenas de ciclistas que percorrerão 200km pelas ruas de Florianópolis.

Abaixo, listamos 10 razões para você participar do Audax:

1 – O Audax é uma das provas mais tradicionais do ciclismo mundial, contando com mais de um século de existência.

2 – O ciclista Márcio May, que já defendeu o Brasil em três Olimpíadas, é convidado especial e vai participar do Audax Floripa.

3 – A ilha de Santa Catarina [a despeito das obras que enfeiam a paisagem urbana] é um dos locais mais belos do Brasil, com bastante natureza, arquitetura típica dos tempos da colonização açoriana e opções culturais cada vez mais variadas.

4 – A altitude da prova vai variar entre o nível do mar até 75m. Apenas 75m. E não vai passar pelo morro da Lagoa!

5 – Você terá até 13h30min para testar seus limites e curtir Florianópolis com novos e velhos amigos. E pedalando!

6 – É uma chance de ouro para você conhecer Florianópolis sob ângulos poucas vezes observados.

7 – A organização desta edição promete PC’s bem abastecidos aos competidores!

8 – Você vai passar por lugares bastantes agradáveis durante o percurso: além de beirar o mar durante vários quilômetros, você passará por localidades tão singelas (Santo Antônio de Lisboa, Ribeirão da Ilha) que nem se dará conta de que estará numa capital brasileira. Além de pedalar às margens da famosa Lagoa da Conceição!

9 – A prova não tem natureza competitiva! Todos os que terminam um Audax são considerados vencedores.

10 – É dos poucos eventos do ciclismo onde o espírito de solidariedade predomina! Você não vê o outro ciclista como um rival em busca da vitória, mas sim como parceiro e incentivador para se completar a prova.

E, então, o que está esperando?

Audax 2009-06-28

Blumenau prepara-se para a segunda Bicicletada

Neste sábado, 20 de junho, vai ocorrer em Blumenau a segunda edição da Bicicletada local. O ponto de encontro será o Parque Ramiro Ruediger, às 10h.

A Bicicletada está prevista para acontecer em qualquer condição climática.

Blumenau 2009-06-20

A primeira edição da Bicicletada local ocorreu no dia 9 de maio e, mesmo com o tempo nublado, reuniu cerca de 15 ciclistas, que pedalaram pela região central da cidade.

Quer saber mais? Visite a página da Bicicletada Blumenau ou então participe das discussões através da comunidade do orkut.

Audiência pública sobre ciclovia na Lagoa

Quem acompanha o blogue já sabe: está prevista para acontecer nesta quinta-feira, dia 18 de junho, às 19h, na sede da Associação de Moradores do Porto da Lagoa (AMPOLA), na R. Laurindo Januário da Silveira nº5500, uma audiência pública sobre a construção da ciclovia na Lagoa da Conceição.

É provável a presença do vice-prefeito João Batista Nunes, que também ocupa a secretaria municipal de Transportes, Mobilidades e Terminais. Além dele, devem comparecer vereadores e convidados da Câmara.

Ausências notáveis ficam por conta o prefeito Dario Elias Berger, que se encontra em Stuttgart, na Alemanha, num congresso mundial sobre mobilidade urbana (Cities for Mobility World Congress), e da arquiteta do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf) responsável pelo projeto da ciclovia na R. Ver. Osni Ortiga, que se encontra no mesmo congresso.

Vale lembrar que, em abril deste ano, Florianópolis realizou a primeira Semana Internacional da Bicicleta, um encontro regional preparatório visando à esse evento mundial.

A R. Ver. Osni Ortiga, que liga os bairros do sul da Ilha de Santa Catarina à Lagoa da Conceição, é onde, devido à precariedade e inexistência de calçadas e aos perigos que as altas velocidades praticadas por motoristas imprudentes infligem aos ciclousuários, os moradores estão concentrando os esforços para que se começe a implementar uma infraestrutura cicloviária decente na Lagoa da Conceição.

Desde abril deste ano, são realizados passeios ciclísticos e Bicicletadas na região para chamar a atenção do poder público para as condições da via e para alertar os motoristas para a existência da circulação de bicicletas e para que se respeite o que está escrito no Código de Trânsito Brasileiro.

Errata: o vice-prefeito João Nunes Batista não poderia comparecer à audiência pública por se encontrar em Brasília, DF.

Relato do Passeio Ciclístico da Lagoa

Quando eu saí da reunião da AMPOLA em que foi decidida a realização do Passeio Ciclístico da Lagoa da Conceição, mal poderia imaginar o sucesso que ele teria.

Nos dias anteriores, consertei o pneu da minha bike e mandei-a para a revisão. Às vésperas, comecei a preparar uma plaquinha para chamar a atenção e separei o meu apito. Instantes antes de sair de casa, vesti meu colete refletivo e, minutos depois, dirigia-me ao ponto de encontro do passeio, na sede da Associação de Moradores do Porto da Lagoa, distante 13km. Lá, terminei de montar minha bicicleta e minha plaquinha e coloquei a camiseta em alusão à ciclista Márcia Prado. Termina aqui a minha história pessoal.

Acontece que havia bastante gente mesmo na concentração. Grupos de crianças e adolescentes conversavam ao lado ou sobre as suas bicicletas. Repórteres procuravam a quem entrevistar em meio ao mar de duas rodas. Algumas pessoas portavam mensagens às costas: “Na Osni de bike é um perigo”, “A pé ou de bike na Osni? Tás tolo?!”, “- Poluição, + Exercício físico!!!”, “Passeio na Osni é só para carros?”. Teve também a célebre “Seja gentil com o ciclista PORRA!!!”, ironia inspirada nesta placa dos Sombra Bikers.

Pessoas concentradas na sede da AMPOLA. Foto: Caminhos do Sertão.

Pessoas concentradas na sede da AMPOLA. Foto: Caminhos do Sertão.

A palavra da população. Foto: Ciclista Fabiano.

A palavra da população. Foto: Ciclista Fabiano.

Placas de ironia e de informação. Foto: Ana Carolina Vivian.

Placas de ironia e de informação. Foto: Ana Carolina Vivian.

Mídia: Patrola. Foto: Ciclista Fabiano.

Mídia: Patrola. Foto: Ciclista Fabiano.

Às 15h30 saímos e logo estávamos a caminho do centrinho da Lagoa. Éramos, então, 144 ciclistas, sendo que mais gente chegou pedalando durante o percurso. Contávamos com o apoio de duas motocicletas da Guarda Municipal de Florianópolis (GMF), que íam à frente dos ciclistas, e com mais uma outra viatura atrás.

Parando e observando à beira da Lagoa, era impossível não perceber a diferença da Osni Ortiga ocupada pelos ciclistas, um espaço público servindo à saúde, bem-estar e sociabilização da população, e da Osni Ortiga imediatamente após à viatura da GMF, um espaço público privatizado por uma máquina de 1ton que carregava, em mais de três quartos (75%) das vezes, apenas uma única pessoa, situação antiecológica, antissociabilizante e estimuladora do sedentarismo e de seus males.

A Osni Ortiga embelezada, servindo à saúde e ao lazer da população. Foto: Caminhos do Sertão.

A Osni Ortiga embelezada, servindo à saúde e ao lazer da população. Foto: Caminhos do Sertão.

Eu perguntava às pessoas em volta sobre o passeio. A sensação de bem-estar era unânime. “Podia ter isso sempre!”, disse-me Neuza, uma mulher com roupa clara. “Pedalar assim é tão bom!”, falava uma moça de camisa lilás.

Tomando o centrinho da Lagoa, onde mais ciclistas se juntavam ao grupo, a curiosidade nas lojas e bares era geral. E olha que a Lagoa já é naturalmente cheia de bicicletas…

No centrinho da Lagoa. Foto: Caminhos do Sertão.

No centrinho da Lagoa. Foto: Caminhos do Sertão.

A primeira parada deu-se próximo ao Terminal de Integração da Lagoa (TILAG). Fato desconhecido da população: O TILAG tem bicicletário! São mais de 30 vagas! No dia, apenas duas magrelas dividiam o espaço com cinco motos e alguns bancos “de praça” e poltronas de madeira (!).

Passagem pelo TILAG. Foto: Caminhos do Sertão.

Passagem pelo TILAG. Foto: Caminhos do Sertão.

Motos no bicicletário? Foto: Ciclista Fabiano.

Motos no bicicletário? Foto: Ciclista Fabiano.

Banco no bicicletário? Foto: Ciclista Fabiano.

Banco no bicicletário? Foto: Ciclista Fabiano.

Metade do caminho percorrido, era hora de voltar.

Logo ao readentrarmos a Osni Ortiga, amostra da imprudência dos motoristas e desconhecimento dos motoqueiros quanto à legislação de trânsito. Atrás do carro da GMF, cerca de quatro estressadinhos (estresse?? quem mandou não estar de bike! rsrs) buzinavam forte, ao que o meu apito fazia “coro” para uma melhor consonância dos sons…

Alguns desses, contrários às ordens da guarda, passaram a viatura e seguiram na contramão. Um deles por muito pouco não acertou algumas das crianças!

Quanta infantilidade por trás de um volante! Infelizmente, quem pedala na região sabe: esse não foi um caso isolado.

Dessa vez, a GMF foi atrás. Mas é uma pena que tem pipocado casos em Santa Catarina onde apenas um corpo ao lado de uma bicicleta é encontrado, enquanto motoristas covardes fogem sem prestar os primeiros socorros.

Uma parada sob o pôr-do-Sol à beira da Lagoa, água pra todo mundo e brindes sorteados.

Bicicletas à beira da Lagoa da Conceição. Foto: Ciclista Fabiano.

Bicicletas à beira da Lagoa da Conceição. Foto: Ciclista Fabiano.

Finalizou-se o passeio no retorno à sede da AMPOLA. Destaque para a Guarda Municipal, que, mesmo após umas críticas quando do começo do passeio, se redimiu completamente e foi ovacionada ao sair.

O passeio acabou por aí, mas eu, o Juliano e o casal Ana Carolina e André fomos ainda assistir ao ocaso do Sol na trilha de acesso ao Gravatá, onde nos alimentamos com o lanche que o Juliano comprou com o vale-compras que recém-ganhara.

DSC05692

A caminho do Gravatá. Foto: Ciclista Fabiano.

A volta ao lar ainda me reservaria mais uma surpresa, mas isso vai ficar para uma ocasião mais oportuna.

Por Fabiano Faga Pacheco

Saiba mais:

Veja como foi o primeiro Passeio Ciclístico da Lagoa.

Relatos:

Bicicleta na Rua
Jornal da Lagoa
Jornal Notícias do Dia
Movimento Ciclovia na Lagoa Já

Fotos:

Ana Carolina Vivian
Caminhos do Sertão
Ciclista Fabiano

Vídeos:

Bicicleta na Rua
Daniel de A. Costa
Lagoa Virtual
Patrola – RBS TV/Globo

Problemática:

Bicicleta na Rua
Caminhos do Sertão
Jornal da Lagoa
Jornal Notícias do Dia
Movimento Ciclovia na Lagoa Já

Pedalada e audiência pública por ciclovia

Ocorrerá neste sábado, 13 de junho, mais uma ação dos moradores da Lagoa da Conceição para pressionarem as autoridades a construírem ciclovia em toda a extensão da R. Ver. Osni Ortiga, obra que já tem projeto pronto, e a implementarem uma infraestrutura cicloviária na região.

A concentração da pedalada será na sede da Associação de Moradores do Porto da Lagoa (AMPOLA), na R. Laurindo Januário da Silveira 5500, próximo à igrejinha do Porto da Lagoa, a partir das 14h30. Os ciclistas sairão para pedalar às 15h em percurso definido na hora pelos participantes. O pedal lúdico-educativo, em ritmo tranqüilo, é gratuito e aberto a quem quiser participar.

Floripa - Lagoa da Conceição 2009-06-13

Essa pedalada, por uns chamada de Passeio Ciclístico da Lagoa, mas que se constitui, na verdade, em uma versão da Bicicletada de Florianópolis, com sua estrutura rizomática e horizontal, tem uma importância estratégica para a realização dos anseios da comunidade. Na semana seguinte está programada uma audiência pública que contará com a participação de representantes da Prefeitura e da Câmara de Vereadores, e também do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF).

Por esses motivos, além da óbvia vantagem que a bicicleta proporciona ao corpo, à mente, à saúde, à sociabilização e ao trânsito, essa pedalada é quase imperdível!

Saiba mais:

Entenda a problemática em torno dessa questão.

Bicicleta na Rua
Caminhos do Sertão
Jornal da Lagoa
Jornal Notícias do Dia
Movimento Ciclovia na Lagoa Já

Pedale pelas trilhas da Grande Florianópolis

A reportagem abaixo foi publicada no jornal universitário Zero em abril de 2008. Você pode conferir a matéria em .pdf aqui ou aqui.

Zero abril 2008 - logoTrilhas mapeadas auxiliam ciclistas pelas matas de Florianópolis e região

Uma sequência de subidas e descidas, mais subidas do que descidas. A lama do percurso faz a bicicleta patinar e exige um esforço maior das pernas já cansadas em pedalar. O calor era sufocante. Ao chegar ao topo, sob a sombra de goiabeiras e araçazeiros, a vista para as praias do Norte da Ilha compensa todo o esforço e mostra como um passeio desse pode dar prazer. A trilha de Ratones-Vargem Pequena, que passa pelo terreno do qual foi retirada a terra para a construção da SC – 403, é dura, mas representa a essência do Mountain Bike.

Um grupo de ciclistas criou um novo estilo de ciclismo que fazia trilhas em montanhas e estradas de terra da Califórnia. Esta prática aos poucos foi ficando popular e com o tempo provas começaram a ser organizadas. No Brasil o esporte só começou a surgir nos anos 80, quando foram feitos os primeiros campeonatos. Em Santa Catarina um dos pioneiros foi o publicitário Luiz Marcos Peixoto, 37 anos. Em 1987, Peixoto já fazia trilhas em Florianópolis com uma bicicleta adaptada, cujas peças havia retirado de uma “Caloi 10”, primeira bicicleta com marchas a ser produzida e comercializada no Brasil. O publicitário garante que só ficou sabendo mesmo o que era Mountain Bike em 89, quando ao passar por uma banca viu uma revista especializada falando sobre o esporte que ele já praticava há algum tempo.

Mapeamento de trilhas garante descoberta de novas paisagens de Florianópolis. Foto: Cauê Oliveira.

Mapeamento de trilhas garante descoberta de novas paisagens de Florianópolis. Foto: Cauê Oliveira.

Ao ver uma picada aberta no meio da mata, Peixoto se arrisca sobre ela e vai descobrindo um novo caminho. No sábado, véspera de Páscoa, a equipe do Jornal Laboratório ZERO acompanhou uma dessas aventuras. Peixoto foi por um caminho diferente e acabou encontrando uma outra trilha já usada por ciclistas que praticam o downhill, um tipo de Mountain Bike descida abaixo em alta velocidade e que proporciona momentos de radicalidade extrema. O publicitário anota todas as novas coordenadas através de um GPS e um bloco de anotações que carrega junto à sua bicicleta e depois disponibiliza a nova rota na Internet.

Com isso, o publicitário desenvolveu o site TrilhasBR (www.trilhasbr.com.br), em novembro de 2007, mapeando as trilhas de Florianópolis e região. Assim, os “trilheiros” de outras partes do Brasil e até do mundo podem fazer turismo de aventura na cidade.

Nele, o internauta encontra mapas, planilhas e coordenadas GPS de onze trilhas espalhadas por toda a ilha e continente. O site contém o maior número de informações sobre lugares para se praticar Mountain Bike em Florianópolis na rede, além de fotos e imagens de satélite. “Com o site, procuro dar total segurança no que se refere à localização exata das trilhas e suas dificuldades”, explica Peixoto. “Além dos cuidados e dicas para se fazer uma boa trilha, como os equipamentos de segurança e o tipo correto de bicicleta para cada pessoa e prática”, complementa.

Por Márcio Barcellos

Trilha Ratones-Vargem Pequena

%d blogueiros gostam disto: