Massa Crítica Floripa de agosto

Agosto costuma ser conhecido como mês do desgosto.

Mas pode ser também um mês de esperança.

É um mês em que vimos a expansão do programa Florianópolis em Movimento, com ampliação de horários e mesmo locais diferentes da elitizada Beira-Mar Norte.

É um mês em que vimos o desarquivamento de projeto de lei sobre transporte de bicicleta em veículos de transporte coletivo.

Foi um mês de seleção de entidades mediante edital para a implementação do “Bicicleta nos Planos”.

Um mês de novidades para quem vai participar do Bicicultura 2017, em Recife.

Um mês em que se discutiu as relações e inter-relações entre a mobilidade urbana e o Plano Diretor de Florianópolis.

Mas é também um mês de reflexão.

Completam-se cinco anos desde a morte de José Lentz Neto, atingido quando pedalava na Av. Madre Benvenuta.

Avenida que deveria ter ciclovia em toda a sua extensão há uma década.

E completa-se mais um mês desde que ruas como a Dante de Patta, Ivo Silveira, Jorge Lacerda e Pref. Waldemar Vieira deveria ter um espaço exclusivo para o ciclista sem o terem.

Até quando obras que deveriam ser primordiais continuarão a serem tratadas como complementares?

Por isso e para isso é que rodas giram. E não deixarão de girar tão cedo.

:: Confirme sua presença na Bicicletada Floripa de agosto

“A concentração começa às 18 horas de sexta, dia 25 de agosto. Com ou sem vento, mas com muito calor humano, vamos aquecer as ruas de Floripa e ocupar as vias congeladas pelos carros. Quebraremos o gelo e transformaremos a cidade numa MASSA CRÍTICA PEDALANTE.

Às 20h saímos.
O percurso será decidido por todes lá presentes.

Temática do mês??? SUGESTÕES?

O que é massa crítica?
A massa crítica é uma celebração da bicicleta como meio de transporte que ocorre em mais de 300 cidades ao redor do mundo. Ela acontece quando dezenas, centenas ou milhares de ciclistas se reúnem para ocupar seu espaço nas ruas e criar um contraponto aos meios mais estabelecidos de transporte urbano.

O que queremos?
Mais segurança, mais ciclovias, mais respeito e principalmente mais amor.

Concentração: a partir das 18h / Saída: 20h

Trajeto: a definir no decorrer da concentração

Local: Pista de skate do bairro Trindade (em frente ao shopping Iguatemi)”

 

Anúncios

Amobici promove sua primeira BiciFesta em Florianópolis

Criada em abril deste ano, a AMoBici – Associação Mobilidade por Bicicleta e Modos Sustentáveis promoverá neste domingo, dia de 6 de agosto de 2017, sua primeira atividade ao ar livre, com a realização da 1ª BiciFesta. O evento irá ocorrer no bolsão oeste da Av. Poeta Zininho, a Beira-Mar do Estreito, entre 13h e 17h.

:: Confirme sua presença pelo Facebook!

Para os ciclistas, será uma oportunidade extra de aproveitar a Ciclofaixa de Domingo no vizinho bairro Coqueiros e ainda desfrutar de um espaço com músicas e várias atividades voltadas aos amantes dos pedais.

Naquele espaço ainda subutilizado pela população e com uma das melhores vistas da Baía Norte, poder-se-á encontrar desde uma feira live de peças novas, seminovas e usadas até uma oficina comunitária para aprender a fazer pequenos reparos na sua bicicleta. Para as crianças, uma minicidade montada proporcionará o ambiente prefeito para a Escolinha de Bike. Para os fãs do desporto, a galera do Bike Polo estará na área jogando e ensinando essa modalidade. E se você não tem bicicleta, tudo bem! Poderá alugar uma lá mesmo ou então dispor dos serviços do Ciclotáxi Desterro!

Motivos não faltam para você não comparecer!

Veja abaixo o release divulgado:

Quer conhecer a nova associação de ciclistas da cidade? Vem pra BiciFesta!
Tem uma bike precisando de um trato? Vem pra BiciFesta!
Seu filho quer treinar pedal em um lugar seguro? Vem pra BiciFesta!

A BiciFesta foi preparada com carinho pela Amobici, a nova associação de ciclistas de Florianópolis.

Atrações confirmadas (e GRATUITAS):
+ Ciclotaxi Desterro
+ Oficina comunitária Guerrilla Bike
+ Escolinha de Bike
+ Bike Polo

Também vai rolar:
+ Aluguel de bicicletas e centopéia
+ Feira livre de peças

E o que mais?
Multirão de associação à Amobici, com a camiseta exclusiva + anuidade por R$ 40.

Imperdível, né? Vai lá!

Local: Estacionamento da Av Claudio A. Barbosa 24 (beira mar do estreito) https://goo.gl/maps/CtTJMkEPByP2

Encontros de sábado

Dois eventos de confraternização prometem juntar ciclistas dos mais diferentes perfis na Grande Florianópolis neste sábado, 1º de julho de 2017. Enquanto em Florianópolis, o Guerrilla Bike Coletivo promove oficina comunitária, com workshop, troca de peças e rodas de conversa, na Palhoça acontece o arraiá do Alemão Bike Shop, com música ao vivo e presença de food bikes.

Confira abaixo mais informações sobre os eventos:

IV Oficina Comunitária Guerrilla Bike Coletivo

:: Confirme sua participação no Facebook!

Guerrilla Bike Coletivo apresenta mais uma edição da Oficina Comunitária + Giro de Peças + Rodas de conversa + Campanha do agasalho, etc.

Tragam suas bikes pra fazermos ajustes e pequenos reparos totalmente grátis, e também suas peças encostadas pra vender, trocar, doar…

Workshop de remendo de pneu furado, check up da bicicleta, dicas para pedalar com mais segurança no trânsito, como resolver pequenos problemas na bike de maneira rápida, uso correto das marchas, altura do selim, etc.

As temperaturas mais baixas se aproximam. Pensando nisso, estaremos recebendo agasalhos para que no decorrer da semana seguinte possamos distribui-los a pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Local: Restaurante Universitário da UFSC
Data: 01/07 — Sábado
Horário: 10:00 – 15:00

Só chegar galera, tudo free! Vamo dale!”

Arraiá Alemão Bike Shop

:: Confirme sua presença no Facebook!

“Arraiá de ofertas será um dia de arraiá na loja Alemão bike Shop de Palhoça onde além dos descontos especiais e do bate papo entre amigos, teremos 3 food bikes excelentes para o pessoal passar o dia, a tarde ou um happy hour especial ao lado dos amigos do ciclismo.

O Alemão Bike Shop situa-se na Av:. Elza Luchi 121, no centro da Palhoça.

Estão confirmadas as food bikes Monareta, famosa pelas pizzas do Guilherme Ribeiro Pinto, El Gato Churro Ice Cream, com o seu diferente prato que dá nome à marca, e a Maria Cervejeira, que, para os menos ébrios, dispensa apresentações.

 

Exibição de “Bike vs Cars” em Florianópolis

Diálogos Urgentes debate a “mobilidade urbana” com sessão comentada do doc. “Bikes vs Cars”

A mobilidade urbana é um grande desafio das cidades contemporâneas em todo o mundo e um tema urgente a ser discutido pela sociedade. Para fomentar a reflexão sobre este assunto, o Sesc em Santa Catarina promove na próxima edição do projeto Diálogos Urgentes, no dia 28/06, sessão do documentário “Bikes vs Cars”, do cineasta sueco Fredrik Gertten, seguida por debate com convidados ligados ao tema do filme e comunidade. A programação é gratuita e acontece toda última quarta-feira do mês nos teatros do Sesc em Chapecó, Florianópolis, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joinville, Lages e Laguna, às 19h. (+http://ww2.sesc-sc.com.br/evento/3458/null)

“Bikes vs Cars” apresenta um novo modo de mobilidade urbana. O roteiro também discute a enorme cadeia econômica dependente do carro e mostra como a indústria automobilística influencia nas políticas públicas das cidades e como a bicicleta começa a mudar uma parte desse jogo. Gravado em São Paulo (Brasil), Los Angeles (EUA), Toronto (Canadá) e Copenhague (Dinamarca), o audiovisual mostra realidades completamente diferentes, desde a luta por incluir o uso da bicicleta no dia a dia das pessoas em São Paulo até Copenhague, cidade que é referência internacional em mobilidade urbana.

O projeto Diálogos Urgentes iniciou em abril e segue até novembro, com o objetivo de favorecer o diálogo entre grupos, coletivos, agentes, estudantes e sociedade. As obras audiovisuais selecionadas para exibição levantam temáticas como loucura e arte, bullying, racismo, mobilidade urbana, feminismo, ditadura militar, formação do indivíduo, entre outros, que serão debatidos por convidados ligados aos assuntos e comunidade.

“Com esta ação, o Sesc abre um espaço de diálogo na sociedade. As temáticas em pauta se tornam cada vez mais urgentes de serem debatidas, para que a reflexão traga novos horizontes ao mundo contemporâneo. Promover essas discussões, por meio do cinema, estimula o cidadão no que diz respeito ao desenvolvimento da sua percepção do mundo e incentiva a formação de uma consciência crítica”, declara Maria Teresa Piccoli, gerente de Cultura do Sesc/SC.

SINOPSE “BIKES VS CARS”
Em tempos de uma crise generalizada, é necessário relacionar algumas discussões no que tange ao clima, recursos naturais e cidades. A indústria automobilística cresce desenfreadamente. Ciclistas militantes buscam mudanças radicais na mobilidade das grandes cidades. As diferenças no uso de bicicletas e de carros são gritantes em comparação entre algumas cidades, como São Paulo e Copenhague. Direção: Fredrik Gertten; Gênero: Documentário; Nacionalidade: Suécia.

Mais informações:

Sesc em Chapecó – Rua Brasília, 475-D – J. Itália (49) 3319.9100
Sesc em Florianópolis (Prainha) – Travessa Syriaco Atherino, 100 – Centro, (48) 3229.2200
Sesc em Itajaí – Rua Almirante Tamandaré, 259 – Centro (47) 3249.3850
Sesc em Jaraguá do Sul – Rua Jorge Czerniewicz, 633 (47) 3275.7800
Sesc em Joinville – Rua Itaiópolis, 470 – Centro (47) 3441.3300
Sesc em Lages – Av. Dom Pedro II, 1693 (49) 3222.3936
Cine Teatro Mussi em Laguna – Rua Osvaldo Cabral, 165 – Centro Histórico (48) 3644.015

Fonte: SESC SC, em 22 de junho de 2017.

Bicicletada Floripa de março uniu ciclistas de vários grupos e matizes

Em muitas das cidades em que ocorre, a Bicicletada costuma ser uma confraternização de diversos grupos de ciclistas, com diferentes afinidades e objetivos. Em Florianópolis, excetuando-se em situações excepcionais, como em pedais unificados ou nas tristes ocasiões de instalação de bicicletas-fantasmas, essa união de que se move sobre duas rodas não costuma ocorrer.

Não costumava. Desde o começo do ano, a Bicicletada Floripa tem sido constituída por uma profusão de pedalantes com características bastante distintas entre si. E em março essa situação ficou bastante evidente.

Teve ciclista de grupo de pedal noturno, cicloativista de carteirinha, cicloturista. Teve bicicleta fixa, moutain bike, speed, bmx, urbana e até mesmo bicicleta de supermercado! Teve ciclista hipster, bike polista, bike anjo. Teve ciclista de associação e cicloanarquista. Teve até ciclista que se fez de Bob Marley!

Teve ciclista dos Ingleses, do continente e do Morro das Pedras. Teve ciclista mecânico e cicloempreendedor. Teve ciclista que estava desde o começo e ciclista que entrou no caminho. Teve alegria e teve diversão.

Marcada para iniciar às 19h, a Bicicletada Floripa saiu com mais de duas horas de atraso. Mas foi por um bom motivo. As gêmeas Josi e Josi, que haviam chegado na capital catarinense havia apenas duas semanas, iriam inaugurar as suas bicicletas. Compradas numa grande rede de supermercados, estavam em condições impróprias para uso. Coube ao coletivo Guerrilla Bike mostrar por que os caras que promovem oficinas comunitárias são feras no uso das biciferramentas.

:: Veja o evento no Facebook!

Sem lideranças – e como poderia haver com essa junção da ciclodiversidade? -, a definição do caminho foi demorada, mas ajeitada. No final da noite, eles teriam passado pela Av. Madre Benvenuta, Rodovia Admar Gonzaga, R. João Pio Duarte Silva e Av. Dep. Antônio Edu Vieira.

Sim, o trajeto era curto. Mas a noite também se aproximava para o fim, assim como certamente será o uso das magrela atuais das Josis. Se a noite permitisse, seguir-se-ia até o Pomar dos Ciclistas, na Via Expressa Sul.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas nem tudo são flores. Assim como nenhuma Bicicletada é igual à outra, nesta estariam reservadas algumas surpresas. E nem se fala das surpresas negativas com maus motoristas, como um que tentou jogar o carro contra ciclistas na frente da FIESC, advindo de uma via coletora, ou ainda o absurdo que o Fiat negro de placa MIJ 4939 fez próximo ao Parque Ecológico do Córrego Grande, quase atingindo um veículo ao andar na contramão.

Situação comum neste ano, a Bicicletada Floripa tomou as ruas. Ao menos quarenta ciclistas, em algum momento, estiveram pedalando nesta edição da Massa Crítica. Enquanto um anjo passava orientações para uma das Josis e Bob Marley fazia sair um som de sua magrela, as ruas eram completamente tomadas. Por vezes, abria-se espaço para a passagem de motociclistas e de motoqueiros. Em um trecho carente de transporte coletivo, apenas duas vez se fez necessário abrir espaço para a passagem de veículos, sendo apenas um ônibus a passar.

Se as ruas são como vasos sanguíneos, as artérias de Florianópolis estão entupidas. A angiogênese não vai ser solução se a cidade não repensar seu modelo de transporte. Abertura de novas vias serão novos caminhos para as gorduras que poluem esse organismo vivo. Não há hematose que dê conta de tamanha saturação de CO2!

Já passava das 23h quando a chuva começou a apertar. Faltavam ainda cerca de dois quilômetros para o pomar. Não houve jeito e a decisão foi por se abrigar. E pela primeira vez em sua história a Bicicletada acabou… em um posto de gasolina! Um posto tão amigo dos ciclistas que as bombas de ar comprimido só funcionam mediante pagamento. Não que isso fosse um problema. Entre o octano e o álcool, a opção pelo etanol do estabelecimento ao lado fez com que mal se percebesse a benção aguada de São Pedro, que acabou por fazer com que mais ciclistas ainda partilhassem desse momento sublime que é a Massa Crítica.

Bicicleta roubada no bairro Santa Mônica é recuperada

O Jornal Notícias do Dia, edição online da Grande Florianópolis, publicou matéria sobre a prisão de um ladrão após cometer dois furtos na mesma manhã. Um dos objetos recuperados trata-se de uma bicicleta Caloi. A matéria, publicada no dia 3 de abril de 2017, às 8h54, pode ser encontrada aqui.

Homem é preso por furto duas vezes no mesmo dia em Florianópolis

Intervalo entre as duas ocorrências foi de apenas quatro horas na manhã deste domingo

Um homem de 29 anos foi preso duas vezes neste domingo (2) em Florianópolis. De acordo com a Polícia Militar, o intervalo entre as ocorrências foi de apenas quatro horas, durante a manhã.

A primeira ocorrência aconteceu às 7h15, quando a polícia desconfiou da atitude do homem que estava na avenida Beira-Mar Norte com uma bicicleta e uma caixa de ferramentas. Ao ser abordado, ele confessou que a bicicleta havia sido roubada no bairro Santa Mônica, enquanto que as ferramentas foram furtadas no Rio Tavares.

A polícia deu voz de prisão ao suspeito e ele foi encaminhado para a delegacia, para os procedimentos legais. No entanto, em rondas, a guarnição localizou novamente o criminoso andando no bairro Santa Mônica, por volta das 11h. Ele estava com uma lavadora de alta pressão dentro de um saco de lixo e, durante a nova abordagem, confessou que havia acabado de roubar o objeto de uma loja.

Os policiais conseguiram contato com os donos do estabelecimento, que confirmaram a versão do suspeito. Ele foi encaminhado novamente para a delegacia e, desta vez, ficou detido.

O homem confessou o roubo da bicicleta, das ferramentas e também de uma lavadora de alta pressão. Foto: Polícia Militar/Divulgação/ND.

Surge a Amobici

O relógio marcava dezenove horas e quarenta e três minutos quando teve início a Assembleia Geral que daria origem à mais nova representação formal de ciclistas do Brasil. Vinte adultos – e mais duas crianças, além de três bicicletas – ocupavam o Salão Pitangueira do Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina, aos cinco dias de abril deste ano, para presenciarem o fato histórico.

Se lá fora, no hall do gigante equipamento da maior universidade catarinense, a alegria tomava conta dos futuros formandos do curso de Ciências da Computação, dentro da sala mais ao sul do prédio a inquietação também dava os seus ares. Em instantes, seria formalizada a criação da Amobici – Associação Mobilidade por Bicicleta e Modos Sustentáveis.

Como que dando a benção das demais entidades cicloativistas do país, a presidência da Assembleia coube a André Geraldo Soares, presidente da União de Ciclistas do Brasil (UCB). O secretariado ficou com Fábio Barbosa Almeida, do Pedal Nativo. Nas cadeiras, pessoas de movimentos, pedaladas e ações diversas no “currículo”. Sinalização Cidadã, Bicicletada Floripa, MobFloripa, Fitzz, Bicicleta na Escola, Ciclotáxi Desterro, Bike Anjo Floripa, Projeto Pedala Floripa, Rede Vida no Trânsito, Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis, Bicicleta na Rua. Nem mesmo a ViaCiclo – Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) foi esquecida. Esta última, apesar de estar em processo de encerramento legal de suas atividades, foi por diversas vezes lembrada nos discursos, pelo pioneirismo de suas ações em Florianópolis e mesmo no Brasil. Graças, em parte, a ela, a Amobici não começará suas atividades do zero. E poderá cobrar a consecução da “Carta Compromisso com a Mobilidade Ciclística de Florianópolis” do Projeto Bicicleta nas Eleições, última atividade da ViaCiclo.

André Geraldo Soares, da União de Ciclistas do Brasil (à direita), preside a reunião de fundação da Amobici, secretariada por Fábio Almeida. Foto: Fabiano Faga Pacheco.

Na reunião, além da criação, foram aprovados o nome da entidade, o estatuto e a primeira diretoria. O posto de primeiro diretor-geral caberá a Luis Antonio Schmitt Peters, que terá ao seu lado Ana Maria Nascimento Destri como diretora administrativa e Rodrigo Herdt, diretor financeiro. Eles serão fiscalizados pelos conselheiros Karla Antunes, Juliana Shiraiwa e Radji Schucman.

A Amobici deve ocupar, com muito mais vigor, o espaço deixado com o iminente fim da ViaCiclo. Deverá ser o suporte burocrático e a pessoa jurídica a zelar pela integridade dos ciclistas de Florianópolis. Deverá ser a voz e a mão de quem pedala por gosto, lazer, prazer, saúde, desporto, turismo, praticidade, economia, necessidade e mesmo ativismo. Ainda mais: deverá ser a voz de quem não pedala por não se sentir seguro, de quem não pedala por não haver melhores condições para isso, de quem não pedala porque a cidade não lhe permite.

A Amobici é oficialmente fundada. Foto: Fábio Barbosa Almeida. Arte: André Geraldo Soares.

A Amobici nasce de um amor incondicional à vida. À vida bem vivida. À vida com saúde. À vida com real sustentabilidade. Que esses pilares que hoje formam a sua essência sigam com ela por toda a sua existência.

Por Fabiano Faga Pacheco

Fotos

Fabiano Faga Pacheco

Veja também:

De Olho na Ilha: Ciclistas de Florianópolis criam associação para incentivar uso da bicicleta como meio de transporte

Prefeito de Florianópolis faz avaliação de propostas de mobilidade

O Jornal Notícias do Dia, versão da Grande Florianópolis, publicou em suas páginas do bíduo 1º e 2 de abril de 2017 uma entrevista com o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB). Na matéria, que pode ser conferida aqui, o prefeito fala para o repórter Felipe Alves sobre o andamento de 26 promessas feitas durante a sua campanha eleitoral após os primeiros três meses de governo.

Enquanto era candidato ao posto de alcaide da capital catarinense, Gean Loureiro foi um dos signatários da “Carta de Compromisso com a Mobilidade Ciclística de Florianópolis”, que foi uma das ações do Projeto Bicicleta nas Eleições, promovido na cidade pela Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis (ViaCiclo) com o apoio da União de Ciclistas do Brasil (UCB). A matéria traz trechos que falam sobre a mobilidade urbana, que foram separados no enxerto copiado abaixo.

Aos três meses de administração, Gean Loureiro avalia andamento de propostas

Separamos 26 propostas feitas pelo prefeito de Florianópolis no ano passado para saber o que será executado.

Neste dia 1º de abril, Gean Loureiro (PMDB) completa o primeiro trimestre à frente da Prefeitura de Florianópolis. O Notícias do Dia separou 26 propostas concretas de diversas áreas apresentadas por Gean durante a campanha eleitoral para saber se, passados os três primeiros meses, será possível efetivar as promessas apresentadas em campanhas. […]

Ex-vereador, deputado estadual, deputado federal e presidente da Fatma, Gean não esconde que dedicou sua trajetória política para estar no cargo em que ocupa hoje. “Eu não posso fraquejar agora diante das dificuldades, senão não estou preparado para ser prefeito”, alega.

AS PROPOSTAS DE CAMPANHA

MOBILIDADE URBANA

– Implantar o Plano de Mobilidade Urbana

“Estamos fazendo estudos para encaminhar. O plano tem que ser debatido para ser construído, mas tem ações que já começam a ser colocados em prática através dos modais que estamos discutindo. Queremos nesse ano ter o plano encaminhado”.

Aterro da Baía Sul. Foto: Flávio Tin/ND.

– Implantar novas ciclovias

“Pedimos para Secretaria de Meio Ambiente e Planejamento e Desenvolvimento Urbano fazer um estudo das rotas cicloviárias e também novas oportunidades de espaços para os ciclistas. Já estamos na fase de estudos da pista da Beira-Mar Norte aos domingos, que deve iniciar em abril. Mas estamos definindo rotas para ciclovias e tentando estabelecer parcerias e formatos para poder concretizar. Não temos meta específica, mas vamos fazer o máximo possível”.

– Ampliar o número de corredores exclusivos ou preferenciais para transporte coletivo

“Isso é o Rapidão [BRTs], que já começamos este mês. Nossa ideia é realizar até 2019 todo o anel viário central e, a partir daí, ampliar para os troncos dos eixos norte, sul e continente”.

– Construir um bicicletário municipal

“Estamos definindo pontos específicos que possam dar segurança e condição de deixar as bicicletas, por que se não fizer isso você não estimula o uso. Estão sendo definidos os pontos e vai ser feito em parceria com a iniciativa privada”.

– Implantar estacionamento de carros e bicicletas junto aos terminais de integração

“Isso deve entrar como parte da estrutura das obras do anel viário. A ideia é poder ter deslocamento de algumas pessoas que possam ir de carro até esses locais e, a partir daí, utilizar o transporte coletiva, não se deslocando até o centro da cidade. Fazemos o levantamento dos terrenos da prefeitura para poder adequar e fazer essa modelagem”.

– Implantar projeto de bicicleta compartilhada

“Estamos fazendo um novo formato de edital, pois o último deu deserto [sem interessados]. É preciso ter um atrativo maior. Em qualquer parceria público-privada se não tiver algo que se tenha retorno, a empresa não se atrai”.

INFRAESTRUTURA

– Construção do elevado do Rio Tavares em 2017

“Estamos fazendo a continuidade da obra e continuamos avançando. Teve dificuldade com o financiamento e a SPU, mas já vencemos. Esse é um compromisso sagrado para a gente realizar. Temos uma expectativa de execução da obra para até março do ano que vem e a gente está tentando antecipar para ver se consegue entregar até o fim do ano. Aprovamos o projeto das PPPs para a desapropriação sem tirar dinheiro da prefeitura. Sobre a outorga, estamos intermediando para poder concretizar”.

Elevado do Rio Tavares. Foto: Flávio Tin/ND

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

– Implantar o Plano Diretor

“Nosso prazo para enviar para a Câmara é até 31 de maio. Reativamos o Núcleo Gestor e estamos cumprindo os prazos. Não sei se vamos ter o melhor Plano Diretor, por que é uma lei especial que o prefeito cumpre os prazos. Obviamente que a decisão é do Núcleo Gestor e do Ipuf, mas a decisão final é da Câmara de Vereadores”.

Florianópolis. Foto: Daniel Queiroz/ND.

Descanse bem, Detinha!

Após vários anos no cicloativismo e já fazendo parte da União de Ciclistas do Brasil, começo a ouvir uma voz dissonante, de um dos centros  não tão conhecidos pelos cicoativistas mais antigos. Vinha de Vitória, no Espírito Santo, aquela voz feminina, uma voz batalhadora, de quem lutava com imenso ímpeto pela mudança de uma situação que gerava – e gera – riscos à vida de quem usa as duas rodas.

Detinha, sempre que possível, queria mais – e fazia mais! Participou do CUC – Ciclistas Urbanos Capixabas, do Bike Anjo e, inclusive, na própria União de Ciclistas do Brasil.

Mas durante muito tempo o seu rosto permaneceu como uma incógnita para mim. Vitória e Florianópolis têm mais em comum do que o fato de serem capitais em ilhas. Ambas são politicamente carentes de planos de estado, aqueles que atravessam governos. Ao menos, de plano de estados que privilegiem a mobilidade humana. Sempre é preciso que a sociedade relembre os políticos para quem eles devem governar e de quem eles devem se lembrar ao planejar uma cidade. Frequentemente, planeja-se para o congestionamento, para as doenças respiratórias, para carros e mais carros.

Não é disso que uma cidade saudável precisa! Eu sei disso e Detinha sabia disso!

Enfim nos encontramos na terceira edição do Bicicultura, ocorrido em maio deste 2016 em São Paulo. A voz ganhou um rosto. A admiração já existia.

Quis o destino que fosse justamente no Festival da Cultura da Bicicleta a única vez que eu me encontrasse pessoalmente com uma das mais atuantes ativistas da bicicleta do país.

Na quinta-feira, 30 de junho, logo após palestrar sobre mobilidade urbana na 6ª Conferência das Cidades, Detinha foi atingida por uma porta recém-aberta, caindo no chão e batendo a cabeça. Entrou em coma após o traumatismo craniano, vindo a falecer horas depois.

Quis o destino que, nas circunstâncias de sua morte, Detinha fosse reconhecida pelo que era e pelo que lutava: uma MULHER que buscava o melhor para a cidade, através de políticas de mobilidade voltada aos pedestres e aos ciclistas. Essa mulher não parava de agir! E foi necessária uma desatenção irresponsável para que ela repousasse.

As batalhas pela sobrevivência aqui em terra continuam. E você lutou bravamente! Queremos nós que tua – a minha, a nossa – luta tenha ajudado a sensibilizar o coração de quem tem o poder de mudança em larga escala. De quem pode salvar vidas ao investir no ser humano e no meio ambiente.

Descanse bem, Detinha!

E obrigado por ter existido.

Detinha Son

Fabiano Faga Pacheco

Bicicleta é tema de debate na Semana do Meio Ambiente da UFSC

Nesta terça-feira, 7 de junho, ocorrerá uma mesa-redonda com a temática “Ciclovias em Florianópolis”, como parte das atividades da Semana de Meio Ambiente da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis. As palestras acontecerão a partir das 18h no auditório do Centro Sócioeconômico (CSE).

O debate, mediado pelo Prof. Arnoldo Debatin, contará com a Profa. Dora Orth, engenheira civil do Observatório de Mobilidade da UFSC, que falará sobre a rede cicloviária da Universidade, com a arquiteta Ingrid Etges Zandomeneco, do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF), que comentará sobre a rede cicloviária do município, e com o ciclista Audálio Marcos Vieira Jr., do site parceiro Pedala Floripa, que finalizará com a palestra “Ciclovias: boas para você e para o nosso meio ambiente“.

A atividade é gratuita e inscrições podem ser feitas através deste link.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Bikes vs Carros” terá exibição gratuita na Virada da Saúde

Como parte das atividades da Virada da Saúde, será re-exibido em Florianópolis o filme “Bike vs Carros”, filmado em cidades como Los Angeles, São Paulo, Amsterdam, Toronto e Copenhagen, mostrando as facilidades e dificuldades com que as gestões públicas tratam da circulação ativa sobre duas rodas, mostrando exemplos positivos e negativos sob a óptica de ciclistas, taxistas, urbanistas e gestores urbanos.

A atividade ocorrerá na Rua Francisca Luiza Vieira nº 53, Lagoa da Conceição, com exibição do filme às 17h30 e roda de conversas com Rafaella Della Giustina, ao final.

Exibição do filme “Bikes vs Carros”

Local: O Sítio
R. Francisca Luiza Vieira nº 53, Lagoa da Conceição.
Data: 30 de abril

  • 17h30 – exibição do filme Bike VS Carro
  • 19h00 – Roda de conversa com ciclistas convidados. Mediadora Rafaella Della Giustina
  • 20h00 – Encerramento

Horário do evento: das 17 às 21h.
Evento gratuito!

Vagas limitadas: faça sua inscrição pelo site ou pelo tel dO Sitio: http://ositio.com.br/

Haverá bicicletário (para quem quiser vir de bike) e estacionamento exclusivo no local.

Florianopolis 2016-04-30 Bike vs Carros

Em 2014, Florianópolis anunciou 3 ciclovias que não saíram do papel

Em 2014, a Prefeitura Municipal de Florianópolis assinou ordem de serviço para que três ruas fossem contempladas com ciclovias. Mais de 1 ano e meio depois, veja como está a situação das ruas:

  • Rua Dante de Patta (Ingleses): foi revitalizada em meados de 2015, mas não consta com ciclovia nem ciclofaixa.
  • Rua Pref. Waldemar Vieira (Saco dos Limões): não houve obra nesta rua. Não há previsão para sair o projeto.
    (Atualização em 20/01: a rua foi recapeada. Alguns quarteirões parece que não tiveram o tratamento final, mas o trecho entre o Ilha Sul e a Igreja Quadrangular foi recuperado. Há também alguns “tapetinhos” no asfalto.)
  • Av. Jorge Lacerda (Costeira do Pirajubaé): a obra foi iniciada, ficou 6 meses parada e, em novembro, foi retomada. Grande parte dela ainda está esburacada. Não foi feita nenhuma ciclovia e as notícias que a imprensa oficial do município têm divulgado não citam mais a existência de ciclovia.

Veja a promessa veiculada oficialmente no site da Prefeitura Municipal de Florianópolis em 23 de junho de 2014.

Prefeito entrega ordens de serviço para recuperar vias

Seis ruas e avenidas serão beneficiadas; obras começam imediatamente

O prefeito Cesar Souza Júnior e o secretário de Obras Domingos Zancanaro começam nesta terça-feira (24) a entregar as ordens de serviço para a requalificação das primeiras seis vias – de um total de 18 ruas e avenidas, na Ilha e no Continente, previstas no plano de obras voltadas à mobilidade urbana – nas regiões Norte, Centro e Sul da Ilha, para início imediato dos trabalhos.

Ao custo de mais de R$ 10,6 milhões, as obras preveem a recuperação asfáltica de todas as seis vias, a recuperação dos passeios de duas delas e a construção de ciclovias em três delas.

Vão ganhar ciclovias a avenida Jorge Lacerda, no Sul da Ilha (total de 3,3 km, custo de R$ 5,77 milhões), a rua Prefeito Waldemar Vieira, na região central (total de 1,8 km, custo de R$ 1,29 milhão) e a rua Dante de Patta, no Norte da Ilha (total de 637 metros, custo de R$ 423,6 mil).

Rua Dante de Patta vai ganhar ciclovia. Foto: Petra Mafalda / PMF.

Rua Dante de Patta vai ganhar ciclovia. Foto: Petra Mafalda / PMF.

A Waldemar Vieira também terá recuperação do passeio, ao lado da rua Delminda da Silveira, na região central (total de 1,8 km, custo de R$ 1,36 milhão). Terão somente recuperação asfáltica a rua Apóstolo Paschoal (total de 1,3 km, custo de R$ 649 mil) e a travessa Abílio Nunes Vieira (total de 92 metros, custo de R$  136,8 mil), estas duas no Norte da Ilha.

A seguir, a programação das entregas de ordens de serviço:
  • 10h30 – Travessa Abilio Nunes Vieira, ao lado do número 90, Ingleses
  • 11 horas – Entrega Rua Dante de Patta, em frente ao número 155, Ingleses
  • 11h30 – Rua Apóstolo Paschoal, no pátio de estacionamento do Supermercado Magia, Canasvieiras
  • 14 horas –Rua Delminda da Silveira, próximo ao posto de gasolina (passando a casa do governador), Agronômica
  • 15 horas – Avenida Waldemar Vieira, ao lado do Centro de Saúde, Saco dos Limões
  • 16 horas – Avenida Governador Jorge Lacerda, em frente à APAM, Costeira do Pirajubaé

Leia também:

Novas solicitações durante a “Prefeitura no Bairro” – Prefeitura comenta as obras na Rua Dante de Pata, nos Ingleses.
As promessas de Cesar Souza Júnior para a mobilidade por bicicleta – Sempre é bom relembrar as promessas de campanha.

DC: Ciclistas fazem homenagem a jornalista morto

DC 2015-01-18 p.12 Ghost Bike Roger
(Veja em PDF)

O texto acima foi originalmente publicado no periódico Diário Catarinense, versão impressa, na segunda-feira, 18 de janeiro de 2016, na página 12. Pode ser lida também neste link.

Abaixo, versão online da matéria do periódico, publicada em 17 de janeiro, às 10h23, aqui.

Leia mais deste post

(Charge) Ghost bike em homenagem a Róger Bitencourt

charge - Zé Dassilva DC 2015-01-18 Ghost bike Roger

A charge acima foi publicada no Diário Catarinense em 18 de janeiro de 2016 (pág. 4). A autoria dela é de Zé Dassilva.

(Vídeo) Ghost Bike Róger: “Simplesmente vidas, sendo, novamente, perdidas”

As belas imagens do Felipe Munhoz e as belas palavras de desabafo do Fabiano Faga na homenagem ao ciclista Róger Bitencourt na instalação da Bicicleta Fantasma em sua memória.

“Em um domingo de verão, dia de sol como há meses não se via em Floripa, centenas de pessoas deixaram de fazer o que gostam, para pendurar uma bicicleta branca em um poste da SC 401, local do assassinato do ciclista Róger Bitencourt, por um motorista bêbado.

O que buscam essas pessoas, não é muito, pelo contrário, buscam condições mínimas de mobilidade, de forma segura e humana.

O que parece simples está infelizmente longe de ser atingindo, devido a uma parcela raivosa da população e pela omissão das instituições públicas.

A morte do Róger se tornou notória, devido à forma brutal e banal que ocorreu, também em um domingo, fazendo o que gostava, pedalando com os amigos, no acostamento da SC 401, às 10 horas da manhã.

Apesar disso, a bicicleta, por ser mais humana e, portanto, mais frágil que um carro, de forma alguma é mais perigosa.

Perigosas, são as altas velocidades que matam motoristas, passageiros, ciclistas e pedestres.

Mortes não deveriam ser toleradas no trânsito, simplesmente porque poderiam ser facilmente evitadas.

Usuários de bicicleta sabem disso, e não toleram nenhuma morte, por isso estão nas ruas e não vão sair de lá.”

Felipe Munhoz

%d blogueiros gostam disto: